Pacientes em diálise peritoneal e em hemodiálise: Existe diferença em relação ao estado nutricional?

  • Livia de Almeida Alvarenga Universidade Federal Fluminense
  • Michelle Andrade Moreira Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Beatriz Cristina Pereira Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Aline Silva de Aguiar Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Diálise. Diálise peritoneal. Hemodiálise. Estado Nutricional. Exames Bioquímicos. Antropometria.

Resumo

A hemodiálise (HD) e a diálise peritoneal (DP) são as terapias renais de substituição mais comumente utilizadas, sendo que o estado nutricional dos pacientes com Doença Renal Crônica (DRC) pode ser influenciado pela modalidade de diálise utilizada. Objetivo: Comparar o estado nutricional de pacientes em HD e em DP, por meio da avaliação antropométrica e bioquímica. Trata-se de um estudo transversal, realizado no setor de nefrologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. O estudo foi constituído por 29 pacientes em DP e 36 em HD, totalizando 65 pacientes. Os dados coletados foram: peso corporal seco, estatura, Índice de Massa Corporal (IMC), área muscular do braço (AMB), circunferência muscular do braço (CMB), prega cutânea tricipital (PCT) e circunferência do braço (CB); além dos exames bioquímicos: potássio, fósforo, uréia e albumina.  Pode-se observar maior prevalência do sexo feminino na modalidade DP em relação a HD (75% X 44,4%, p = 0,01).  Houve diferença nos tempos em diálise entre os grupos (DP: 41,86 ±33,2 meses X HD: 22,36 ±5,4 meses, p = 0,001). Em relação à classificação da CMB, 48,3% dos pacientes em DP e 22,2% em HD foram classificados como eutróficos (p = 0.001). Quanto à AMB, 72,5% dos pacientes em DP e 36,1% dos pacientes em HD foram classificados como eutróficos (p = 0.001). Em relação aos exames bioquímicos, somente o potássio apresentou diferença significante entre os grupos (DP: 4,9 ±0,73 mEq/L e HD: 5,64 ±0,78 mEq/L, p = 0,01). No presente estudo, os pacientes em DP apresentam melhor classificação em relação a CMB e AMB, além de melhor controle do potássio sérico, em relação aos pacientes em HD.

Referências

ARENAS, V. G. et al. Qualidade de Vida : comparação entre diálise peritoneal automatizada e hemodiálise *. Acta Paulista de Enfermagem, v. 22, n. 9 , p. 535–539 , set. 2009.

AVESANI, C. M.; KAMIMURA, M. A.; CUPPARI, L. Energy expenditure in chronic kidney disease patients. Journal of Renal Nutrition: the official journal of the Council on Renal Nutrition of the National Kidney Foundation, v. 21, n. 1, p. 27–30, jan. 2011.

BASTOS, Marcus G et al. Doença Renal Crônica : Problemas e Soluções. , [S.d.].

CAETANO, A. L.; CUPPARI, L.; KAMIMURA, M. A. Espessura do músculo adutor do polegar como preditor da força de preensão manual nos pacientes em hemodiálise. p. 177–184 , [S.d.].

CENTRE, Monash Medical. The epidemiology of chronic kidney disease. v. 67, p. 14–18, 2005.

CUPPARI, L.; KAMIMURA, M. A. Avaliação nutricional na doença renal crônica: desafios na prática clínica. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 31, n. 1, p. 28–35, jan. 2009.

FAVALESSA, E. et al. Avaliação Nutricional e Consumo Alimentar de Pacientes com Insuficiência Renal Crônica. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde v. 11, n. 4, p. 39–48, abr. 2009.

FERNANDES, N. M. S. et al. Body size and longitudinal body weight changes do not increase mortality in incident peritoneal dialysis patients of the Brazilian peritoneal dialysis multicenter study. Clinics (São Paulo, Brazil), v. 68, n. 1, p. 51–58 , fev. 2013.

HOMBURG, B. Cálculo de Kt / V em hemodiálise : comparação entre fórmulas. Jornal Brasileiro de Nefrologia v. 34, n. 1, p. 22–26 , jan. 2012.

