Perfil de indivíduos com excesso de peso metabolicamente saudáveis e metabolicamente não saudáveis

  • Bethânia Esmeralda Claudiano da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Vanessa Cirilo Caetano Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição - Juiz de Fora, MG
  • Bruna de Freitas Alvim Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição - Juiz de Fora, MG
  • Rayane Silva Martins Ribeiro Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição - Juiz de Fora, MG
  • Thiago Balbi Seixas Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição - Juiz de Fora, MG
  • Sheila Cristina Potente Dutra Luquetti Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição - Juiz de Fora, M
Palavras-chave: Obesidade. Síndrome metabólica. Saudável.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo caracterizar um grupo de indivíduos adultos com excesso de peso quanto ao seu perfil metabólico, qualificando-os como obesos metabolicamente saudáveis ou obesos metabolicamente não saudáveis, segundo diferentes critérios. Trata-se de um estudo transversal, que avaliou 63 indivíduos adultos, 69,8% do sexo feminino, com sobrepeso (25,0 – 29,9 kg/m²) ou obesidade (≥ 30 kg/m²). Para a caracterização metabólica, foram utilizados os critérios: Índice Homeostasis Model Assessment” (obesos metabolicamente saudáveis: dentro dos 3 menores quartis: ≤3,10; obesos metabolicamente não saudáveis: >3,10); padrões do “National Cholesterol Education Program’s Adult Treatment Panel III” (obesos metabolicamente saudáveis: apresentar até 2 componentes; obesos metabolicamente não saudáveis: 3 ou mais dos cinco componentes) e a combinação destes dois. Os perfis de estilo de vida, antropométrico, bioquímico e de consumo alimentar também foram avaliados. Os resultados foram expressos como percentual ou média ± desvio padrão, conforme o tipo de variável a ser descrito. A frequência de indivíduos obesos metabolicamente saudáveis foi de 73%, pelo critério de Homeostasis Model Assessment”; e de 49,2%, pelo “Adult Treatment Panel III”. Usando os dois critérios em conjunto, obteve-se 79,4% de obesos metabolicamente saudáveis. A qualificação dos indivíduos pode variar de acordo com o critério utilizado. De forma geral, os obesos metabolicamente saudáveis exibem menores índices de massa corporal e circunferência da cintura, e possuem menos alterações bioquímicas. Entretanto, estes indivíduos também necessitam de acompanhamento nutricional, a fim de evitar que estes parâmetros se alterem ao longo do tempo, colocando-os em risco de desenvolver doenças crônicas.

Biografia do Autor

Bethânia Esmeralda Claudiano da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora
Bethânia Esmeralda Claudiano da Silva, bethaniaesmeralda1@hotmail.com, Departamento de Nutrição/UFJF.

Referências

CADE, J. et al. Development, validation and utilisation of food-frequency questionnaires: a review. Public Health Nutrition, v. 5, n. 4, p. 567-587, 2002.

CAMPOS, K. E. et al. Obesidade e resistência à insulina. Femina, v. 34, n. 9, p. 591-595, set. 2006.

CARLUCCI, E. M. S. et al. Obesidade e sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Com. Ciências Saúde, v. 24, n. 4, p. 375-384, 2013.

DU, H. et al. Dietary fiber and subsequent changes in body weight and waist circumference in European men and women. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 91, p. 329-336, 2010.

DURWARD, C. M.; HARTMAN, T. J.; NICKOLS-RICHARDSON, S. M. All-cause mortality risk of metabolically healthy obese individuals in NHANES III. Journal of Obesity, p. 1-12, 2012.

EXPERT PANEL ON DETECTION, EVALUATION AND TREATMENT OF HIGH BLOOD CHOLESTEROL IN ADULTS. Executive summary of the third report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) expert panel on detection, evaluation and treatment of high cholesterol. Journal of the American Medical Association, v. 285, p. 2486–2497, 2001.

GRUNDY, S. M. et al. Definition of metabolic syndrome. Report of the national heart, lung, and blood Institute/American heart association conference on scientific issues related to definition. Circulation, v. 109, p. 433-438, fev. 2004.

HINNOUHO, G. M. et al. Metabolically healthy obesity and risk of mortality: does the definition of metabolic health matter? Diabetes Care, v. 36, p. 2294–2300, ago. 2013.

