Redes de comunicação pública, múltiplas ontologias e participação política das mulheres a partir da ONG Themis

Gênero, Justiça e Direitos Humanos

Autores

  • Taíse Souza Barfknecht Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.36213

Palavras-chave:

Teoria Ator Rede, Múltiplas Ontologias, Redes de Comunicação Pública, Promotoras Legais Populares

Resumo

O presente ensaio propõe uma análise inicial da iniciativa Promotoras Legais Populares (PLPs), promovida pela Organização Não-Governamental Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre/RS, com enfoque na formação de redes de mulheres promovida pela instituição.  Valendo-se dos conceitos de Teoria Ator-Rede (ANT), múltiplas ontologias e redes de comunicação pública, o trabalho realiza uma reflexão teórico-metodológica como embasamento para investigar como os projetos da ONG Themis contribuem para a visibilidade e credibilidade das mulheres participantes, promovendo o acesso e a defesa de direitos, bem como sua participação política. A análise demonstrou que o sistema de Justiça apresenta um formato único para lidar com as múltiplas experiências das cidadãs, e que o rastreamento de redes de comunicação pública pode representar uma ação inicial de pesquisa, visando compreender as possibilidades de combate à violência contra a mulher, bem como fomentar sua participação política em espaços decisórios. Assim, a triangulação entre Teoria Ator-Rede (ANT), múltiplas ontologias e redes de comunicação pública compõe um frutífero campo analítico, considerando a agência de humanos e não-humanos nos processos de cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e Política. São Paulo: Boitempo, 2014.

BARFKNECHT, Taíse Souza. Direitos das mulheres e o uso de aplicativos pela Themis - Gênero, Justiça e Direitos Humanos. In: COMPOLÍTICA - Democracia e opinião pública em tempos de fake news, IX edição, 2021, Online. Anais, 2021.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, 2002.

DIAS, Leidiane Pias. Os cegos do castelo: a experiência das Promotoras Legais Populares na construção de um Direito democrático. Revista da AJURIS, v. 42, n. 138, jun./2015, p. 301 – 334.

Em frente da lei tem um guarda. Themis - Gênero, Justiça e Direitos Humanos, Porto Alegre, 20 de dez. de 2013. Disponível em: <http://themis.org.br/midia/em-frente-da-lei-tem-um-guarda/>. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

ESTEVES, João P. Sociologia da Comunicação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

GONZALES, Zuleika Köhler. BAUM, Carlos. Desdobrando a Teoria Ator-Rede: Reagregando o Social no trabalho de Bruno Latour. Polis e Psique, Vol.3, n.1, 2013.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador-Bauru: Ed. EDUSC/EDUFBA, 2012.

MOL, Annemarie. Actor-Network Theory: sensitive terms and enduring tensions. Kölner Zeitschrift für Soziologie und Sozialpsychologie, v.50, n.1, p.253-269, 2010

MOL, Annemarie. The Body Multiple: ontology in medical practice. Durham/Londres: Duke University Press, 2002.

MARTIN, Denise; SPINK, Mary Jane; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Corpos múltiplos, ontologias políticas e a lógica do cuidado: uma entrevista com Annemarie Mol. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 22, n. 64, p. 295-305, 2018.

Nem pense em nos matar. OBCOMP - Observatório da Comunicação Pública. Campanhas de interesse público. Disponível em: http://www.ufrgs.br/obcomp/campanhas-interesse-publico/1/2022/nem-pense-em-nos-matar/. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

Nem pense em me matar! - Levante feminista contra o feminicídio. Change.org. Disponível em: < https://www.change.org/p/supremo-tribunal-federal-nem-pense-em-me-matar>. Acesso em: 26 de fev. de 2022.

OLIVEIRA, Daniely Benthien de. A Tese da Legítima Defesa da Honra: o que é e por que é inconstitucional? Politize, 29 de jul. de 2021. Disponível em: <https://www.politize.com.br/tese-da-legitima-defesa-da-honra/#>. Acesso em: 19 de fev. de 2021.

Promotoras Legais Populares. Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos. Fazemos. Disponível em: http://themis.org.br/fazemos/promotoras-legais-populares/historico/. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

SOUZA, Iara M. A. A Noção de Ontologias Múltiplas e suas Consequências Políticas. Ilha, v.17, n.2, p.49-73, ago./dez. 2015.

Tecnologia prioriza atendimento a mulheres em situação de violência – PLP 2.0. Portal Geledés, 18 de dez. de 2015. Disponível em: https://rb.gy/c3p5oy. Acesso em:

de fev. de 2022.

TEÓFILO, Sarah. Feminicídios crescem durante a pandemia; casos de violência doméstica caem. Correio Braziliense Brasil, 19 de out. de 2020. Disponível em: <https://rb.gy/suxtzh>. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

THEMIS. Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos. Página inicial. Disponível em: <http://themis.org.br/>. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

VICTORAZZI, Ana. Novo app quer ajudar mulheres vítimas de violência em tempo real. Razões para acreditar, 18 de nov. de 2015. Disponível em: https://rb.gy/yxyyh0. Acesso em: 19 de fev. de 2022.

WEBER, Maria Helena. Balizas do campo comunicação e política. TRÍADE: COMUNICAÇÃO, CULTURA E MÍDIA, v. 08, p. 06-48, 2020.

WEBER, Maria Helena; COELHO, Marja Pfeifer; LOCATELLI, Carlos (Org.). Comunicação Pública e Política: pesquisa e práticas. Florianópolis: Insular, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-14

Como Citar

Souza Barfknecht, T. (2022). Redes de comunicação pública, múltiplas ontologias e participação política das mulheres a partir da ONG Themis: Gênero, Justiça e Direitos Humanos. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (34), 88–115. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.36213

Edição

Seção

Dossiês