O conceito de patrimônio nos discursos de Getúlio Vargas

uma estratégia ambivalente

Autores

  • Filipe Queiroz de Campos Universidade Federal de Juiz de Fora

Palavras-chave:

diplomacia, Getúlio Vargas, patrimônio histórico.

Resumo

Nos anos de 1930 e de 1940, a diplomacia patrimonial tornou-se parte dos projetos nacionalistas de diversas nações. Na América Latina e, mais especificamente no Brasil, esse processo não foi diferente. No caso do Brasil, porém, é possível enxergar, desde o início dos anos de 1930, com a chegada de Getúlio Vargas ao poder, um projeto político de incentivo ao patrimônio histórico. Esse incentivo esteve conectado às próprias estratégias políticas de Vargas, principalmente durante o governo do Estado Novo. É a respeito de quais foram essas estratégias que esse artigo se dedica. O estudo se esforça para compreender um pouco mais sobre essas estratégias, por meio da análise de discursos públicos de Getúlio Vargas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Oswald de. Obras Completas. v. 6. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/MEC, 1972.

ANDRADE, Rodrigo Melo franco de. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ministério da Educação e Saúde. Rio de Janeiro, 1937.

AUSTIN, John Langdon. How to do things with words. Cambridge, Massachussetts: Harvard University Press, 1975.

BOMENY, Helena. Constelação Capanema: intelectuais e políticas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

BRUSADIN, L. B. O Museu da Inconfidência em Ouro Preto (MG) e sua interface com o turismo, o patrimônio e a comunidade local. Caderno Virtual de turismo. Rio de Janeiro, v. 14, n.3, p.298 - 315, dez. 2014.

CAMPOS, Filipe Queiroz de. Diplomacias Secretas: o Brasil na Liga das Nações. Curitiba: Editora Appris, 2020.

CHOAY, F. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Zahar. 2006.

CIFELLI, Gabrielli. Turismo, patrimônio e novas territorialidades em Ouro Preto. Dissertação de Mestrado em Geografia. UNICAMP: Campinas, 2005. Disponível em: Acesso em: 19/08/2009.

GARCIA, Eugênio Vargas. O Brasil e a Liga das Nações (1919-1926). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

GONÇALVEZ, Leandro Pereira. A intelectualidade integralista: nacionalismo e identidade na literatura de Plínio Salgado. Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 15, n. 1, p. 111-128, 2009.

JEUDY, Henri-Pierre. Espelho das cidades. Casa da palavra, Rio de Janeiro; 1ª edição, 2005.

LORENZO, Helena Carvalho de. A década de 1920 e as origens do Brasil moderno. São Paulo: UNESP, 1997.

MILZA, Pierre. Política Interna e Política Externa. In: RENÉ, Remond. Por uma História Política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

OLENDER, Marcos. “Um courant sympathique”: primórdios da internacionalização da preservação do patrimônio cultural na segunda metade do século XIX. In: Bens culturais e relações internacionais: o patrimônio como espelho do soft power, org. Rodrigo Christofoletti. Santos: Editora Universitária Leopoldinium, 2017.

Silva, Glaci Teresinha Braga da. A materialização da nação através do patrimônio: o papel do SPHAN no regime estadonovista. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Porto Alegre, p. 65. 2010.

URIBARREN, María Sabina. La comisión nacional de museos y de monumentos y lugares históricos de la argentina entre 1938 y 1946: el patrimonio cultural y la construcción de una idea de nación. Cuadernos de historia, serie ec. y soc., n° 11, ciffyh-unc, córdoba 2009, pp. 213-244.

VARGAS, Getúlio. A Nova Política do Brasil. Volumes 1 a 10. Rio de Janeiro, José Olympio, 1935.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

(1)
Queiroz de Campos, F. O Conceito De patrimônio Nos Discursos De Getúlio Vargas : Uma estratégia Ambivalente. FDC 2021, 7, 91-110.