As fendas do homo digitale nas bordas do discurso humorístico

  • Francisco Vieira da Silva
  • Éderson Luís da Silveira

Resumo

Tomar o discurso humorístico enquanto materialidade de análise implica em perceber que as palavras são sempre discursos na sua relação com os sentidos. (ORLANDI, 2007). Desse modo, a techné digital incide sensivelmente sobre os sujeitos que a utilizam, de maneira a engendrar o espectro do homo digitale (XAVIER, 2013) e as suas respectivas idiossincrasias. Objetivamos refletir sobre os efeitos da cultura digital no processo de constituição do sujeito contemporâneo a partir do conceito de memória discursiva elaborado por Courtine.

Publicado
2019-06-16
Seção
Artigos