Daiara Tukano e as artes indígenas contemporâneas

demarcação, representatividade e resiliência

Autores

  • Cesar Augusto Moro Faculdade Unyleya
  • Mirella Mileidy Assunção da Luz Castro

Palavras-chave:

Artes Indígenas Contemporâneas, Reantropofagia, Movimento Indígena, Arte Indígena, Daiara Tukano

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar a obra de Daiara Tukano (1982-), artista indígena do povo Tukano (Amazonas), em seu aspecto técnico e semântico, dentro do contexto das Artes Indígenas Contemporâneas, traçando um caminho entre cultura ancestral e expressão contemporânea. Foi utilizada a revisão bibliográfica, além de uma análise qualitativa, nas quais procurou-se privilegiar as publicações e falas dos próprios indígenas. Espera-se trazer para o centro da discussão acadêmica as culturas, saberes e obras de artes indígenas, de modo a contribuir para sua democratização e para a desconstrução de preconceitos e estereótipos. Constatou-se que a obra reantropofágica de Tukano potencializa a criação de alianças, a demarcação dos espaços, a emancipação do discurso e do lugar de fala de indígenas e a construção de um imaginário social adequado acerca dessas populações. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cesar Augusto Moro, Faculdade Unyleya

Especialista em História da Arte (Faculdade Unyleya) e em Comunicação e Mídia (UNIP). Graduado em Artes Visuais (UNIP) e professor da Rede Pública Municipal no interior de São Paulo.

Mirella Mileidy Assunção da Luz Castro

Mestre em Artes pela Universidade de Brasília (UnB), Especialista em História da África e em Educação à Distância, Graduada em Artes Plásticas.

Referências

AGÊNCIA JOVEM DE NOTÍCIAS. Yandê é a primeira web rádio indígena do Brasil. 7 de Agosto de 2020. Disponível em: <https://www.agenciajovem.org/wp/yande-e-a-primeira-web-radio-indigena-do-brasil/>. Acesso em: 30 de abril de 2022.

AGÊNCIA MINAS. Curso de formação intercultural de educadores indígenas forma a primeira turma. [s.d.]. Disponível em: <http://www.2005-2015.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/curso-de-formacao-intercultural-de-educadores-indigenas-forma-a-primeira-turma/> Acesso em 20 de maio de 2022.

BANIWA, D. Arte Indígena por Denílson Baniwa. Entrevista concedida a Marcelo Garcia Rocha. Rotura – Revista de Comunicação, Cultura e Artes, n. 2, p. 93-97, 28 set. 2021. Disponível em: <https://publicacoes.ciac.pt/index.php/rotura/article/view/39>. Acesso em 12 de abril de 2022.

BANIWA, Denilson. “Pajé-Onça: Hackeando a 33ª Bienal de Artes de São Paulo”. Performance. HD vídeo, 16:9, cor, som, 15min, 2018. Disponível em: <https://www.behance.net/gallery/77978367/Paj-Onca-Hackeando-a-33-Bienal-de-Artes-de-Sao-Paulo>. Acesso em: 26 maio. 2022.

BANIWA, Denilson. “Re-antropofagia”. Técnica Mista. 100 x 120cm.

CÂNDIDO, W. R., SILVESTRE, N. A. C. O discurso da antropofagia como estratégia de construção da identidade cultural brasileira. Acta Scientiarum. Language and Culture, 38(3), 243-251, ago. 2016. <https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v38i3.31204>. Acesso em: 20 de maio de 2022.

CARAÍVA. Aldeia Pataxó. [s.d.]. Disponível em: <https://caraiva.com.br/aldeia-indigena/>. Acesso em: 2 jul. 2022.

DINATO, D. ReAntropofagia: a retomada territorial da arte. MODOS. Revista de História da Arte. Campinas, v. 3, n. 3, p.276-284, set. 2019. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663192>. Acesso em 05 de maio de 2022.

ESBELL, J. Abril indígena 2020 - O sistema AIC. Galeria Jaider Esbell. 16 de abril de 2020. Disponível em: <http://www.jaideresbell.com.br/site/2020/04/16/abril-indigena-2020-o-sistema-aic/>. Acesso em 21 de abril de 2022.

ESBELL, J. Arte Indígena Contemporânea e o grande mundo. Revista Select, São Paulo, n. 39. 22 de janeiro de 2018. Disponível em: <https://www.select.art.br/arte-indigena-contemporanea-e-o-grande-mundo/>. Acesso em: 16 de abril de 2022.

ESBELL, J. Na sociedade indígena, todos são artistas. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, PPGAV-UFRJ, v. 27, n. 41, p. 14-48, jan.-jun. 2021. ISSN-2448-3338. DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n41.3. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/45021>. Acesso em 02 de junho de 2022.

FAVALLE, P. Mulheres que Inspiram: Shirley Krenak discute o papel do feminismo em comunidades indígenas. 2 de maio de 2022. Disponível em: <https://harpersbazaar.uol.com.br/estilo-de-vida/mulheres-que-inspiram-shirley-krenak-discute-o-papel-do-feminismo-em-comunidades-indigenas/>. Acesso em: 2 jul. 2022.