LIU, S. et al. Relation between changes in intakes of dietary fiber and grain products and changes in weight and development of obesity among middle-aged women. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 78, n. 5, p. 920-927, 2003.

LOTTENBERG, A. M. P. Importância da gordura alimentar na prevenção e controle de distúrbios metabólicos e da doença cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 53, n. 5, p. 595-607, 2009.

MATTHEWS, D. R. et al. Homeostasis model assessment: insulin resistance and beta-cell function from fasting plasma glucose and insulin concentrations in man. Diabetologia, v. 28, p. 412-419, 1985.

MONTAGUE, C. T.; O’RAHILLY, S. The perils of portliness causes and consequences of visceral adiposity. Diabetes, v. 49, n. 6, p. 883-888, jun. 2000.

NEGRÃO, C. E. et al. O papel do sedentarismo na obesidade. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 7, n. 2, p. 149-155, abr/jun. 2000.

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ALIMENTAÇÃO – NEPA. Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO. 4ª edição. Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, 2011.

OGORODNIKOVA, A. D. et al. Incident cardiovascular disease events in metabolically benign obese individuals. Obesity (Silver Spring), v. 20, n. 3, p. 651-659, mar. 2012.

OLIVEIRA, G. M. M.; MARTINS, W. A. O preço da obesidade. Editorial. Revista Brasileira de Cardiologia, v. 26, n. 4, p. 238-240, jul/ago. 2013.

PACHECO, M. Tabela de equivalentes, medidas caseiras e composição química dos alimentos. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2011.

PHILIPPI, S. T. Tabela de composição de alimentos – suporte para decisão nutricional. 4ª edição. São Paulo: Editora Manole, 2013.

PIMENTEL, A. C. Efeito da dieta hipoenergética associada ao consumo de farinha de berinjela em obesas metabolicamente saudáveis e não saudáveis. 123 f. Dissertação (Pós-Graduação em Medicina), Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

PRIMEAU, V. et al. Characterizing the profile of obese patients who are metabolically healthy. International Journal of Obesity, v. 35, p. 971-981, 2011.

RIBEIRO, A. B.; CARDOSO, M. A. Construção de um questionário de frequência alimentar como subsídio para programas de prevenção de doenças crônicas não transmissíveis. Revista de Nutrição, v. 15, n. 2, p. 239-245, maio/ago. 2002.

SALES, R.L.; SILVA, M. M. S.; COSTA, N. M. B. Avaliando o consumo alimentar por fotos. [CD-ROM]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2004.

SCHEIDT, A.; LIBERALI, R.; NAVARRO, F. Prevalência de obesidade na terceira idade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 3, n. 15, p.234-240, maio/jun. 2009.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. I diretriz brasileira de diagnóstico e tratamento da síndrome metabólica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 84, n. 1, abr. 2005.

SORIGUER, F. et al. Metabolically healthy but obese, a matter of time? Findings from the prospective pizarra study. The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, v. 98, n. 6, p. 2318-2325, jun. 2013.

TAKSALI, S. E. et al. High visceral and low abdominal subcutaneous fat stores in the obese adolescent. A determinant of an adverse metabolic phenotype. Diabetes, v. 57, p. 367-371, fev. 2008.

VIGITEL BRASIL 2016. Saúde suplementar: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. Brasília, 2017. Disponível em: https://www.ans.gov.br/images/Vigitel_Saude_Suplementar.pdf. Acesso em 22 jun. 2018.

WHO. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva, 2010. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44399/9789241599979_eng.pdf;jsessionid=1D177E24E6D47C4823B991DF8ED54B33?sequence=1. Acesso em 18 agos. 2017.

WHO. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. Technical Report Series, n. 894, Geneva, jun, 1997.

WHO. World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee. Technical Report Series, n. 854, Geneva, nov, 1995.

YOO, H. K. et al. Comparison of metabolic characteristics of metabolically healthy but obese (MHO) middle-aged men according to different criteria. Korean Journal of Family Medicine, v. 34, n. 1, p. 19-26, jan. 2013.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
da Silva, B. E. C., Caetano, V. C., Alvim, B. de F., Ribeiro, R. S. M., Seixas, T. B., & Luquetti, S. C. P. D. (2019). Perfil de indivíduos com excesso de peso metabolicamente saudáveis e metabolicamente não saudáveis. HU Revista, 43(4), 317 - 323. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2860
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##