Os limites da autonomia: as tentativas contestatórias na Primeira República brasileira

  • Eduardo Rouston Junior Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Federalismo, Centralismo, Repúplica

Resumo

A proclamação da República no Brasil proporcionou mudanças formais quanto à organização política do país. A estruturação da política dos governadores consolidaria a aliança do presidente da República com o poder das oligarquias estaduais, tendo como resultado a transformação dos governadores em grandes eleitores da República. Assim, ao invés de um federalismo baseado na força democrática e cidadã de um sistema político plural, observa-se um federalismo deslocado, um “estadualismo”, porque baseado no poder das oligarquias estaduais. Como contraponto a esta situação, verifica-se o levantamento de algumas vozes políticas reclamando por uma maior interferência federal sobre os estados. Este aspecto esteve presente, por exemplo, no projeto de revisão da Carta de 1891, elaborado por Alberto Torres, bem como nos debates parlamentares da época, principalmente, a partir da atuação do Partido Federalista.

Publicado
2019-05-29
Como Citar
(1)
Rouston Junior, E. Os Limites Da Autonomia: As Tentativas contestatórias Na Primeira República Brasileira. FDC 2019, 1, 41-59.