Representação torcedora e território urbano

debates sobre violência e cidade a partir da torcida organizada Raça Rubro-Negra

Autores

  • Juliana Nascimento da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Raça Rubro-Negra, Torcidas organizadas, violência urbana

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as estratégias de representação das torcidas organizadas nas décadas de 1980 e 1990, em especial da Raça Rubro-Negra, e suas distintas relações com o urbano. Para tanto, o artigo conta com debates sobre violência urbana e performance, entendendo que o fenômeno dos agrupamentos torcedores é próprio do urbano, ressignificados como espaço de agência e como território. A construção de alianças e rivalidades entre tais torcidas impulsiona os distintos usos da cidade pelos torcedores, em que o mote das relações é estabelecido a partir da expectativa da distinção. Desse modo, o artigo busca trabalhar a relação entre torcidas organizadas, suas estratégias de sociabilidade para produzir seus significados e representações ancoradas na lógica de disjunção e o cenário do Rio de Janeiro no período mencionado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

CASTELLS, M. The city and the grassroots: a cross-cultural theory of urban social movements. Univ of California Press, 1983.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 16. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

DAVIDOVICH, F. Transformações do quadro urbano brasileiro: período 1970-1980. Revista Geográfica, n. 105, p. 53-76, 1987.

FERREIRA, A. Favelas no Rio de Janeiro: nascimento, expansão, remoção e, agora, exclusão através de muros. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, v. 14, n. 828, 2009.

HOLLANDA, B.B. A festa competitiva: formação e crise das torcidas organizadas entre 1950 e 1980. In: HOLLANDA, B.B, MALAIA, J.M.C., TOLEDO, L.H., MELO, V.A. A torcida brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

LAGO, L. A metrópole desigualmente integrada: as atuais formas de produção e (não) acesso ao espaço construído do Rio de Janeiro. Anais do IX Encontro Nacional da ANPUR, Rio de Janeiro, 2001, p. 1530-1539.

LEFEBVRE, H. Espacio y política; el derecho a la ciudad, II. 1976.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2008 [1968].

MACHADO, G. M. C. A cidade dos picos: a prática do skate e os desafios da citadinidade. Tese [Doutorado em Antropologia Social], Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

MURAD, M. Futebol e violência no Brasil. In: MURAD, M. (et al.). Futebol: síntese da vida brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, Departamento Cultural/ SR-3, 1996.

PERALVA, A. Juvenização da Violência e Angústia da Morte. Caxambu, XX Encontro Anual da Anpocs (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais), 1996.

TOLEDO, LH. Identidades e conflitos em campo: a "guerra do Pacaembu". Revista USP, n. 32, p. 108-117, 1996.

TOLEDO, LH. Políticas da corporalidade: socialidade torcedora entre 1990-2010. HOLLANDA, BB (et al.). A torcida brasileira. Rio de Janeiro, v. 7, 2012.

TOLEDO, LH. Torcer: a metafísica do homem comum. Revista de História, n. 163, p. 175-189, 2010.

TOLEDO, LH. Transgressão e violência entre torcedores de futebol. Revista USP, v. 22, p. 92-101, 1994.

TOLEDO, LH. Lógicas no futebol. São Paulo: Tese de Doutorado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-30

Como Citar

(1)
Nascimento da Silva, J. Representação Torcedora E território Urbano: Debates Sobre Violência E Cidade a Partir Da Torcida Organizada Raça Rubro-Negra. FDC 2022, 8, 112-130.