As pinturas de Eduardo de Martino, o Museu Naval e o lugar de memória da Marinha Brasileira

Autores

  • Bárbara Tikami de Lima Unisinos

DOI:

https://doi.org/10.34019/2359-4489.2020.v6.32251

Palavras-chave:

Eduardo de Martino, lugar de memória, Marinha Brasileira

Resumo

O presente texto examina a relação entre a Marinha Brasileira e um determinado conjunto de quadros pintado por Eduardo de Martino (1838-1912), um oficial da Marinha Italiana que abriu mão de sua carreira castrense para se dedicar a atividade artística após chegar a América do Sul. Desse modo, o texto traz breves explanações sobre a trajetória do artista, as diferentes hipóteses acerca da aquisição de suas obras por esta Força Armada Naval e a criação e extinção do Museu Naval. Por fim, discorre sobre a exposição destas pinturas neste lugar porque, como o próprio museu elas atuaram em diferentes campos do discurso, centros de interpretação e arenas políticasnas políticas

Referências

Referências Bibliográficas
AMBRIZZI, Miguel Luiz. O olhar distante e o próximo – a produção dos artistas viajantes. 19&20, v. VI, n. 1, jan./mar. 2011. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/artistas/viajantes_mla2.htm.
AMZALAK, Leão. Catalogo Historico e Descriptivo do Museu Naval, Rio de Janeiro: Typographia Leuzingre, 1901.
BAUMER, Franklin. O Pensamento Europeu Moderno. Volume I e II, Lisboa: Edições 70, 1990.
BISCARDI, Afrânio; ROCHA, Frederico Almeida. O Mecenato Artístico de D. Pedro II e o Projeto Imperial. 19&20, v. I, n. 1, mai. 2006. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/ensino_artistico/mecenato_dpedro.htm.
BOPPRÉ, Fernando. Victor Meirelles: quando ver é perder. In: VALE, Arthur & DAZZI, Camila (Orgs.). Oitocentos – Arte Brasileira do Império à República – Tomo 2. EDUR-UFRRJ. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/obras/vm_fboppre.htm. Acessado dia 3 de junho de 2019.
BOURDIEU, Pierre. Ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaina (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.
BURKE, Peter. Testemunha Ocular. São Paulo: Edusc: 2004.
CARDOSO, Rafael. Ressuscitando um Velho Cavalo de Batalha: Novas Dimensões da Pintura Histórica do Segundo Reinado. 19&20, v. II, n.3, jul. 2007. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/criticas/rc_batalha.htm.
CHAGAS, Mario. Memória Política e Política de Memória. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (Orgs.) Memória e Patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina 2009.
CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. Quando os subordinados roubam a cena: a batalha de campo grande de Pedro Américo. Revista de História, n. 19, jul./dez. 2008, páginas 83-84. Disponível em http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/srh/article/view/11409/6523. Acessado dia 1 de maio de 2019.
COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX? São Paulo: Editora Senac, 2005.
DORATIOTO, Francisco Fernando Monteoliva. Maldita Guerra. Nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
ELIAS, Mozart: sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1995.
FOCHESATTO, Cyanna Missaglia de. Os retratos de Juan Manuel Blanes: Algumas considerações. Estudios Históricos. Rivera. v. 18, n. 18, p. 1-19, 2018. Disponível em: <http://www.estudioshistoricos.org/18/eh1824.pdf>. Acesso 10 jan. 2019,
GOMES, Patrícia Miquilini. A coleção Eduardo de Martino no Museu Naval do Rio de Janeiro. 2018. Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento Pós-graduação em Museologia e Patrimônio. Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2018.
HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano 2000.
MENDES, Francisco Cesar da costa. Catalogo Historico e Descriptivo do Museu Naval, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1910.
MIGLIACCIO, Luciano. A arte do século XIX. In: AGUILAR, Nelson (Org.). Mostra do Redescobrimento. São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo/ Associação Brasil 500 anos.
NORA, Pierre. “Entre Memória e História: a problemática dos lugares”, In: Projeto história. São Paulo: PUC, n. 10. Pp.07-28, dezembro de 1993.
PINTO, Júlio; MIGNOLO, Walter. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Cívitas, Revista de Ciências Sociais, v. 15, n. 3, p. 382 -402, 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/20580.
PUGLIA, Luigina de Vito. Eduardo de Martino. Da ufficiale di marina a pittore di corte. Monghidoro: Com-fine edizioni, 2012.
ROMANO, Roberto Vittorio. Eduardo de Martino. Roma: Ufficio Storico della Marina Militares, 1994.
RUGGIERO, Antonio de. Os italianos nos contextos urbanos do Rio Grande do sul: perspectivas de pesquisa. In: VENDRAME, Maíra Ines; KASBURG, Alexandre; WEBER, Beatriz; FARINATTI, Luis augusto (Orgs.). Micro-história, trajetórias e imigração. São Leopoldo. Oikos: 2015, p. 162-181.
SCHMITT, Jean-Claude. O Corpo das Imagens. Ensaios sobre a cultura visual na Idade Média. São Paulo: Edusc. 2007.
SILVA, Luiz Carlos da. Representações em tempos de guerra: Marinha, Civilização e o quadro Combate Naval do Riachuelo de Victor Meirelles (1868 – 1972). Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História, Setor de Ciencias Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, 2009.
TIKAMI, Bárbara. Mar de imagens. A relação estabelecida entre Eduardo de Martino, a Marinha Brasileira e as imagens produzidas pelo pintor no final do século XIX. 2019. Dissertação de Mestrado em História. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2019.
TORAL, André Amaral de. Imagens em Desordem: a Iconografia da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
VALLE, Collatino Ferreira. Catalogo Historico e Descriptivo do Museu Naval, Rio de Janeiro, 1905.
WIND, Edgar. A Eloquência dos símbolos. São Paulo: Edusp, 1997.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

(1)
Tikami de Lima, B. As Pinturas De Eduardo De Martino, O Museu Naval E O Lugar De memória Da Marinha Brasileira. FDC 2020, 6, 35-56.