IOLA, E.; ANDRADE, G. Sobrevida de pacientes em diálise no SUS no Brasil Survival analysis of dialysis patients in the Brazilian Unifi ed National Health System. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 3, p. 415–424 , mar. 2012.

KOPPLE, J D. National kidney foundation K/DOQI clinical practice guidelines for nutrition in chronic renal failure. American journal of kidney diseases:The official journal of the National Kidney Foundation v. 37, n. 1 Suppl 2, p. S66–S70 , fev. 2001.

KOVESDY, C. P.; FURTH, S.; ZOCCALI, C. Obesity and kidney disease: hidden consequences of the epidemic Obesidad y enfermedad renal: las consecuencias ocultas de una epidemia. PersPectiva rev Med chile, v. 145, n. 2, p. 281–291 , fev. 2017.

MANSUR, H. N.; DAMASCENO, V. O.; BASTOS, M. G. Prevalência da fragilidade entre os pacientes com doença renal crônica em tratamento conservador e em diálise. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 34, n. 2, p. 153–160 , fev. 2012.

MICHELIS, R. et al. Oxidative modifications impair albumin quantification. Biochemical and Biophysical Research Communications, v. 401, n. 1, p. 137–142 , jan; 2010. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.bbrc.2010.09.027>.1090-2104.

NASCIMENTO, D. et al. Experience report : food and nutrition education with chronic renal failure patients on hemodialysis Relato de experiência : educação alimentar e nutricional com pacientes renais crônicos em hemodiálise. Nutricion clinica y dietetica hospitalaria, v. 36, n. 3, p. 31–37, mar. 2016.

OLIVEIRA, G. T. et al. Avaliação nutricional de pacientes submetidos à hemodiálise em centros de Belo Horizonte. Revista da Associação Médica Brasileira v. 58, n. 2, p. 240–247 , fev. 2012.

PEREIRA, R. A. et al. Sarcopenia in chronic kidney disease on conservative therapy : prevalence and association with mortality. Nome do periódico, v.30 , n. 10 , p. 1718–1725, out. 2015.

RIGONI, M. et al. Survival and time-to-transplantation of peritoneal dialysis versus hemodialysis for end-stage renal disease patients: competing-risks regression model in a single Italian center experience. Journal of Nephrology, v. 30, n. 3, p. 441–447, mar. 2017. Disponível em: <http://link.springer.com/10.1007/s40620-016-0366-6>.

SALAMON, K. et al. Peritoneal Dialysis Patients Have Higher Prevalence of Gastrointestinal Symptoms Than Hemodialysis Patients. Journal of Renal Nutrition v. 23, n. 2, p. 114–118 , fev. 2013. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1053/j.jrn.2012.02.007>.

SANDERS, H. N. et al. Effect of potassium concentration in dialysate on total body potassium. Journal of Renal Nutrition, v. 8, n. 2, p 64-68, fev. 1998.

SESSO, R. C. et al. Brazilian Chronic Dialysis Census 2014. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 38, n. 1, p. 54–61 , jan. 2016.

SESSO, R. C. et al. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2016. Jornal Brasileito de Nefrologia, v. 39, n. 3, p. 261-266, mar. 2017.

STEFANELLI, C. et al. Avaliação nutricional de pacientes em hemodiálise Nutritional. Journal of the health sciences institute, v. 28, n. 3, p. 268–271, mar. 2010.

ZUIJDEWIJN, C. L. M. R. V. et al. A Comparison of 8 Nutrition-Related Tests to Predict Mortality in Hemodialysis Patients. Journal Renal Nutrition, v. 25, n. 5, p. 412–419 , set. 2015.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
Alvarenga, L. de A., Moreira, M. A., Pereira, B. C., & Aguiar, A. S. de. (2019). Pacientes em diálise peritoneal e em hemodiálise: Existe diferença em relação ao estado nutricional?. HU Revista, 43(4), 325 - 330. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2821
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##