Variação morfométrica de Tivela mactroides (Bivalvia, Veneridae) no litoral Norte-Nordeste do Brasil

  • Weverton John Pinheiro dos Santos Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA, Brasil
  • Adriana da Cruz Melo Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA, Brasil
  • Ana Carla de Araújo Gomes Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA, Brasil
  • Mara Rúbia Ferreira Barros Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA, Brasil
  • Rafael Anaisce das Chagas Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil
  • Andréa Magalhães Bezerra Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA, Brasil
Palavras-chave: Berbigão, Concha, Marisco, Mollusca, Morfometria

Resumo

O presente estudo objetivou comparar a morfometria de Tivela mactroides de três praias do litoral Norte e Nordeste brasileiro. Para tanto, utilizou-se exemplares depositados na Coleção Malacológica do Museu de Zoologia da Universidade Federal Rural da Amazônia (MZUFRA), oriundos das praias da Corvina (PA), Boa Viagem (PE) e Porto da Barra (BA). Para a comparação morfológica, primeiramente calculou-se razões proporcionais entre as medidas externas das conchas (comprimento, largura e altura), em seguida, efetuou-se Análise de Componentes Principais (ACP) com a finalidade de determinar a razão morfométrica, determinante para organização dos dados e, por fim, utilizou-se a Análise de Variância  (ANOVA) para comparar a morfometria de T. mactroides das três localidades. A ACP determinou a razão altura/comprimento como principal variável, enquanto a ANOVA indicou diferenças na morfometria da concha na comparação entre as três localidades. Assim, os resultados deste estudo corroboram a hipótese de influência latitudinal na morfometria da concha de T. mactroides. Conclui-se que há presença de influência latitudinal nas características conquiliológicas de T. mactroides presentes em diferentes regiões da costa brasileira. Deste modo, recomenda-se análises da influência latitudinal na dinâmica populacional da espécie.

Publicado
2020-07-29