Dinâmica de larvas de Chironomidae na Baía do Coqueiro, Pantanal Mato-grossense, MT.

  • Ernandes Sobreira Oliveira-Junior Universidade Federal de Mato Grosso
  • Cristina Márcia de Menezes Butakka Unemat/CELBE
  • Karl Matthias Wantzen Universidade de Konstanz, pesquisador visitante da UFMT

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de analisar a comunidade de invertebrados aquáticos da Baia do Coqueiro (Nossa Senhora do Livramento – MT, Brasil), com ênfase na família Chironomidae, considerando o regime hidrológico, o tipo de habitat e aspectos limnológicos. Essa baia recebe influencia do rio Piraim e da precipitação local e é também conectada a outros canais loticos, corixos, estabelecidos como pontos de amostragem, além da região Limnética. O estudo foi desenvolvido mensalmente, de fevereiro de 2000 a fevereiro de 2001. As variáveis físico-químicas da agua (profundidade, transparência, sólidos suspensos, oxigênio dissolvido, pH, temperatura, condutividade e alcalinidade) seguiram o padrão dado pelo regime hidrológico pantaneiro, com diferenças significativas para os meses de amostragem. Os invertebrados bentônicos totalizaram 7.566 indivíduos representados principalmente pela família Chironomidae, Nematoda e Oligochaeta e apresentaram diferenças significativas entre os meses de amostragem e locais de amostragem. Foram contabilizadas 4.540 larvas de Chironomidae, com as maiores densidades registradas no Corixão, especialmente pela contribuição da morfoespécie Aedokritus sp. (14.759 ±5591 ind/m2). Os valores do índice de diversidade foram baixos em todos os meses, variando entre 0,45 (janeiro/01) e 1,74 (novembro/00). As peculiaridades de cada ambiente influenciaram os atributos das comunidades, particularmente nas densidades numéricas no período de cheia.

Biografia do Autor

Ernandes Sobreira Oliveira-Junior, Universidade Federal de Mato Grosso
graduado em biologia pela universidade do estado de mato grosso, mestrado em ecologia pela universidade federal de mato grosso
Publicado
2014-01-20