Representação política e relações sociais no Brasil atual

  • Pedro Guilherme Kirst Hoewell PUC-SP
Palavras-chave: democracia, representação política, Brasil, relações sociais, aparelhos de Estado

Resumo

Este artigo tem como objetivo examinar a questão da representação política no Brasil contemporâneo, buscando estabelecer nexos com as relações sociais. Partindo de um referencial teórico crítico às teorias mainstream da Ciência Política, a ideia principal é considerar a historicidade e a materialidade do país, visando identificar as limitações da democracia brasileira, em particular, e das democracias liberais, em geral.

Como objeto imediato, a crise recente (a partir de 2013) que acometeu o Brasil muito revela sobre as questões referentes às estruturas jurídico-política, econômica e ideológica, que serão abordadas no texto. A forma da representação política pode ser colocada em xeque, tendo em vista que há déficits quantitativos e qualitativos preocupantes, em especial nas casas legislativas.

Avaliaremos o que há – ou não – de democrático no desenho atual, as estruturas que permitem tais déficits e quais as possíveis causas da chamada crise.

Biografia do Autor

Pedro Guilherme Kirst Hoewell, PUC-SP

Graduado em Relações Internacionais pela PUC-SP (2015). Mestre em Ciências Sociais pela PUC-SP (2019).
Pesquisador da área de Ciência Política, com ênfase nos temas de representação política, democracia e Estado.

Referências

ABRANCHES, Sérgio. O presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados, nº 31 (1), 1988, pp. 5-33.
ALMEIDA, Lúcio Flávio Rodrigues de. Neonacional-desenvolvimentismo e relações de classes nos governos Lula. Lutas Sociais, São Paulo, vol. 19, n. 35, p. 142-159, jul./dez. 2015.
ALMEIDA, Lúcio Flávio Rodrigues de. As relações de classe, a crise o golpe. In: DIAS, Luiz Antonio & SEGURADO, Rosemary (orgs.). O Golpe de 2016. Razões, Atores e Consequências. São Paulo: Intermeios, 2018.
CALLINICOS, Alex. Além do mercado. A vingança da história: o marxismo e as revoluções do Leste Europeu (trad.: Ruy Jungmann). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1992.
CARTA EDUCAÇÃO. “As universidades devem ficar reservadas para uma elite intelectual”, diz ministro da educação. 28 jan. 2019. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2019.
CROZIER, Michel J., HUNTINGTON, Samuel P. & WATANUKI, Joji. The crisis of democracy. Report on the governability of democracies to the Trilateral Commission. Nova York: New York University Press, 1975. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2019.
HUNTINGTON, Samuel P. A terceira onda: a democratização no final do século XX. São Paulo: Ed. Ática, 1994.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Distribuição percentual da População por Sexo – Brasil – 1980 a 2010. 2010. Disponível em . Acesso em: 13 ago. 2019.
MACIEL, David. Aliança democrática e a transição política no Brasil. In: PINHEIRO, M. (org.) Ditadura: o que resta da transição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014, pp. 269-301.
MACPHERSON, Crawford. B. A democracia liberal: origens e evolução. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.
MARTUSCELLI, Danilo Enrico. A ideologia do “presidencialismo de coalizão”. Lutas Sociais, nº. 24. São Paulo, 2010, pp. 60-69.
MARTUSCELLI, Danilo Enrico. Sobre o conceito marxista de crise política. Crítica Marxista nº 43, 2016, pp. 9-27. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2019.
MARX, Karl. O Capital (Livro 1). São Paulo: Boitempo, 2011.
MILL, John Stuart. Utilitarismo. São Paulo: Ed. Escala, sd.
MORAES, Antônio Carlos de. O projeto neoliberal e o mito do Estado Mínimo. Lutas Sociais, nº 1, 1996. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2019.
NAVES, Márcio B. Marxismo e direito: um estudo sobre Pachukanis. São Paulo: Boitempo editorial, 2000.
NERY, Vanderlei Elias. Diretas Já: mobilização de massas com direção burguesa. In: PINHEIRO, M. (org.) Ditadura: o que resta da transição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014, pp. 247-268.
POULANTZAS, Nicos. As transformações atuais do Estado, a crise política e a crise do Estado. In: POULANTZAS, Nicos. (Org.). O Estado em crise. Rio de Janeiro: Graal, 1977, apud MARTUSCELLI, Danilo, op. cit., 2016, pp. 9-27.
POULANTZAS, Nicos. Introdução: as classes sociais e sua reprodução ampliada. In: As classes sociais no capitalismo de hoje. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.
POULANTZAS, Nicos. O problema do Estado capitalista. In: BLACKBURN, R. (org.). A ideologia na ciência social: ensaios críticos sobre a teoria social. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
REDE BRASIL ATUAL. Maiores bancos do país devem mais de R$ 124 bilhões para a União. 06 jul. 2017. Disponível em . Acesso em: 15 ago. 2019.
SAES, Décio. Democracia. São Paulo: Ed. Ática, 1987.
SAES, Décio. República do capital. Capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo: Boitempo. 2001.
SCHUMPETER, Joseph Alois. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro, Ed. Fundo de Cultura, 1961.
SILVA, Sérgio. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Ed. Alfa-Omega, 1986.
VEJA. Universidades com ‘balbúrdia’ terão verbas reduzidas, diz Weintraub. 30 abr. 2019. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2019.
Publicado
2020-01-03
Como Citar
Kirst Hoewell, P. G. (2020). Representação política e relações sociais no Brasil atual. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (30). https://doi.org/10.34019/1981-2140.2019.27697
Seção
Dossiês