Arte, política cultural e cooperação teuto-italiana no Rio de Janeiro da Era Vargas

  • Liszt Vianna Neto Universidade de Leiden
Palavras-chave: migração, política cultural, Nazismo, Facismo

Resumo

A aproximação entre a política cultural alemã e italiana no Rio de Janeiro durante a Era Vargas se baseou em interesses e estratégias comuns ao estabelecer sua presença nas Américas. Apesar de ambos os países combaterem unidos a influência dos países aliados no Brasil, certos aspectos de suas relações envolviam a cooperação numa atmosfera de precaução e discrição. Tal cooperação no campo artístico e cultural teve impacto direto nas atividades da Pro Arte – associação de artistas e amantes das artes alemãs no Brasil. Partindo desde a sua fundação de um alinhamento às vanguardas modernistas, a associação se viu tomada pelas diretrizes nazistas da embaixada alemã, sendo utilizada como instrumento de sua política cultural e propaganda através da arte.

Referências

ALMEIDA, Maria das Graças Andrade Ataíde de. A construção da verdade autoritária. Editora Humanitas, 2001.
ALVES, Eliane Bisan Alves. Etnicidade, nacionalismo e autoritarismo: A comunidade alemã sob vigilância do DEOPS, No. 3. Editora Humanitas, Fapesp, 2006.
BERTONHA, João Fábio. O fascismo e os imigrantes italianos no Brasil. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2001.
BOMENY, Helena. Constelação Capanema: intelectuais e políticas. Rio de Janeiro: Univ. São Francisco: Ed. FGV.
CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Brasil, um refúgio nos trópicos: A trajetória dos refugiados do nazi-fascismo. São Paulo: Editora Liberdade, 1996.
CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O anti-semitismo na era Vargas: fantasmas de uma geração (1930-1945). São Paulo: Brasiliense,
DIETRICH, Ana Maria. Caça às suásticas, o partido nazista em São Paulo sob a mira da polícia política, No.1 - Nazismo. FAPESP, IMESP, HUMANITAS, 2007.
FAUSTO, Boris (org.). Fazer a América: a imigração em massa para a América Latina. São Paulo: EDUSP.
HERF, Jeffrey. O modernismo reacionário: tecnologia, cultura e política em Weimar e no Terceiro Reich. São Paulo: Ensaio; Campinas, SP: Editora Unicamp, 1993.
LACOMBE, Marcelo S. Masset. Modernismo e nacionalismo: O jogo das nacionalidades no intercâmbio entre Brasil e Alemanha. Tese de pós-doutorado defendida pela Fapesp-Unicamp.
MICELI, Sergio. Nacional Estrangeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o ‘perigo vermelho’: o anticomunismo no Brasil (1917-1946). São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 2002.
PERAZZO, Priscila Ferreira. O perigo alemão e a repressão policial no Estado Novo. Editora do Arquivo do Estado de São Paulo, 1999.
PERAZZO, Priscila Ferreira. Prisioneiros da Guerra: os súditos do eixo nos campos de concentração (1942-1945.)Editora: Humanitas: Fapesp.
SCHWARTZMAN, Simon; BOMENY, Helena Maria Bousquet; COSTA, Vanda Maria
Ribeiro. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra/ FGV, 2000.
WIAZOVSKI, Taciana. Bolchevismo & judaísmo: a comunidade judaica sob o olhar do DEOPS. Módulo VI - Comunistas. São Paulo, 1997
WIAZOVSKI, Taciana. O mito do complô judaico-comunista no Brasil: Gênese, difusão e desdobramento (1907-1954), No. 9. São Paulo: Editora Humanitas, Fapesp, 2008.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
(1)
Vianna Neto, L. Arte, política Cultural E cooperação Teuto-Italiana No Rio De Janeiro Da Era Vargas. FDC 2020, 6, 250-269.