POVOS TRADICIONAIS E COMUNIDADES PESQUEIRAS: O PROCESSO IDENTITÁRIO COMO FORMA DE LUTA POR DIREITOS

  • Yashmin Viola Marote Loureiro

Resumo

A alteridade ocorre através de um processo relacional. É no contato com “o outro” que os grupos sociais se distinguem e se identificam enquanto grupo. Este artigo tem como objetivo fazer uma breve exposição na noção de cultura no campo antropológico para, assim, demonstrar formas de dominação de uma cultura (moderna, eurocêntrica, compreendida como o exemplo a ser seguido) sobre outras – especificamente os chamados “povos tradicionais”. A expansão de fronteiras e a imposição de um modelo de desenvolvimento hegemônico reforçam a luta desses povos no processo de identificação e garantia de seus direitos. Dessa forma, o diálogo entre os saberes tradicionais e o conhecimento científico fortalece esses grupos. No entanto, esse fortalecimento só é possível através de uma subordinação ao científico, “letrado”, para que possa ser valorizado.

Publicado
2017-02-10