Escravidão e Diplomacia

O Cais do Valongo contra o mito da democracia racial no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Escravidão, Diplomacia, Cais do Valongo

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar os desdobramentos sobre a relação entre patrimônio cultural, diplomacia e cidade. Utiliza-se como recorte investigativo a região do Cais do Valongo no Rio de Janeiro/RJ. Através de uma revisão historiográfica o trabalho pretende demonstrar a importância que a escravidão sempre possuiu nas relações diplomáticas brasileiras, bem como na construção identitária nacional. Apresenta também como uma visão apaziguadora da violência do período escravista influenciou na percepção de uma democracia racial no país, tanto interna como externamente. Por fim, aponta como membros da sociedade civil e científica, muitas vezes fora da esfera pública, lutam pelo não apagamento da memória e resistência dos negros no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cândida Zigoni, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Arquiteta e Urbanista graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com intercâmbio acadêmico (master 1) na École Nationale d'Architecture de Toulouse (ENSA), França. Atualmente é mestranda em Arquitetura pelo Programa de Pós Graduação em Arquitetura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PROARQ/UFRJ).

Geison Siqueira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduado em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2014) e mestre pelo programa de pós-graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2017) Atualmente é doutorando no PPGHIS na Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor da Universidade Iguaçu.

Referências

ANDRADE LIMA, Tania; MALERBA SENE, Glaucia; TORRES DE SOUZA, Marcos André. Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Anais do Museu Paulista, vol. 24, núm. 1. 2016.

ARARIPE, Fátima. Do patrimônio cultural e seus significados. Transinformação, Campinas. 2004.

ARCOVERDE, Letícia. Porque o mito de que não existe racismo no Brasil persiste. Jornal Nexo, 2020. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/11/21/Por-que-o-mito-de-que-n%C3%A3o-existe-racismo-no-Brasil-persiste Acesso em: 18 de mai. 2021

BETHELL, L. The abolition of the Brazilian slave trade. Britain, Brazil and the slave trade question 1807-1869. Cambridge: Cambridge University Press. 1970

CARVALHO, José Murilo de D. Pedro II; São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DÁVILA, Jerry. Diploma de Brancura: política social e racial no Brasil. 1917-1945. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

GRAHAM, Richard. Os fundamentos da ruptura de relações diplomáticas entre o Brasil e a Grã-Bretanha em 1863: “A Questão Christie”. Revista da USP n 62, 1962.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. trad. Laís teles Benoir. São Paulo: Centauro, 1990.

KALIL, Mariana Alves da Cunha. O fim da escravidão africana na historiografia brasileira: pressão externa, valores e poder brasileiros no Segundo Reinado. Brasília, DF, 2012.

KOJIO, Nadia, et al,. Um discurso que se refaz: apagamentos da memória e política de preservação patrimonial na cidade de São José dos Campos (SP). REDES – Rev. Des. Regional, Santa Cruz do Sul, v.17, n. 2. 2012.

LAFER, Celso. Relações internacionais, política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação. FUNAG, 2018.

LIMA, A. R. Patrimônio cultural afro-brasileiro: as narrativas produzidas pelo Iphan a partir da ação patrimonial. Rio de Janeiro: IPHAN, 2012.

MANCHESTER, Alan K. Preeminência inglesa no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1973.

MIRANDA, Eliana. Preservação do patrimônio cultural e reabilitação urbana: o caso da zona portuária da cidade do Rio de Janeiro. Revista Da Vinci, 2007.

MORAES, Renata Figueiredo. A escravidão e seus locais de memória – O Rio de Janeiro e suas “maravilhas”. ODEERE, v. 1, 2017.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Bruno. Gentrificação na zona portuária do Rio de Janeiro: deslocamentos habitacionais e hiper precificação da terra urbana. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n 41, 2019.

QUIJANO, A. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais- perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

(1)
Zigoni, C.; Siqueira Tavares da Cruz, G. Escravidão E Diplomacia: O Cais Do Valongo Contra O Mito Da Democracia Racial No Brasil. FDC 2021, 7, 21-36.