Hipertensão arterial sistêmica e fatores associados em servidores públicos federais

  • Rosangela Maria Greco Professora Titular Aposentada do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Lisandra Braga Sutana Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Denise Cristina Alves de Moura Doutoranda em Saúde Coletiva - Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Marluce Rodrigues Godinho Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Aldo Pacheco Ferreira Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca.

Resumo

Objetivo: identificar a prevalência de hipertensão arterial relatada por Técnicos-administrativos em Educação (TAEs) de uma universidade pública e fatores associados.  Metodologia: estudo transversal realizado com 833 TAEs. A análise dos dados foi realizada por estatística descritiva, bi e multivariada, tendo como desfecho hipertensão arterial por diagnóstico médico e variáveis independentes (sociodemográficas, relacionadas aos hábitos de vida e alimentares e características do trabalho). Resultados: dos 833 trabalhadores, 51,5% eram homens, 52,7% tinham 50 anos de idade ou mais, 67% eram brancos, 77,4% tinham nível superior ou mais e 45,8% recebiam entre cinco e dez salários mínimos. Após a análise multivariada, as variáveis que se mantiveram associadas à hipertensão foram sexo, idade cor/raça e a autoavaliação do estado de saúde. Conclusão: ressalta-se a importância da implementação de medidas para promoção da saúde e prevenção da hipertensão, uma vez que se pode evitar o adoecimento dos trabalhadores, seu afastamento do trabalho e aposentadorias precoces.

Biografia do Autor

Rosangela Maria Greco, Professora Titular Aposentada do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Enfermeira. Doutora em Saúde Pública. Professora Titular Aposentada do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Lisandra Braga Sutana, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira graduada pela Faculdade de Enfermagem da Universidae Federal de Juiz de Fora.
Denise Cristina Alves de Moura, Doutoranda em Saúde Coletiva - Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Especialista em Enfermagem do Trabalho. Doutoranda em Saúde Coletiva.
Marluce Rodrigues Godinho, Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora

Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva. Especialização em MBA em Gestão em Saúde, Acreditação e Auditoria. Doutora em Saúde Pública.

Professora do Departamento de Enfermagem Básica da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora

Aldo Pacheco Ferreira, Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca.
Mestre e Doutor em Engenharia Biomédica. Pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural.

Referências

Portela RS, Barbosa AM, Martins MA, Pelazza BB, Leite GR, Paula CR. Cardiovascular risk factors prevalence and associated factors in health units of users. J Nurs UFPE on line. 2016;10(9):3232-40.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Volume 107, Nº 3, Supl. 3, 2016.

Messerli FH, Fischer U, Rimoldi SF, Bangalore S. Hypertension control and cardiovascular disease. The Lancet. 2017;389(10065):153.

Silva SSBE, Oliveira SFSB, Pierin AMG. O controle da hipertensão arterial em mulheres e homens: uma análise comparativa. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(1):50-58.

Zarpelao RZN, Martino MMF de. Demanda controle em trabalhadores hipertensos da Construção civil. Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade [online]. 2014;9(1):3-18.

Moura AL, Haddad MCL, Dalmas JC, Felli VEA, Pissinati PSC.Capacidade para o trabalho e risco cardiovascular em trabalhadores da prefeitura de um campus universitário. Cogitare Enferm. 2015;20(1):89-95.

Jacques CC, Milanez B, Mattos RCOC. Indicadores para Centros de Referência em Saúde do Trabalhador: proposição de um sistema de acompanhamento de serviços de saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2012;17(2):369-378.

Carneiro SAM. Saúde do trabalhador público: questão para a gestão de pessoas – a experiência na Prefeitura de São Paulo. Revista do Servidor Público. 2006;57(1): 23-49.

Souza ZB, Reis LM. Entre o atender e o ser atendido: políticas em saúde para o trabalhador do serviço público. Cad. psicol. soc. trab. 2013;16(1):87-106.

Godinho MR, Greco RM , Teixeira MTB, Teixeira LR, Guerra MR, Chaoubah A. Work ability and associated factors of Brazilian technical-administrative workers in education. BMC Res Notes. 2016;9(1):1-10.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6:5–18.

World Health Organization. Physical activity. 2018 Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/physical-activity Acesso em: 10 jun. 2018.

