A terminologia malê na religiosidade afro-brasileira

Autores

  • Samantha de Moura Maranhão Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2023.v20.42485

Palavras-chave:

Antropologia linguística. Malês. Religiões afro-brasileiras.

Resumo

Este artigo, sobre a contribuição afro-muçulmana para a religiosidade afro-brasileira, analisa o seu legado linguístico documentado no Dicionário de Cultos Afro-Brasileiros: com a indicação da origem das palavras (CACCIATORE, 1988). Busca responder à questão: “Integram a terminologia da religiosidade afro-brasileira itens lexicais designativos de práticas religiosas afro-muçulmanas?” A hipótese testada é de que são sobretudo arabismos os termos malês documentados no corpus, ainda que equivocadamente tomados por línguas oeste-africanas, como iorubá e hauçá. Na realização desta pesquisa, consideraram-se a história externa do contato do português com línguas oeste-africanas (VIANNA FILHO, 2008; REIS, 2003; DOBRONRAVIN, 2004) e estudos lexicográficos (VARGENS 2007; PESSOA DE CASTRO, 2005).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CACCIATORE, O. G. Dicionário de cultos afro-brasileiros: com indicação da origem das palavras. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1988.

CORRIENTE, F. Diccionario de arabismos y voces afines en iberorromance. 2. ed. ampl. Madrid: Gredos, 2003. [Biblioteca Románica Hispánica, Fundada por Dámaso Alonso, Diccionarios, 22]

COSTA E SILVA, A. da. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

COSTA E SILVA, A. da. Comprando e vendendo Alcorões no Rio de Janeiro do século XIX. Estudos Avançados, 18 (50), p. 285-294, 2004.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua Portuguesa. 1. ed. 2. impres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

DICMAXI Michaëlis Português: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa, Versão 1.1. Amigo do Mouse Software Ltda., set. 2000. 1CD-ROM.

DOBRONRAVIN, N. Escritos multilíngües em caracteres árabes: novas fontes de Trinidad e Brasil no século XIX. Trad. por João José Reis. Afro-Ásia, n. 31, p. 297-326, 2004.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. totalmente revista e ampliada. Versão 3.0. Rio de Janeiro: Lexikon Informática Ltda./Sonopress, 2010. 1 CD-ROM.

FERRETTI, M. Repensando o turco no tambor de Mina. Afro-Ásia, n. 15, p. 56-70, 1992.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Versão 1.0.10. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006. 1 CD-ROM.

IORDAN, I.; MANOLIU, M. Manual de lingüística románica. Revisión, reelaboración parcial y notas por Manuel Alvar. 2. reimpressión. Madrid: Gredos, 1989. v. II. p. 133-144. (Biblioteca Románica Hispánica, dirigida por Dámaso Alonso, III. Manuales, 29)

LOPES, N. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.

LOVEJOY, P. Jihad e escravidão: as origens dos escravos muçulmanos da Bahia. Topoi, Rio de Janeiro, p. 11-44, 2000.

MICHAELE, F. A. S. Arabismos entre os africanos na Bahia. Curitiba: Requião, 1968.

MONTEÏL, V. Analyse de 25 documents árabes des Malés de Bahia (1835), Bulletin de l’Institut Fondamental d’Afrique Noire, série B, 29, nos. 1-2 (1967), pp. 88-98.

NASCENTES, A. Dicionário etimológico resumido. Rio de Janeiro: INL/MEC, 1966.

NASCIMENTO, A. Salve Pai Pedra Preta: uma contribuição singela à trajetória do baba lorixá Joãozinho da Goméa. Mneme – Revista Virtual de Humanidades, n. 11, v. 5, jul./set. 2004. Disponível em: <http://www.seol.com.br/mneme>. Acesso em: 01 dez. 2012.

NOLL, V. La aglutinación del artigo árabe al en el léxico español. Disponível em: <http://www.uni-muenster.de/imperia/md/content/romanistik/noll/noll-art.pdf>. Acesso em 15 ago 2009.

PESSOA DE CASTRO, Y. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. 2.e.d Rio de Janeiro: Topbooks, 2009.

QUIRING-ZOCHE, R. Luta religiosa ou luta política? O levante dos malês da Bahia segundo uma fonte islâmica. Afro-Ásia, n. 19/20, p. 229-238, 1997.

REICHERT, R. Denominações para os muçulmanos no Sudão Ocidental e no Brasil. Afro-Ásia, n. 10/11, p. 109-120, 1970.

REICHERT, R. Os documentos árabes do arquivo do estado da Bahia. 3ª série: amuletos, exercícios de escrita, etc. – editados, transcritos, traduzidos e comentados. Afro-Ásia, n. 06/07, p. 127-132, 1968.

REICHERT, R. Os documentos árabes do arquivo público do estado da Bahia. 2ª série: orações islâmicas (não-corânicas) – editados, transcritos, traduzidos e comentados. Afro-Ásia, n. 04/05, p. 107-112, 1967.

REICHERT, R. Os documentos árabes do arquivo do estado da Bahia. 1ª série: textos corânicos – editados, transcritos, traduzidos e comentados. Afro-Ásia, n. 02/03, p. 169-176, 1966.

REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante malê de 1835. Ed. rev. e ampl. São Paulo: Companhia das letras, 2003.

REIS, J. J. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. Revista USP, n. 28, p. 14-39, dez./fev. 1995/1996.

SAPIR, E. A linguagem: introdução ao estudo da fala. Tradução e apêndice de J. Mattoso Câmara Jr. São Paulo: Perspectiva, 1980.

THORAVAL, Y. Diccionario de civilización musulmana. Barcelona: Larousse Planeta, 1996.

VARGENS, J. B. de M. Léxico português de origem árabe: subsídios para os estudos de filologia. Rio Bonito: Almádena, 2007.

VARGENS, J. B. de M.; LOPES, N. Islamismo e negritude: da África para o Brasil, da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: UFRJ, 1982.

VIANNA FILHO, L. O negro na Bahia: um ensaio clássico sobre a escravidão. Edição comemorativa ao centenário de nascimento do autor. Salvador: EDUFBA-Fundação Gregório de Matos, 2008.

Downloads

Publicado

2024-02-02

Como Citar

DE MOURA MARANHÃO, S. A terminologia malê na religiosidade afro-brasileira. Sacrilegens , [S. l.], v. 20, n. 2, 2024. DOI: 10.34019/2237-6151.2023.v20.42485. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/42485. Acesso em: 15 jun. 2024.