Crise da democracia e inovações democráticas no Legislativo

REFLEXÕES E TENSÕES

  • Thales Torres Quintão Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Crise da Democracia; Poder Legislativo; Participação Política; Inovações Democráticas.

Resumo

Este artigo examina o fenômeno da crise da democracia e a relação dela com o Legislativo. Nesse sentido, pensando na emergência das novas formas de mobilização política praticadas por diversos movimentos sociais que recusam a estabelecer interfaces com o parlamento, foi feita uma discussão analítica das inovações democráticas que esse poder tem desenvolvido nos últimos tempos, e os principais desafios colocados. Essas inovações têm como objetivo tornar o parlamento mais aberto, transparente, e participativo, principalmente por meio do engajamento digital, como o crowdlaw. Apesar de existirem arranjos participativos de muita potencialidade, alguns entraves ainda se fazem presentes. Esses entraves vão desde a natureza política e institucional do Legislativo (aversão ao risco, necessidade de confluências entre o campo administrativo e político), até pelo caráter ainda incipiente desses arranjos.

Biografia do Autor

Thales Torres Quintão, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Ciências Sociais pela PUC-Minas

Especialista em Administração pela UFMT

Mestre e Doutroando em Ciência Política pela UFMG

Referências

ALMEIDA, D. R. (2015). Representação além das Eleições: Repensando as Fronteiras entre Estado e Sociedade. Jundiaí: Paco Editorial.

ALSINA, V.; MARTÍ, J. L. (2018). The Birth of CrowdLaw Movement: Tech-Based Citizen Participation, Legitimacy and the Quality of Lawmaking. Analyse & Krltlk, vol. 40, nᵒ 2, pp. 337-358.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS - ALMG (2017). Relatório de Pesquisa: A experiência de cidadãos com a participação política em instituições do poder público e em movimentos sociais - Grupos Focais.

AVRITZER, L. (2017). The Two Faces of Institutional Innovation: Promises and Limits of Democratic Participation in Latin America. Edward Elgar Publishing: Cheltenham & Northampton.

AVRITZER, L.; MARONA, M. (2017). A Tensão entre Soberania e Instituições de Controle na Democracia Brasileira. Dados – Revista de Ciências Sociais, vol. 60, n.2, pp.359-393.

BARROS, A. T. de; MONTEIRO, A. R.; BARROS, T. S. (2018). Audiências públicas interativas na Câmara dos Deputados: além da função informacional. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 26, pp. 131-185.

BENNETT, W. L.; SEGERBERG, A. (2013). The Logic of Connective Action: Digital Media and the Personalization of Contentious Politics. New York: Cambridge University Press.

BEETHAM, D. (2011). Do parliaments have a future? In: ALONSO, S.; KEANE, J.; MERKEL, W. (eds.) The Future of Representative Democracy. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 124-143.

BRENNAN, J. (2016). Against Democracy. New Jersey: Princeton University Press.

COLEMAN, S. (2004). Connecting Parliament to the public via the internet: two case studies of online consultations. Information, Communication & Society, pp. 1-17.

COLEMAN, S. (2005). New mediation and direct representation: reconceptualizing representation in the digital age. New Media and Society; vol. 77, pp.177-198.

DALTON, R. J. (2008). Citizenship Norms and the Expansion of Political Participation. Political Studies; vol. 56, pp. 76-98.

DRYZEK, J. S. (1996). Political Inclusion and the Dynamics of Democratization. The American Political Science Review, vol. 90, n.3, pp. 475-487.

EKMAN, J.; AMNA, E. (2012). Political participation and civic engagement: Towards a new typology. Human Affairs; vol. 22, n. 3, pp. 283-300.

ERCAN, S. A.; GAGNON, J. P. (2014). The Crisis of Democracy. Which Crisis? Which Democracy? Democratic Theory; vol. 1, n. 2, pp. 1-10.

FARIA, C. F. S. de (2012). O Parlamento Aberto na era da internet: pode o povo colaborar com o legislativo na elaboração de leis. Centro de Documentação e Informação, Brasília: Edições Câmara dos Deputados.

FARIA, C.; REHBEIN, M. (2016). Open parliament policy applied to the Brazilian Chamber of Deputies. The Journal of Legislative Studies, pp. 1-21.

FUNG, A. (2012). Continuous Institutional Innovation and the Pragmatic Conception of Democracy. Polity, vol. 44, nᵒ 4, pp. 609-624.

GREEN, J. E. (2011). The Eyes of the People: Democracy in an Age of Spectatorship. Oxford University Press.

HOBSON, C. (2016). Democracy: Trap, Tragedy or Crisis? Political Studies Review, pp.1-8.

JONES, E. (2018). Democracies Don't Die, They are Killed. Survival; vol. 60, n. 2, pp. 201-210.

KONOPACKI, M.; QUINTÃO, T. T. (2019). Crowdlaw e inteligência coletiva, ou democracia digital 2.0. Aula online: Módulo 4 – Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS Rio).

LANGLAMET, H. (2018). Can Digital Technologies Create a Stronger Model for Democratic Participation? The Case of CrowdLaw. 51st Hawaii International Conference on System Sciences.

