As “famílias que escolhemos” pelo Facebook

notas sobre Inseminação Caseira, tentantes e doadores

Autores

  • Lucas Woltmann Figueiró Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.33885

Palavras-chave:

Reprodução humana, Inseminação Caseira, Parentesco, Coprodução natureza-cultura

Resumo

O presente escrito trata da “Inseminação Caseira” em seres humanos. Diferente do que ocorre em clínicas e centros profissionais de reprodução assistida, sob o rótulo de Inseminação Caseira repousam alternativas informais e caseiras para a reprodução e constituição de arranjos familiares.  Apoiado em materiais diversos (grupos temáticos na plataforma Facebook, reportagens, documentos e vídeos na plataforma YouTube), o objetivo deste artigo é analisar os modos pelos quais essa alternativa reprodutiva tem sido apresentada e que contribuições agrega para pensarmos temas tratados sob as rubricas parentesco, ciência e tecnologia. Para tal, intelectuais como Kath Weston, Marilyn Strathern, Charis Thompson e Claudia Fonseca foram consultadas como fonte de inspiração. Aliadas e outras referências que cito de forma pontual, essas intelectuais fornecem a grade teórica por meio da qual tento compreender a Inseminação Caseira e algumas de suas particularidades. As análises realizadas sugerem que, nas escolhas e práticas levadas adiante na busca pelo “sonho” da maternidade, tentantes e doadores negociam laços de pertencimento. Para tal, atuam tanto “naturalizando” aspectos que escapam de laços biogenéticos, quanto negando o que poderia ser considerado natural e irrevogável. Se em alguns momentos se atribui mais ênfase ou valor a aspectos biogenéticos, isso não impede que, de forma simultânea e proporcional, se invista na produção de outras tantas formas de conexão e pertencimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BBC. British Broadcasting Corporation. Os brasileiros que doam sêmen para inseminações caseiras. BBC, Brasil, Cuiabá, 29 nov 2017. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-42145205>. Acesso em: 15 mar 2021

CARSTEN, Janet. A matéria do parentesco. R@U, v. 6, n. 2, 2014, p. 103-118.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Resolução Nº 2.013/2013, 2013. Disponível em: < https://portal.cfm.org.br/images/PDF/resoluocfm%202013.2013.pdf>. Acesso em: 30 mar 2021.

FACEBOOK (2014). Grupo “Inseminação Caseira: Tentantes & Doadores”, 2021. Disponível em: <https://pt-br.facebook.com/groups/352244381619368/>. Acesso em: 17 mar 2021.

FACEBOOK. (2020). Grupo “Inseminação Caseira: Tentantes & Doadores - RS”, 2021. Disponível em: <https://www.facebook.com/groups/379932779660043>. Acesso em: 19 mar 2021.

FACEBOOK. About, 2021. Disponível em: <https://about.fb.com/br/company-info/>. Acesso em: 02 abril 2021.

FONSECA, Cláudia. De afinidades a coalizões: uma reflexão sobre a transpolinização entre gênero e parentesco em décadas recentes da antropologia. Ilha: Revista de Antropologia, v. 5, n. 2, p. 05-31, 2004.

FONSECA, Cláudia. Homoparentalidade: novas luzes sobre o parentesco. Revista Estudos Feministas [online]. v. 16, n. 3, p. 769-783, 2008.

FONSECA, Cláudia. Os emaranhados fios de pertencimento. Mundaú, v. 6, p. 18-36, 2019.

JUNIOR, Paulo. Passo a passo completo IC, Canal “Inseminação Caseira Amor ao Próximo", 2019. 1 vídeo (22:27 min). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=wYLaxpbY28M>. Acesso em: 22 mar 2021.

JUNIOR, Paulo. Porque ser doador de sêmen de IC (Inseminação Caseira), Canal “Inseminação Caseira Amor ao Próximo", 2020. 1 vídeo (5:25 min) Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4wVw8IUkp0M>. Acesso em: 22 mar 2021.

MALINOWSKI, Bronislaw (1929). “A procriação e a gravidez, segundo as crenças e os costumes dos nativos”. In: ______. A vida sexual dos selvagens, 1983, p. 181-219.

SARMENTO, Caroline Silveira. “Os casos de Luiza e Adriana”. In: _____. “Por que não podemos ser mães?”: tecnologias de governo, maternidade e mulheres com trajetória de rua. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2020, p. 90-116.

STRATHERN, Marilyn. Necessidade de pais, necessidade de mães. Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 303-329, 1995.

THOMPSON, Charis. Strategic naturalizing: kinship in an infertility clinic. In: FRANKLIN, Sarah; MCKINNON, Susan. Relative values: reconfiguring kinship studies. Durham & London: Duke University Press, 2001, p. 175-202.

WESTON, Kath (1991). Las familias que elegirnos. In: _____. Las familias que elegimos: lesbianas, gays y parentesco. Barcelona: Bellaterra, 2003, p. 145-184.

Downloads

Publicado

2022-06-14

Como Citar

Woltmann Figueiró, L. (2022). As “famílias que escolhemos” pelo Facebook: notas sobre Inseminação Caseira, tentantes e doadores. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (34), 214–235. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.33885

Edição

Seção

Artigos