GOLDSTEIN, I. S. Da “representação das sobras” à “reantropofagia”: Povos indígenas e arte contemporânea no Brasil. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 3, p. 68–96, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i3.4304. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663183>. Acesso em: 1º de maio de 2022.

GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: LTD, 2012.

GUAJAJARA, S. Educação indígena: esperança de cura para tempos de enfermidade. In: CÁSSIO, F. (org.). Educação contra a barbárie por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 206- 210.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os indígenas no Censo Demográfico 2010. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf>. Acesso em 22 de ago. de 2022.

KRENAK, A. As alianças afetivas. Entrevista a Pedro Cesarino. In: BIENAL SÃO PAULO. Incerteza Viva. Dias de estudo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, pp. 169-188.

MACHADO, R. Nem modernista, nem anti-modernista, a Arte Indígena Contemporânea (e cosmopolítica) na vanguarda de um Brasil que jamais foi moderno. 26 de abril de 2022. Disponível em: <https://www.ihu.unisinos.br/categorias/159-entrevistas/618002-nem-modernista-nem-anti-modernista-a-arte-indigena-contemporanea-e-cosmopolitica-na-vanguarda-de-um-brasil-que-jamais-foi-moderno>. Acesso em: 26 de maio de 2022.

MARTINEAU, J.; RITSKES, E. Fugitive indigeneity: Reclaiming the terrain of decolonial struggle through Indigenous art. Decolonization: Indigeneity, Education & Society, v. 3, n. 1, p. 1-12, 20 de maio de 2014. Disponível em: <https://jps.library.utoronto.ca/index.php/des/article/view/21320>. Acesso em: 21 de abril de 2021.

MUNDURUKU, D. O Caráter Educativo do Movimento Indígena Brasileiro (1970-1990), 1ª Edição, São Paulo, Paulinas, 2012.

PORTAL DO GOVERNO DE MATO GROSSO DO SUL. Artesanato molda cultura e promove inclusão da população indígena na economia solidária. 26 de ago. 2017. Disponível em: <http://www.ms.gov.br/artesanato-molda-cultura-e-promove-inclusao-da-populacao-indigena-na-economia-solidaria/>. Acesso em: 26 maio. 2022.

PROVOCA. Daiara Tukano. Entrevista concedida a Marcelo Tas. 26 de outubro de 2021. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sjNMYDdPlPI>. Acesso em 02 de junho de 2022.

RIBEIRO, B. G. Arte Indígena, Linguagem Visual. São Paulo: Editora da USP, p. 101 – 110, 1989. Disponível em: <https://acervo.socioambiental.org/acervo/documentos/arte-indigena-linguagem-visual>. Acesso em: 27 de abril de 2022.

RIBEIRO, D. Lugar de Fala. 1ª. ed. São Paulo: Pólen, 2019 (Feminismos Plurais). E-book. Disponível em: <https://www.amazon.com.br/Lugar-Feminismos-Plurais-Djamila-Ribeiro-ebook/dp/B07TXR6DST>. Acesso em 1 de junho de 2022.

RODRIGUES, W. Arte ou artesanato? Artes sem preconceitos em um mundo globalizado. Cultura Visual, [S. l.], v. 1, n. 18, p. 85–95, 2012. DOI: 10.9771/2175-084Xrcv.v1i18.5977. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/rcvisual/article/view/5977>. Acesso em: 20 de abril de 2022.

SANZIO, Rafael. “Bridgewater Madonna” c. 1507. Óleo sobre tela transferida de um painel, 81 cm x 56 cm.

TUKANO, D. entrevista concedida ao canal do Youtube SESCTV. Daiara Tukano. 1º de outubro de 2021. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=HMbe4AoLlJc>. Acesso em: 21 de abril de 2022.

TUKANO, Daiara. “Hori”. 2017. Acrílica sobre tela, 70 x 70cm.

TUKANO, Daiara. “Selva Mãe do Rio Menino”. 2020. Grafite, acrílica em alvenaria, 48 x 28m.

TUKANO, D. Arte. Fevereiro de 2022. Disponível em: <https://www.daiaratukano.com/arte>. Acesso em: 16 de abril de 2022.

TUKANO, D. Bio. 2022. Disponível em: <https://www.daiaratukano.com/arte>. Acesso em: 16 de abril de 2022.

TUKANO, D. Hoje foi dia de pintar nossa casa com meus irmãos. Brasília (DF), 13 de maio de 2022. Instagram: @daiaratukano. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/CdhE0m9Lh8O/>. Acesso em 1 de junho de 2022.

VIDAL, L. Arte Indígena e Sobrevivência Cultural. In: FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO (org.). Tradição e Ruptura: Síntese de Arte e Cultura Brasileiras. 1ª. ed. São Paulo, 1984. p. 22-35.

WUNDER, A.; VILLELA, A. (In)Visibilidades e poéticas indígenas na escola: Atravessamentos imagéticos. Teias, Rio de Janeiro, v. 18, n, 51, p. 14-32, out/dez 2017. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/30739>. Acesso em 16 de abril de 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

(1)
Moro, C. A.; Castro, M. M. A. da L. Daiara Tukano E As Artes indígenas contemporâneas: Demarcação, Representatividade E Resiliência. FDC 2022, 8, 3-31.