Arte, memória visual e política cultural

Multiplicação de memórias e apagamento de rastros no primeiro mandato Greca, 1993-1996.

  • Fernando Cardoso UFPR
Palavras-chave: Política cultural, memória visual, análise imagética

Resumo

Este artigo pretende articular a memória visual e a política cultural imbricadas no painel figurativo “Capela dos fundadores” do artista curitibano Sérgio Ferro, com o que Fraçois Hartog denomina de os sintomas presentistas: memória e patrimônio. Instalada em caráter permanente no Memorial de Curitiba, situado no centro histórico da capital paranaense, a obra de Ferro apresenta uma complexa narrativa visual que, como se verá, consiste em um bom exemplo da política cultural personalista de Rafael Greca, então prefeito da cidade (1993-1996) e responsável pela encomenda da obra. Esta investigação foi realizada no âmbito da pesquisa histórico-documental, com apoio de pesquisa bibliográfica e análise de imagem.

Referências

BATISTELLA, Alessandro. O Paranismo e a invenção da identidade paranaense. Revista Eletrônica História em Reflexão, vol. 6, n. 11, UFGD, Dourados, jan/jun. 2012.

CAMARGO, G. L. V. de. Paranismo: arte, ideologia e relações sociais no Paraná. 1853-1953. 213 f. Tese (doutorado em História) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

FREITAS, Artur. História e imagem artística: por uma abordagem tríplice. Estudos Históricos, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, v. 34, n. 34, 2004.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

LIMA, L.V.C. A cafeicultura no estado do Paraná: sua implementação, desenvolvimento e auge. 82 f. Trabalho de Graduação (Bacharel em Ciências Econômicas) - Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

MACEDO, R.G. Curitiba: Luz dos Pinhais. Curitiba: Solar do Rosário, 2016.

MACHADO, C.E. Leia sempre o original. Folha de S. Paulo, 23 dezembro 1996. Seção Ilustrada. Disponível em: . Acesso em: 31 Julho 2017.

MARTINS, R. História do Paraná. Curitiba: Travessa dos Editores, 1995.

MARTINS, R. Terra e Gente do Paraná. Curitiba: Coleção Farol do Saber, 1995.

MENDONÇA, Joseli M. N. História e memória da escravidão no Paraná: possibilidade de uma produção na perspectiva da história pública. Trabalho apresentado no 7o Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, Curitiba (UFPR), Curitiba, 2015.

NADALIN, S. O. Paraná: Ocupação do Território, População e Migrações. Curitiba, SEED, 2001.

SANSONE, M.P. Sérgio Ferro, um artista brasileiro. Curitiba: Ministério do Esporte e Turismo; Prefeitura Municipal de Curitiba, 2000.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Ficção e imagem, verdade e história: sobre a poética dos rastros. In: GERALDO, Sheila Cabo (org.). Fronteiras: arte, imagem e história. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2014.

VIACAVA, V. M. R. “Em busca da Curitiba perdida”: Os mecanismos da construção de uma identidade curitibana. Revista História Agora, Curitiba, v. 7, p. 1-17, 2009.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
(1)
Cardoso, F. Arte, memória Visual E política Cultural: Multiplicação De memórias E Apagamento De Rastros No Primeiro Mandato Greca, 1993-1996. FDC 2020, 6, 158-187.