O fascismo como conceito genérico

os cinco estágios de Robert Paxton

Autores

  • Sergio Schargel UFF/Doutorado em Ciência Política

DOI:

https://doi.org/10.34019/2359-4489.2022.v8.38360

Palavras-chave:

teoria política, fascismo, robert paxton

Resumo

Este artigo propõe uma discussão sobre o fascismo como conceito genérico, o entendendo como a manifestação simultânea de quatro outros conceitos, a saber, reacionarismo, populismo, autoritarismo e nacionalismo. Privilegia-se a análise do politólogo Robert Paxton, trabalhando uma noção do fascismo como processo inerente à política de massas contemporânea, uma versão degenerada da democracia de massas, e que responderia por cinco estágios que vão desde seu surgimento até sua radicalização ou entropia. A partir dessa análise, será possível elucidar algumas de suas principais características e utilizar a chave de Paxton para apreender fascismos contemporâneos. Aprofundando a hipótese de que o fascismo não morreu em 1945, é pertinente por permitir ampliar o estado da arte ao analisar algumas de suas principais idiossincrasias e sua ameaça à democracia agonística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Schargel, UFF/Doutorado em Ciência Política

Doutorando em Ciência Política pela UFF. Mestre em Letras pela PUC-Rio, mestre em Ciência Política pela Unirio. Bolsista CAPES, ex-bolsista CNPq. Venceu o Prêmio Abralic de melhor dissertação do biênio 2020-2021. Sua pesquisa e produção artística são focadas na relação entre literatura e política, tangenciando temas como teoria política, literatura política, fascismo, antissemitismo e a obra de Sylvia Serafim Thibau. Participa do grupo de pesquisa Centro de Análise de Instituições, Políticas e Reflexões da América, da África e da Ásia – CAIPORA. Editor-chefe da revista Ziz e editor da revista Opiniães, organizou a vigésima sétima edição da Revista Escrita. Contato: sergioschargel_maia@hotmail.com / sergioschargel@gmail.com.

Referências

ALBRIGHT, Madeleine. Fascismo: um alerta. São Paulo: Planeta, 2018.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexiones sobre el origen y la difusión del nacionalismo. Ciudad del Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1993.

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo: totalitarismo, o paroxismo do poder. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1978.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jesuralém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

BRAY, Mark. Antifa: o manual antifascista. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

BURKE, Edmund. Reflexões sobre a Revolução em França. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

ECO, Umberto. O Fascismo eterno. Rio de Janeiro: Record, 2018.

FREUD, Sigmund. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GASSET, José Ortega y. A rebelião das massas. São Paulo: Linográfica Editôra LTDA., 1962.

GEISELBERGER, Heinrich (org.). A grande regressão. São Paulo: Estação Liberdade, 2019.

GOETHE, Johann Wolfgang Von. Fausto. Tradução de Agostinho D’Ornellas. São Paulo: Martin Claret, 2011.

GRIFFIN, Roger. The nature of Fascism. Abingdon: Routledge, 2015.

HOBSBAWM, Eric J. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

LOCKE, John. Two treatsises of civil government. London: Everyman's Library, 1966.

MAISTRE, Joseph de. Considerations on France. London: McGill-Queen’s University Press, 1974.

MANN, Michael. Fascistas. Rio de Janeiro: Record, 2008.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política & Sociedade, n.03, 2003.

MUSSOLINI, Benito. My autobiography: with “The political and social doctrine of Fascism”. New York: Dover Publications, 2006.

MUSSOLINI, Benito. Mussolini as revealed in is political speeches. 2020. Disponível em: https://www.gutenberg.org/files/62754/62754-h/62754-h.htm#Page_xxi. Acesso em: 16 set. 2021.

ORWELL, George. O que é Fascismo? E outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

PACHUKANIS, Evguiéni. Fascismo. São Paulo: Boitempo, 2020.

PARETO, Vilfredo. Manual of political economy. Oxford: Oxford University Press, 2014.

PAXTON, Robert. A anatomia do Fascismo. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

PAXTON, Robert. The five stages of fascism. The Journal of Modern History. Chicago: Chicago University Press, v. 70, n. 01, 1998, p. 01-23. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/235001. Acesso em 06 nov. 2021. Doi: https://doi.org/10.1086/235001.

REICH, Wilhelm. Psicologia de massas do Fascismo. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RIEMEN, Rob. O eterno retorno do Fascismo. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2012.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. Porto Alegre: L&PM, 2007.

SCHARGEL, Sergio. O duplo como mito, o duplo como ficção: um debate acerca das construções da figura do doppelgänger. Revista Decifrar, v. 8, n. 15.

SCRUTON, Roger. Conservadorismo: um convite à grande tradição. Rio de Janeiro: Record, 2019.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2015.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

(1)
Schargel, S. O Fascismo Como Conceito genérico: Os Cinco estágios De Robert Paxton. FDC 2022, 8, 356-379.