5) A negação sentencial em textos de autores brasileiros dos séculos XVIII e XIX: considerações sobre implementação, transição e origem da estrutura [NãoVNão]

  • Vivian Canella Seixas ( UFOP)
  • Mônica G. R . de Alkmim ( UFOP )

Resumo

Inglês: Negative Sentential Structures in Brazilian authors’ texts of the 18th and 19th Centuries: Innovative structure in focus
In the framework of sentential negation in Brazilian Portuguese (BP), this study analyzed and described the occurrence of sentential negative structures in the Portuguese Language of Brazil (PLB), in texts of Brazilian authors from the 18th and 19th Centuries. In a more specific way, it focused on characterizing the negative [NãoVNão], taken as an innovative form in current BP. Regarding the implementation of the structure [NãoVNão], according to our data, we found that it appeared in the writing of the PLB in the first half of the 18th Century. Concerning its transition, we described the course of the linguistic change process: from the structure [NãoV] to [NãoVNão]. Regarding its origin, we tested two semantic-pragmatic hypotheses, one presented by Biberauer and Cyrino (2009) and the other by Schwenter (2005).The theoretical-methodological framework used was the Variation Theory (LABOV, 1972; 1994).
Key words: sentential negation; Brazilian Portuguese; Portuguese Language of Brazil; innovative structure [NãoVNão].


Tradução:
No quadro da negação sentencial no Português Brasileiro (PB), este trabalho descreve e analisa as estruturas negativas sentenciais na Língua Portuguesa do Brasil (LPB) em textos de autores brasileiros dos séculos XVIII e XIX. De uma forma mais específica, procuramos caracterizar a negativa [NãoVNão], tida como forma inovadora no PB. Quanto à implementação desta estrutura, o período em que ela aparece no nosso corpus é a 1ª metade do século XVIII. Quanto à sua transição, descrevemos o percurso no processo da mudança linguística: da estrutura [NãoV] para a [NãoVNão]. No que diz respeito à sua origem, testamos duas hipóteses de ordem semântico-pragmática, propostas por Biberauer e Cyrino (2009) e por Schwenter (2005). O arcabouço teórico- metodológico adotado foi a Teoria da Variação e Mudança (LABOV,1972; 1994).
Palavras-chave: negação sentencial; português brasileiro; Língua Portuguesa do Brasil; estrutura inovadora [NãoVNão]
Publicado
2016-06-21
Seção
Artigos