As gravuras da Guerra da Tríplice Aliança

Breves apontamentos sobre os Quadros historicos da guerra do Paraguay e a imprensa ilustrada do Rio de Janeiro

Palavras-chave: Guerra da Tríplice Aliança, imprensa, gravuras

Resumo

A imprensa ilustrada durante o período beligerante conhecido como a Guerra da Tríplice Aliança foi de suma importância na consolidação das gravuras no imaginário popular, algo trabalhado desde as pinturas históricas. Sendo assim, esse artigo busca apresentar, de forma breve, alguns aspectos observados na coleção de gravuras e textos intitulada Quadros historicos da guerra do Paraguay e nas imagens circuladas em periódicos como a Semana Illustrada e A Vida Fluminense, que foram úteis não só para informar a população da Corte, mas também para a consolidação da memória e do imaginário popular sobre o conflito e, além disso, na busca de uma possível formação de uma identidade nacional.

Biografia do Autor

Álvaro Saluan da Cunha, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestrando em História na Universidade Federal de Juiz de Fora.

Graduando em Ciências Sociais na Universidade Federal de Juiz de Fora.

Bacharel e licenciado em História com ênfase em Patrimônio Histórico na Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

ABREU, Regina. Museus etnográficos e práticas de colecionamento: antropofagia dos sentidos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 31, 2005.
ARGAN, Giulio Carlo. Imagem e persuasão: ensaios sobre o barroco. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2004.
AUGUSTO, José Carlos. A Vida Fluminense, “folha joco-séria-illustrada” (1868-1875). Curitiba: XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2009. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-1235-1.pdf. Acessado dia 04/03/2018.
AUGUSTO, José Carlos. Um provinciano na corte: As aventuras de “Nhô-Quim” e a sociedade do Rio de Janeiro nos anos 1860-1870. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.
BALABAN, Marcelo. Poeta do Lápis: Sátira e política na trajetória de Angelo Agostini no Brasil Imperial (1864-1888). Campinas: Unicamp, 2009.
BLOM, Philipp. Ter e Manter: uma história íntima de colecionadores e coleções. Rio de Janeiro: Record, 2003.
BURKE, Peter; BRIGGS, Asa. Uma história social da mídia. De Gutenberg à internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.
Cadernos do CHDD / Fundação Alexandre de Gusmão, Centro de História e Documentação Diplomática. Ano 3, n.5. Brasília, DF: A Fundação, 2004.
CARDOSO, Rafael. A Academia Imperial de Belas Artes e o Ensino Técnico. In: 180 Anos da Escola de Belas Artes. Anais do Seminário EBA 180. 2. impr. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998.
CARVALHO, José Murilo de. Nação e cidadania no império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
CARVALHO, José Murilo de; NEVES, Lúcia Maria Bastos P. (orgs). Repensando o Brasil do Oitocentos; cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.
COSTA, Carlos Roberto da. A revista no Brasil, o século XIX. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo, 2007.
COSTA, Thainá Castro. Colecionando o invisível: o reordenamento de mundo a partir de objetos de descarte. 2012. 123 f. Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.
FERRARO, Alceu Ravanello. História quantitativa da alfabetização no Brasil. In RIBEIRO, V. M. (org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2003.
FERRAZ, Rosane Carmanin. Entre usos e funções: a prática do colecionismo de fotografias no século XIX e sua difusão no Brasil Imperial. Patrimônio e Memória. v. 10, n. 1, p. 183-198, janeiro-junho. UNESP: São Paulo, 2014.
HOBSBAWM, Eric. Nações nacionalismos desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.
IPANEMA, Rogéria Moreira de. A arte da imagem impressa: a construção da ordem autoral e a gravura no Brasil do século XIX. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense, 2007.
MARINGONI, Gilberto. Angelo Agostini: A Imprensa Ilustrada da Corte à Capital Federal: 1864-1910. Devir: São Paulo, 2011.
MONTELLO, Josué. “Caricaturas e escritores”. In: Histórias da Vida Literária, citado por Herman Lima in História da Caricatura no Brasil, vol. 1. José Olympio Editora: Rio de Janeiro, 1963.
MOREL, Marco, BARROS, Mariana Monteiro de. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
P0OMIAN, Krzysztof. Coleção. In: Enciclopédia Einaudi: Memória-História. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1984.
RESENDE, Luiz Marcelo. A migração da arte pictórica europeia para a imprensa brasileira no final do século XIX. 19&20, Rio de Janeiro, v. XII, n. 2, jul./dez. 2017. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/obras/lmr_imprensa.htm.
SCHLICHTA, Consuelo Alcioni Borba Duarte. A pintura histórica e a elaboração de uma certidão visual para a nação, no século XIX. Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em História: Curitiba, 2006.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.
SQUEFF, Letícia Squeff. “Revendo a Missão Francesa: a Missão Artística de 1816, de Afonso D’Escragnolle Taunay”. In: Atas do I Encontro de História da Arte, n°1, 2005.
TORAL, André Amaral. Imagens em desordem: a iconografia da guerra do Paraguai (1864-1870). São Paulo: Humanitas FFLCH USP, 2001.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
(1)
da Cunha, Álvaro S. As Gravuras Da Guerra Da Tríplice Aliança: Breves Apontamentos Sobre Os Quadros Historicos Da Guerra Do Paraguay E a Imprensa Ilustrada Do Rio De Janeiro. FDC 2020, 6, 05-34.