Tudo é vaidade

uma crítica de Coélet ao javismo deuteronomista

Autores

  • Filipe Costa Machado PUC-Rio

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2023.v20.40012

Palavras-chave:

Bíblia Hebraica, Eclesiastes, Teologia da retribuição, História de Israel

Resumo

O presente artigo tem como proposta apresentar uma crítica do livro de Eclesiastes ao javismo deuteronomista, aqui entendido como a religião que se tornou predominante na obra histórica deuteronomista, isto é, os livros históricos de Deuteronômio a Reis. Essa crítica se dá em três aspectos principais que se relacionam entre si, ou seja, a teologia da retribuição, a sabedoria e a história. Além desses, interessa a essa pesquisa a avaliação de Coélet sobre a política, como um desdobramento da sua perspectiva sobre esses três aspectos do javismo. Sendo assim, é preciso caracterizar essa corrente religiosa, bem como a relação entre a história de Israel e o relato presente na Bíblia Hebraica, para que fique clara a diferença entre essa perspectiva e aquela do Eclesiastes. Em seguida, apresenta-se a crítica do livro de Eclesiastes à teologia da retribuição, à pretensão de se saber quem Deus é e como age, isto é, a crítica à sabedoria, à história e, por fim, à monarquia e à política, como desdobramento de todas as outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDIÑACH, Pablo Rubén. Introdução Hermenêutica ao Antigo Testamento. São Leopoldo: Editora Sinodal, 2015.

BÍBLIA. Deuteronômio. Português. In: A Bíblia sagrada: antigo e novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

BÍBLIA. Eclesiastes. Português. In: A Bíblia sagrada: antigo e novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

BONORA, Antonio. Guía espiritual del Antiguo Testamento: El libro de Qohélet. Barcelona: Editorial Herder, 1994.

CAMPOS, Haroldo de. Qohélet: o que sabe Eclesiastes. São Paulo: Perspectiva, 2004.

COELHO, Bruno; CARMO, Matheus. Monarquia Unida de Israel e Judá: crítica de um conceito. Mythos – Revista do Núcleo de Estudos Multidisciplinares de História Antiga e Medieval, v. 11, p. 58-77, 2021.

ESTRADA, Juan Antonio. Las muertes de Dios. Ateísmo y espiritualidade. Madri: Trota, 2018.

FINKELSTEIN, Israel.; SILBERMAN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003.

GLASSER, Étienne. O Processo da Felicidade por Coelet. São Paulo: Paulinas, 1975.

GOTTWALD, Norman K. Introdução Socioliterária à Bíblia Hebraica. 2ª Ed. São Paulo: Paulus, 1988.

LIVERANI, Mario. Oltre la Bibbia : Storia antica di Israele. Roma: Editori Laterza, 2003.

MENDENHALL, George Emery. Ancient Israel’s Faith and History: An introduction to the Bible in context. Louisville: Westminster John Knox Press, 2001.

MOINGT, Joseph. Deus que vem ao homem. Do luto à revelação de Deus. São Paulo: Loyola, 2010.

RAD, Gerhard von. La acción de Dios en Israel. Ensayos sobre el Antiguo Testamento. Madrid: Trotta, 1996.

RAVASI, Gianfranco. Coélet. São Paulo: Paulinas, 1993.

RÖMER, Thomas. A chamada História Deuteronomista: introdução sociológica, histórica e literária. Petrópolis: Vozes, 2008.

RÖMER, Thomas. A origem de Javé: O Deus de Israel e seu nome. São Paulo: Paulus, 2016.

VÍLCHEZ LÍNDEZ, José. Eclesiastes ou Qohélet. São Paulo: Paulus, 1999.

Downloads

Publicado

2023-08-18

Como Citar

COSTA MACHADO, F. Tudo é vaidade: uma crítica de Coélet ao javismo deuteronomista . Sacrilegens , [S. l.], v. 20, n. 1, 2023. DOI: 10.34019/2237-6151.2023.v20.40012. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/40012. Acesso em: 14 jun. 2024.