Padrão de aleitamento e estado nutricional de crianças até os seis meses de idade

Autores

  • Alécia Josefa Alves Oliveira Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Ana Jovina Barreto Bispo Universidade Federal de Sergipe
  • Lorena Dantas Cruz Universidade Estácio de Sá, Aracaju, SE

Palavras-chave:

Aleitamento materno. Leite materno. Estado nutricional. Criança.

Resumo

O aleitamento materno é fundamental na alimentação das crianças menores de dois anos de idade. O leite materno reúne componentes nutricionais ideais, com balanceamento adequado de nutrientes, proteções imunológica e psicológicas, importantes na diminuição da morbidade e mortalidade infantil. A introdução de alimentos complementares na dieta da criança só deve ocorrer após os seis meses de idade. Sendo assim, este trabalho objetivou comparar o estado nutricional entre crianças em aleitamento materno exclusivo e misto até o sexto mês. Trata-se de um estudo observacional transversal e descritivo, realizado em um ambulatório de aleitamento materno situado em uma maternidade filantrópica e clínica privada, localizados no município de Itabaiana, Sergipe. Os dados foram coletados em três momentos distintos (2º, 4º, 6º mês de vida) por meio de entrevista estruturada aplicada às mães e da aferição de medidas antropométricas: peso, estatura, IMC. Para a análise estatística dos dados foi utilizado o programa SPSS, versão 20.0. A amostra foi composta por 80 crianças, 40 sob aleitamento exclusivo e 40 sob aleitamento misto, sendo 15 meninos e 25 meninas. Percebeu-se que ao longo dos seis meses as crianças sob aleitamento exclusivo tiveram um melhor estado nutricional, com um maior número de crianças com IMC adequado para idade, menor classificação para baixo peso e nenhuma com obesidade. É importante incentivar o aleitamento exclusivo até o sexto mês de vida para promoção de um crescimento e desenvolvimento adequados das crianças e prevenção de doenças infecciosas, gastrointestinais e carências nutricionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alécia Josefa Alves Oliveira Santos, Universidade Federal de Sergipe

Nutricionista Mestre em Ciências da Saúde.

Especialista em Nutrição Clínica - Metabolismo, Prática e Terapia Nutricional.

Doutoranda em Ciências da Saúde.

Ana Jovina Barreto Bispo, Universidade Federal de Sergipe

Médica Pediatra.

Mestre em Ciências da Saúde.

Doutoranda em Ciências da Saúde.

Lorena Dantas Cruz, Universidade Estácio de Sá, Aracaju, SE

Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica - Metabolismo, Prática e Terapia Nutricional.

Referências

BARROS, V.O. et al. Aleitamento materno e crescimento de lactentes atendidos pelo programa de saúde da família. Rev. Nutrire: Soc. Bras. Alim. Nutr. J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, v. 33, n. 3, p. 111-121, 2008.

BRASIL. Aleitamento materno, distribuição de fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação.Brasília: Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica nº1 / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas, 2012. Disponível em . Acesso em: 05 nov. 2014.

BRASIL. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, nº 23/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, 2009 Disponível em . Acesso em: 05 nov 2014.

BRECAILO, M. K. et al. Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo em Guarapuava, Paraná. Rev. Nutr. Campinas.v. 23, n. 4, p. 553-563, 2010.

CORONA, L. P, CONDE, W. L. O efeito do aleitamento materno na composição corporal de menores de três anos em São Paulo, Brasil.Journal of Human Growth and Development. v. 23, n. 3, p. 276-281, 2013.

DEMÉTRIO, F.; PINTO, E. J.; ASSIS, A. M. O. Fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno: um estudo de coorte de nascimento em dois municípios do Recôncavo da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. v. 28, n. 4, p.641-654, 2012.

FIALHO, F. A. et al. Fatores associados ao desmame precoce no aleitamento materno. Ver. Cuidarte, v. 5, n. 1, p. 670-8, 2014.

MACHADO, A. K. F. et al. Intenção de amamentar e de introdução de alimentação complementar de puérperas de um Hospital-Escola do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. v. 19, n. 7, p. 1983-1989, 2014.

MINOSSI, V. et al. Duração do aleitamento materno e o excesso de peso. Cinergis.v. 14, n. 1, p. 11-18, 2013.

MORAES, J. F. V. N.; GIUGLIANO, R. Aleitamento materno exclusivo e adiposidade. Rev Paul Pediatr.v. 29, n. 2, p. 152-156, 2011.

Organização Mundial da Saúde – OMS. Tabelas das Curvas da OMS (2006 e 2007) Disponível em: // <http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/tabelas_curvas_oms_2006_2007.pdf.>Acesso: 05 nov. 2014.

QUEIROZ, V. A. O. et al. Preditores do crescimento linear no primeiro ano de vida em uma coorte prospectiva de crianças a termo com peso adequado. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 88, n. 1, p. 79-86, 2012.

REZENDE, M. B. et al. Prevalência do aleitamento materno em recém-nascidos de muito baixo peso: método alternativo versus tradicional na alimentação. Revista Médica de Minas Gerais.v. 24, n. 2, p. 143-149, 2014.

SALDIVA, S. R. D. M. et al. Influência regional no consumo precoce de alimentos diferentes do leite materno em menores de seis meses residentes nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 11, p. 2253-2262, 2011.

SCHWARTZ, R. et al. Associação entre aleitamento materno e estado nutricional atual de crianças e adolescentes atendidos em um hospital do Sul do Brasil. Revista HCPA.v. 32, n. 2, p. 147-153, 2012.

Downloads

Publicado

2016-09-20

Como Citar

1.
Alves Oliveira Santos AJ, Barreto Bispo AJ, Dantas Cruz L. Padrão de aleitamento e estado nutricional de crianças até os seis meses de idade. hu rev [Internet]. 20º de setembro de 2016 [citado 5º de julho de 2022];42(2). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2514

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)