Entomofauna Associada ao Pequizeiro (Caryocar brasiliense Cambess) na Serra da Bandeira, Barreiras, Bahia

  • Adriana Gonçalves Barbosa Universidade do Estado da Bahia-UNEB
  • Greice Ayra Franco-Assis Universidade do Estado da Bahia-UNEB

Resumo

Na ausência de informações sobre a interação entre insetos e pequizeiro na região Oeste da Bahia, o objetivo do presente estudo foi identificar a composição da entomofauna associada ao pequizeiro (C. brasiliense) em duas áreas com diferentes níveis de perturbação antrópica, na Serra da Bandeira, Barreiras, Bahia, bem como verificar se a fenologia da planta tem influência sob os insetos associados. Para isso, foram selecionados 20 pequizeiros, distribuídos entre duas áreas, preservada (A) e de borda (B). Os insetos foram amostrados mensalmente, de dezembro de 2015 a dezembro de 2016, utilizando como metodologia o guarda-chuva entomológico e o aspirador entomológico. A entomofauna foi identificada ao nível taxonômico de família e utilizou-se os índices de constância e percentual da abundância em sua análise. De maneira complementar, observou-se as fenofases da planta. No que concerne a análise dos dados da fenologia, se utilizou os índices de atividade, percentual de intensidade de Fournier, frequência e duração. No que se refere à fenologia, o C. brasiliense apresentou, nas duas áreas de estudo, padrões semelhantes nas fenofases vegetativas, enquanto diferenciavam suas características nas fenofases reprodutivas. Com relação à entomofauna, foram coletados 1860 insetos, sendo 785 indivíduos encontrados na área A e 1075 na área B. Quando se trata de diversidade, na área A, foram coletadas 22 famílias, enquanto a área B obteve 23 famílias. Portanto, ocorreram divergências tanto nos aspectos fenológicos (floração e frutificação) quanto na composição da entomofauna entre a área A e B, sendo que a fase reprodutiva do pequizeiro diferiu entre os anos (2015/2016), intercalando períodos de frutificação mais e menos produtivos. Os resultados da entomofauna demonstraram correlação com as fenofases do C. brasiliense na Serra da Bandeira. Dentre eles, a família mais representativa foi Formicidae, ao passo que alguns táxons, tais como Alleculidae, Erotylidae, Meloidae, Muscidae, Cercopidae, Pyrrhocoridae, Proscopiidae, Romaleidae, Stenopelmatidae e Tettigoniidae não predominaram. 

Publicado
2018-12-12