Eu prefiro andar sozinho

As disputas de Belchior com a Tropicália e a indústria musical brasileira

Autores

  • Leandro Martan Bezerra Santos Universidade de São Paulo/Mestrando em Arqueologia (MAE/USP)

DOI:

https://doi.org/10.34019/2359-4489.2020.v6.32328

Palavras-chave:

Antonio Carlos Belchior, História da Cultura Brasileira, Música Popular Brasileira

Resumo

O presente artigo, a partir da análise das composições do cantor Belchior, pretende refletir sobre as disputas por poder, narrativa, espaço e proeminência no campo musical brasileiro. Terão ênfase neste trabalho os pontos de convergência e divergência entre Belchior e os grupos de artistas conhecidos como Tropicália e Pessoal do Ceará, além de sua relação com a própria indústria musical, destacando, ainda, as estratégias empregadas pelo compositor cearense para lograr êxito em sua incursão musical como integrante da Música Popular Brasileira.

Referências

ABREU, Wesley. Benjamin e Adorno: um debate sobre a arte no século xx. In: Cadernos Walter Benjamin. n. 11, 2013. Disponível em <http://gewebe.com.br/pdf/cad11/wesley.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2020.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Trad. bras. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.
BELCHIOR, Antonio Carlos. Alucinação. Polygram/Philips, 1976.

______. Baihuno. MoviePlay, 1993.

______. Cenas do próximo capítulo. Paraíso/Odeon, 1984.

______. Coração Selvagem. Warner, 1977.

______. Elogio da loucura. Polygram, 1988.

______. Era uma vez um homem e o seu tempo. Warner, 1979.

______. Melodrama. Polygram, 1987.

______. Mote e glosa. Chantecler, 1974.

______. Objeto Direto. Warner, 1980.

______. Todos os Sentidos. Warner, 1978.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. 1955. Disponível em < https://philarchive.org/archive/DIATAT>. Acesso em: 12 de setembro de 2020.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FARIAS, Paloma; ROCHA, Olímpio. “Nunca reverenciar”: a desobediência civil na expressão poética e política de Belchior. Trabalho apresentado em Congresso. Jornada D&L. 2017. Disponível em <https://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/30233>. Acesso em: 12 de agosto de 2020.

MEDEIROS, Jotabê. Belchior - Apenas um rapaz latino-americano. São Paulo: Todavia, 2017.
MELO NETO, João Cabral de. Obra completa: volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
MOREIRA, Raul. Um sem-lugar em Belchior: a escuta de Alucinação. Dissertação de mestrado. Juiz de Fora, 2015. Disponível em < https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/424/1/raulfuriattimoreira.pdf>. Acesso em: 18 de agosto de 2020.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-215, jul. 1992. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941>. Acesso em: 10 de agosto de 2020.

RIDENTI, Marcelo. Cultura. In: REIS, Daniel Aarão (coord.). Modernização, ditadura e democracia: 1964 – 2010, volume 5 – Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

SANDRONI, Carlos. Adeus à MPB. in: CAVALCANTE, Berenice; EISENBERG, José; STARLING, Heloísa (org.). Decantando a república, volume 1: inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SCHWARCZ, Lilia M.; STARLING, Heloisa M. Brasil: uma biografia. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

VELOSO, Caetano. “Canções de Belchior não são das que morrem”, diz Caetano Veloso. Disponível em https://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,cancoes-de-belchior-nao-sao-das-morrem-diz-caetano-veloso,70001759119. Acesso em 15 de agosto de 2020.
______. Cinema Transcendental. Verve, 1979.

______. Verdade tropical. Ed. comemorativa. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

(1)
Santos, L. M. B. Eu Prefiro Andar Sozinho: As Disputas De Belchior Com a Tropicália E a Indústria Musical Brasileira. FDC 2020, 6, 230-249.