Relação peso-comprimento e fator de condição relativo (Kn) do pirarucu Arapaima gigas Schinz, 1822 (Arapaimidae) em cultivo semi-intensivo no estado do Amazonas, Brasil

  • marcos Tavares-Dias 1Embrapa Amapá. Rodovia Juscelino Kubitschek, km 5, N° 2600, Caixa Postal: 10, 68903-419, Macapá, AP, Brasil.
  • Cleusa Suzana Oliveira Araújo Centro Universitário Nilton Lins (UNINILTONLINS), Laboratório de Zoologia Aplicada. Avenida Professor Nilton Lins, 3259. Pq. das Laranjeiras, CEP 69058-040. Manaus, AM, Brasil.
  • Ana Lúcia Silva Gomes Centro Universitário Nilton Lins (UNINILTONLINS), Laboratório de Zoologia Aplicada. Avenida Professor Nilton Lins, 3259. Pq. das Laranjeiras, CEP 69058-040. Manaus, AM, Brasil
  • Sanny Maria Sampaio Andrade Centro Universitário Nilton Lins (UNINILTONLINS), Laboratório de Zoologia Aplicada. Avenida Professor Nilton Lins, 3259. Pq. das Laranjeiras, CEP 69058-040. Manaus, AM, Brasil.

Resumo

O pirarucu Arapaima gigas (Osteoglossiformes, Arapaimidae), peixe da bacia amazônica, apresenta alta taxa de crescimento e tolerância a alta densidade de estocagem, tem rusticidade ao manuseio e aceita alimentação artificial quando treinado no início da vida, características relevantes para o cultivo de peixe. Neste estudo, a relação peso-comprimento (W=a·Lb) e o fator de condição relativo (Kn) foram estimados para alevinos, juvenis e jovens de pirarucus cultivados em piscicultura semi-intensiva no município de Manacapuru, estado do Amazonas, na Amazônia central, Brasil. Alevinos foram previamente treinados para aceitar ração comercial durante no início da vida e depois foram alimentados com ração para peixes contendo 45% de proteína bruta. A equação relação peso-comprimento mostrou crescimento do tipo isométrico, com valor da constante de regressão (b) igual 3,068. O Kn variou de 0.811 a 1.170 (média de 1.007 ± 0.059) e esses valores elevados indicaram boas condições corporais dos peixes nas condições cultivadas.
Publicado
2011-02-21