LESTON-BANDEIRA, C. (2007). The Impact of the Internet on Parliaments: a Legislative Studies Framework. Parliamentary Affairs, vol. 60, n°4, pp.655-674.

LESTON-BANDEIRA, C. (2014). The Pursuit of Legitimacy as Key Driver for Public Engagement: The European Parliament Case. Parliamentary Affairs, vol. 67, n. 2, pp. 437-457.

LESTON-BANDEIRA, C. (2016). Why symbolic representation frames parliamentary public engagement. The British Journal of Politics and International Relations, vol. 18, n. 2, pp.498-516.

LEVISTKY, S.; ZIBLATT, D. (2018). How Democracies Die: what history reveals about our future. New York: Crown.


MANIN, B. (1998). Los Principios del Gobierno Representativo. Alianza Editorial (e-book).

MANIN, B. (2013). A Democracia do Público Reconsiderada. Novos Estudos, vol 97, pp. 115-127.

MANIN, B.; PRZEWORSKI, A.; STOKES, S. C. (2006). Eleições e Representação. Lua Nova, vol. 67, pp. 105-138.

MENDONÇA, R. F. (2017). Tem o deliberacionismo algo a dizer sobre a crise da democracia? Anais do 41ᵒ Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 23 a 26 de outubro.

MENDONÇA, R. F.; CUNHA, E. S. (2012). M. Relatório de Aprimoramento de Eventos da ALMG. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

MERKEL, W. (2014). Is There a Crisis of Democracy? Democratic Theory; vol. 1, n. 2, pp. 11-25.

MITOZO, I. B. (2014). O Portal e - Democracia e suas potencialidades: avanços e desafios de uma ferramenta de participação legislativa [Entrevista com Cristiano Ferri de Faria]. Revista Compolítica, vol. 2, n° 4, pp. 185-203.

MITOZO, I. B. (2017). How can political systems influence post-electoral participation encouraged by parliaments? A case study of the Brazilian Chamber of Deputies' and the British House of Commons' projects. Trabalho apresentado na Political Studies Association (PSA) Annual Conference, Glasgow, 10 a 12 de abril.

MOREIRA, E. C. (2007). De eleitor para deputado: “Eu confio em você como você confia no meu voto”. Belo Horizonte: Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Escola do Legislativo. Relatório do NEPEL.

MORRELL, M. E. (2014). Participants Bias and Success in Deliberative Mini-Publics. In: GRONLUND, K.; BACHTIGER, A.; SETALA, M. (orgs). Deliberative Mini-Publics. ECPR Press: p.157-175.

NETO, Eurico O. M (2015). A Democracia Digital nos Parlamentos Latino-Americanos: Um Estudo sobre Ferramentas e Projetos de Democracia Digital nos Portais dos Órgãos Legislativos Nacionais Da América Latina. Salvador: Dissertação de Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas – Universidade Federal da Bahia (UFBA).

NORTON, P. (1990). Legislatures in Perspective. West European Politics, vol. 13, nᵒ3, pp. 143-152.

NOVECK, B. S. (2018). Crowdlaw: Collective Intelligence and Lawmaking. Analyse & Kritik, vol. 40, nᵒ 2, pp. 359-380.

O'DONNEL, G. A. (2007). The Perpetual Crises of Democracy. Journal of Democracy; vol. 18, n. 1, pp. 5-11.

OLSEN, J.P. (1997). Institutional Design in Democratic Contexts. The Journal of Political Philosophy, vol. 5, n. 3, pp. 203-229

PHILIPS, A. (1995). The Politics of Presence. Oxford University Press.

QUINTÃO, T. T.; FARIA, C. F. (2018). Parlamento e inovações participativas: potencialidades e limites para a inclusão política. Revista Teoria & Sociedade, vol. 26, n. 2, pp. 60-92.

ROCHA, Maria N. O. (2015). Mecanismos de participação política online: o e - Cidadania. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação em Comunicação Legislativa – Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), Senado Federal, Brasília.

ROCHA, M. M. da. (2011). Representação, Informação e Deliberação no Processo Legislativo Estadual. Tese de Doutorado em Ciência Política – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte.

SANDES-FREITAS, V. E. V. (2019). O papel das lideranças e dos partidos políticos na sobrevivência das democracias. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 34, n. 101, pp. 1-5.

SANTOS, P. T.; FARIA, C. F. S. (2019). Como Hacker um Legislativo: o caso do LabHacker da Câmara Brasileira. In: CAVALCANTE, P. (org.). Inovação e Políticas Públicas: superando o mito da ideia. Brasília: Ipea e InovaGov, pp. 243-258.

TORNEY, S. (2014). The Contemporary Crisis of Representative Democracy. Democratic Theory, vol. 1, n. 2, p.104-112.

URBINATI, N. (2013). Crise e Metamorfoses da Democracia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 28, n. 82, pp. 5-16.

YOUNG, Iris M. (2000). Inclusion and Democracy. Oxford: Oxford University.
Publicado
2020-01-03
Como Citar
Quintão, T. T. (2020). Crise da democracia e inovações democráticas no Legislativo. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (30). https://doi.org/10.34019/1981-2140.2019.27695
Seção
Dossiês