Influência de Metazoários Parasitas na Morte de Juvenis de Arapaima gigas (Schinz, 1822) Criados em uma Piscicultura na Amazônia Brasileira

  • Hellen Paredio Santana Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)
  • Germán Augusto Murrieta Morey Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)
  • Jackson Pantoja Lima Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM
  • José Celso de Oliveira Malta Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)

Resumo

Um dos problemas mais sérios na produção do pirarucu em pisciculturas são as doenças parasitarias, que influenciam negativamente na quantidade e qualidade dos peixes cultivados, podendo causar altas mortalidades, portanto, o objetivo do presente trabalho foi identificar as espécies de parasitas em 20 juvenis de Arapaima gigas coletados em uma piscicultura no município de Manacapuru, Amazonas, Brasil e avaliar suas influências na mortalidade dos peixes mediante o uso de índices parasitários, padrão de distribuição e a relação entre o fator de condição e a abundância parasitária. Os peixes antes de morrer apresentaram natação errática e dificuldade para respirar. Após a análises das brânquias foram registrados 1.066 monogenóideos identificados como Dawestrema cycloancistrium parasitando 100% dos peixes analisados com uma intensidade média de 53,3 ± 73,1 e apresentando uma distribuição agregada nos hospedeiros. Adicionalmente foram registrados no intestino um espécime do Nematoda Goezia spinulosa e cinco espécimes do Acantocephala Polyacanthorhynchus macrorhynchus. O baixo número de endoparasitas conjuntamente com o fator de condição relativo (Kn) alto registrado nos A. gigas descarta a possibilidade da morte dos peixes devido à influência de algum endoparasita ou carências nutricionais. No entanto, as manifestações comportamentais, sinais nas brânquias e altos níveis de infestação por D. cycloancistrium indicam este parasita como responsável pela morte dos peixes.

Publicado
2017-07-10