Que seja eterno enquanto dure, que seja eterno enquanto duro:

narrativas para a história e a psicanálise (1900-1950)

  • Valdinar da Silva Oliveira Filho outor em História (Universidade Federal Fluminense–UFF –Niterói, Rio de Janeiro. Ano de obtenção do título de doutor 2010). Professor Doutor Adjunto II –Dedicação Exclusiva -; concursado do quadro efetivo da Universidade Estadual do Piauí –UESPI –campus Poeta Torquato Neto, desde 30/06/2004.
Palavras-chave: História, Psicanálise, Narrativas Históricas

Resumo

Este  texto  faz  parte  da  retomada  de  uma  pesquisa  iniciada  e  financiada  pelo CNPq entre os anos de 1996 e 2001 na Universidade Federal da Paraíba -UFPB campus II,  Campina  Grande –atual  UFCG -;  no  entanto,  diferentemente  daquela  época  e momento este texto busca estabelecer às relações teóricas e metodológicas possíveis entre as interfaces da História e da Psicanálise. Entre 1996 e 2001, sob orientação do professor doutor  Durval  Muniz  de  Albuquerque  Júnior,  desenvolvi  pesquisas  sobre  a  invenção histórica do Nordeste e do nordestino, da emergência histórica dos termos “Nordeste” e “nordestino”, da identidade e “cultura nordestina” como uma relação histórica entre o cruzamento de uma identidade regional e uma identidade sexual e a masculinidade, a violência e o gênero como elementos constitutivos do que é ser homem dentro e fora da região.

Biografia do Autor

Valdinar da Silva Oliveira Filho, outor em História (Universidade Federal Fluminense–UFF –Niterói, Rio de Janeiro. Ano de obtenção do título de doutor 2010). Professor Doutor Adjunto II –Dedicação Exclusiva -; concursado do quadro efetivo da Universidade Estadual do Piauí –UESPI –campus Poeta Torquato Neto, desde 30/06/2004.
Possui  graduação  em  Licenciatura  Plena  em  História  pela  Universidade  Estadual  da  Paraíba  (1982), mestrado  em  História  pela  Universidade  Estadual  de  Campinas  (1988)  e  doutorado  em História  pela Universidade  Estadual  de  Campinas  (1994).  Atualmente  é  professor  permanente  do  Programa  de  Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco, professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de História, com ênfase em Teoria e Filosofia da História, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, nordeste, masculinidade, identidade, cultura, biografia histórica, produção de subjetividades e história das sensibilidades. Doutorado em História(1990 –1994) -Universidade Estadual de CampinasTítulo: O Engenho Antimoderno: a invenção do Nordeste e outras artes Robert  Wayne  Andrew  Slenes.  Bolsista  do(a):  Coordenação  de  Aperfeiçoamento  de  Pessoal  de  Nível Superior, CAPES, Brasil. Palavras-chave: nordeste; invenção; região; discurso; preconceito; regionalismo. Grande  área:  Ciências  Humanas. Setores  de  atividade:  Educação;  Produtos  e  Serviços  Recreativos,Culturais,  Artísticos  e  Desportivos. Mestrado  em  História(1983 –1988), Universidade  Estadual  de Campinas-Título: Falas de Astúcia e de Angústia: a seca no imaginário nordestino -de problema à solução(1877-1922),Ano de Obtenção: 1988-Orientador:Robert Wayne Andrew Slenes. Bolsista do(a): Conselho Nacional  de  Desenvolvimento  Científico  e  Tecnológico,  CNPq,  Brasil.  Palavras-chave:  seca;  nordeste; invenção; imaginário; problema; regional. Grande área: Ciências Humanas. Setores de atividade: Educação; Produtos e Serviços Recreativos, Culturais, Artísticos e Desportivos. Graduação em Licenciatura Plena em História(1979 –1982) -Universidade  Estadual  da  Paraíba. PÓS-DOUTORADO(2012 –2013) -Pós-Doutorado.   ,   Universidade   de   Coimbra,   UC,   Portugal.   ,Bolsista   do(a):   Conselho   Nacional   de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil. , Grande área: Ciências Humanas(2001 –2002) -Pós-Doutorado. , UNIVERSIDADE DE BARCELONA, UB, Espanha. , Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Publicado
2019-06-18
Como Citar
(1)
da Silva Oliveira Filho, V. Que Seja Eterno Enquanto Dure, Que Seja Eterno Enquanto duro:: Narrativas Para a história E a psicanálise (1900-1950). FDC 2019, 4, 178-198.