A ditadura civil-militar brasileira em disputa no tempo presente

lugares de memória e datas comemorativas

Autores

  • Karina Avelar de Almeida UFJF

Palavras-chave:

lugares de memória, ditadura civil-militar, tempo presente

Resumo

O surgimento das comissões da verdade no Brasil representou a possibilidade de aprofundar as reflexões sobre como lidar efetivamente com o legado das violações de direitos humanos perpetradas durante a ditadura civil-militar. Contudo, no contexto seguinte ao término das atividades de tais órgãos, houve o fortalecimento de grupos de extrema-direita no país e a consequente eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República em 2018. Desde então, o político abertamente saudosista da ditadura buscou disputar os sentidos desse passado na esfera pública e converteu seu posicionamento pessoal sobre o assunto em práticas administrativas durante sua gestão. Pretende-se demonstrar como esse processo de atualização dos conflitos de memória sobre o passado ditatorial pode ser notado a partir da temática dos lugares de memória e das comemorações relativas ao golpe de 1964 no tempo presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES, R. V. Em exibição nos cinemas: a representação discursiva da militância de esquerda e da resistência na ditadura militar. Dissertação (Mestrado em Letras) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2012.

BAUER, Caroline Silveira. Quanta verdade o Brasil suportará? Uma análise das políticas de memória e de reparação implementadas no Brasil em relação à ditadura civil-militar. Dimensões, vol. 32, 2014, p. 148-169.

BENETTI, P.; CATEB, C.; FRANCO, P. OSMO, C. As políticas de memória, verdade, justiça e reparação no primeiro ano do Governo Bolsonaro: entre a negação e o desmonte. Mural Internacional, Rio de Janeiro, Vol.11, e48060, 2020.

DREIFUSS, René Armand. 1964: A Conquista do Estado. Petrópolis, Vozes, 1981.

HOLLANDA, C. B.; ISRAEL, V. P. Panorama das Comissões da Verdade no Brasil: uma reflexão sobre novos sentidos de legitimidade e representação democrática. Rev. Sociol. Polit., v. 27, n. 70, e006, 2019.

HOLANDA, Cristina Buarque de. Sobre as políticas de justiça e reparação no Brasil. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 61, p. 100-111, 2013.

______. Direitos humanos e democracia: a experiência das comissões da verdade no Brasil. Revista brasileira de Ciências Sociais [online]. 2018, vol.33, n.96.

HUYSSEN, Andreas. “Passados presentes: mídia, política, amnésia”. In: Seduzidos pela memória. Arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000, p.9-40.

______. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. São Paulo: Contraponto, 2014.

IPPDH. Princípios fundamentais para as políticas públicas sobre lugares de memória. Buenos Aires: IPPDH, 2012

JELIN, Elizabeth. Las luchas políticas por la memoria. In: JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo XXI De España Editores S. A, 2002.

NAPOLITANO, Marcos. A ditadura entre a memória e a história. In: 1964 – Histórias do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

NEIGER, M.; MEYERS, O.; ZANDBERG, E. (Eds). On Media Memory: Collective Memory in a New Media Age. London: Palgrave Macmillan, 2011.

PADRÓS, Enrique Serra. Memória e esquecimento das ditaduras de segurança nacional: os desaparecidos políticos. História em Revista, Pelotas, v. 10, 2004.

PERLATTO, Fernando. Variações do mesmo tema sem sair do tom: imprensa, Comissão Nacional da Verdade e a Lei da Anistia. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 27, p. 78-100, maio-ago. 2019.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.2, n.3, 1989, p.3-15.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos. v. 23, n. 45. Rio de Janeiro, jan.-jun. 2010, p. 171-186.

ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e a luta armada. In: O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

TELES, E.; QUINALHA, R. (orgs). Espectros da ditadura: da Comissão da Verdade ao bolsonarismo. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

TELES, Edson. Políticas do silêncio e interditos da memória na transição do consenso. In: SANTOS, C. M.; TELES, E.; TELES, J. A. Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Aderaldo & Rotschild Editores, 2009, volume II.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2000.

REFERÊNCIAS ÀS FONTES CONSULTADAS

BOLSONARO, Jair. "- Em abril/2013 o Congresso anulou a sessão de 02/abril/64, que destituiu o Presidente João Goulart. - Não discuto a História, mas verdadeiros democratas não apagam fotos ou fatos. - Deus abençoe o Brasil e guarde nossa liberdade!". 31 de mar de 2021. Twitter: @jairbolsonaro. Disponível em: https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1377409408267812865. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

CIDH (2018). Observações preliminares da visita in loco da CIDH ao Brasil. Disponível em: https://www.oas.org/es/cidh/prensa/comunicados/2018/238OPport.pdf [Acesso em: Abr. de 2021].

COLETTA, Ricardo. Bolsonaro se refere a aniversário do golpe de 64 como 'dia da liberdade'. Folha de São Paulo, Brasília, 31 de mar. de 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/03/bolsonaro-se-refere-a-aniversario-do-golpe-de-64-como-dia-da-liberdade.shtml. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

MAZUI, Guilherme. Bolsonaro determinou que Defesa faça as 'comemorações devidas' do golpe de 64, diz porta-voz. G1, Brasília, 25 de mar. de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/03/25/bolsonaro-determinou-que-defesa-faca-as-comemoracoes-devidas-do-golpe-de-64-diz-porta-voz.ghtml. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

MOURÃO, Hamilton. "Há 56 anos, as FA intervieram na política nacional para enfrentar a desordem, subversão e corrupção que abalavam as instituições e assustavam a população. Com a eleição do General Castello Branco, iniciaram-se as reformas que desenvolveram o Brasil". 31 de mar. de 2020. Twitter: @GeneralMourao. Disponível em: https://twitter.com/generalmourao/status/1244929367773523969. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

MOURÃO, Hamilton. "Neste dia, há 57 anos, a população brasileira, com apoio das Forças Armadas, impediu que o Movimento Comunista Internacional fincasse suas tenazes no Brasil. Força e Honra!". 31 de mar. de 2021. Twitter: @GeneralMourao. Disponível em: https://twitter.com/generalmourao/status/1377260846301253637. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

SENRA, Ricardo. Brasil diz à ONU que não houve golpe em 64 e que governos militares afastaram ameaça comunista e terrorista. BBC News Brasil, Washington, 4 de abr. de 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47818978. Acesso em: 17 de abr. de 2021.

UFMG recebe ministra em obra do Memorial da Anistia. UFMG, Belo Horizonte, 13 de ago. de 2019. Disponível em: https://ufmg.br/comunicacao/noticias/ufmg-recebe-ministra-em-visita-ao-memorial-da-anistia. Acesso em: 27 de abr. de 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-30

Como Citar

(1)
Avelar de Almeida, K. A Ditadura Civil-Militar Brasileira Em Disputa No Tempo Presente: Lugares De memória E Datas Comemorativas. FDC 2022, 8, 10-27.