Lima CT, Freire ACC, Silva APB, Teixeira RM, Farrell M, Prince M. Concurrent and construct validity of the audit in an urban brazilian sample. Alcohol Alcohol. 2005;40:584–9.

Carmo JT, Pueyo AA. A adpatação do português de Fagerstrom Test for Nicotine Dependence (FTND). Rev Bras Med. 2002;59(1/2):73-80.

Alves MG de M, Chor D, Faerstein E, Lopes C de S, Werneck GL. Short version of the “job stress scale”: a Portuguese-language adaptation [Internet]. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):164–71. [acesso em 2017 set 22]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v38n2/en_19774.pdf

Tuomi K, Ilmarinen J, Jahkola A, Katajarinne L, Tulkki A. Índice de Capacidade Para o Trabalho. Finlândia: Helsinki; 2002.

Martinez MC, Latorre M do RD, Fischer FM. Capacidade para o trabalho: revisão de literatura. Ciênc. saúde coletiva. 2010;15:1553–61.

Malta DC, Bernal RTI, Andrade SSCA, Silva MMA,Velasquez-Melendez G. Prevalência e fatores associados com hipertensão arterial autorreferida em adultos brasileiros [Internet]. Rev Saude Publica. 2017;51 Supl 1:11s [acesso em 2017 set 22]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51s1/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051000006.pdf.

Pimenta AM, Assunção AA. Estresse no trabalho e hipertensão arterial em profissionais de enfermagem da rede municipal de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil [Internet]. Rev Bras Saude Ocup 2016;41:e6 [acessso em 2017 set 21]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbso/v41/2317-6369-rbso-41-e6.pdf.

Medeiros CCM, Bessa GG, Coura AS, França ISX, Sousa FS. Prevalência dos fatores de risco para diabetes mellitus de servidores públicos. Rev. Eletr. Enf [Internet]. 2012;14(3):559-69 [acesso em 2017 set 22]. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n3/v14n3a12.htm

World Health Organization. World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. 2018. Disponível em: http://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2018/EN_WHS2018_TOC.pdf?ua=1 Acesso em: 10 jun. 2018.

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos [Internet]. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(4):547-53 [acesso em 2017 set 22]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n4/pt_0104-1169-rlae-22-04-00547.pdf.

Barel M, Louzada JCA, Monteiro HL, Amaral SL. Associação dos fatores de risco para doenças cardiovasculares e qualidade de vida entre servidores da saúde. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte [Internet]. 2010;24(2):293-303 [acesso em 2018 jul 03]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v24n2/v24n2a12.pdf

Moreira JPL, Moraes JR, Luiz RR. Prevalence of self-reported systemic arterial hypertension in urban and rural environments in Brazil: a population-based study [Internet]. Cad. Saúde Pública. 2013;29(1):62-72 [acesso em 2017 set 23]. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v29n1/08.pdf.

Faerstein E, Chor D, Werneck GL, Lopes CS, Kaplan G. Race and perceived racism, education, and hypertension among Brazilian civil servants: the Pró-Saúde Study [Internet]. Rev. bras. epidemiol. 2014;17(2):81-87 [acesso em 2017 set 22]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v17s2/1415-790X-rbepid-17-s2-00081.pdf.

Einloft ABN, Silva LS, Machado JC, Cotta RMM. Influência de intervenções educativas em perfis antropométricos, clínicos e bioquímicos e na percepção de saúde e doença de portadores de hipertensão arterial no contexto da Saúde da Família [Internet]. Rev. Nutr.2016;29(4):529-541 [acesso em 2018 jul 03]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rn/v29n4/1415-5273-rn-29-04-00529.pdf

World Health Organization. Q&As on hypertension. 2015. Disponível em: http://www.who.int/features/qa/82/en/ Acesso em: 10 jun. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Greco, R. M., Sutana, L. B., Alves de Moura, D. C., Rodrigues Godinho, M., & Pacheco Ferreira, A. (2019). Hipertensão arterial sistêmica e fatores associados em servidores públicos federais. Revista De Enfermagem Da UFJF, 5(1), 1-14. https://doi.org/10.34019/2446-5739.2019.v5.25957
Seção
Artigos Originais