A religiosidade na obra de Theo Angelopoulos

aspectos da transcendência em A eternidade e um dia (1998)

  • Carlos Eduardo Mendes de Araújo Couto Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Religião. Arte. Cinema. Angelopoulos.

Resumo

A obra tardia de Theo Angelopoulos, desenvolvida na última década de 1990, além das características políticas, possui um viés religioso ainda pouco compreendido. O objetivo desse artigo é analisar como essa religiosidade se apresenta na narrativa do cineasta grego. Usaremos como suporte autores como Mircea Eliade, Michael Bahktin, Gerard Genette e Jan Albert. Como amostra usaremos o filme A Eternidade e um dia (Mia aioniotita kai mia mera, 1998).

 

Referências

ALBERT, JAN. Unnatural Narrative. November, 2013. Revised: November, 2014. Disponível em https://www.lhn.uni-hamburg.de/node/104.html. Acesso em 10/08/2019.

ANDREW, Geoff. Theo Angelopoulos: the sweep of history. Sight and Sound, 2012. Disponível em http://old.bfi.org.uk/sightandsound/feature/49816. Acesso em 10/12/2018

AGEL, Henri. O cinema tem alma? Belo Horizonte: Itatiaia 1963.

BAKHTIN, M. Formas de tempo e de cronotopo no romance. Ensaio de poética histórica, in: Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. São Paulo: UNESP, 2010.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARONI, Raphaël; REVAZ, Françoise. Narrative Sequence in Contemporary Narratology. Ohio: The Ohio State University, 2016.

BORDWELL, David. Narration in the Fiction Film. Wisconsin: University of Wisconsin Press, 1986.

BORDWELL, David; THOMPSOM, Kristin Scott. Film Art: An introduction. 5 ed. Wisconsin: University of Wisconsin, 1997.

CAILLOIS, Roger. O Homem e o sagrado. Lisboa: Edições 70, 1950.

CIMENT, Michel. The State of Cinema. Unspoken Cinema, 2003. Disponível em: http://unspokencinema.blogspot.com/2006/10/state-of-cinema-m-ciment.html. Acesso em 10/12/2018.

ELIADE, Mircea. História das crenças e das ideias religiosas – Vol. 1. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FLANAGAN, M. Bakhtin and the Movies. New Ways of Understanding Hollywood Film. Londres: Palgrave Macmilln, 2009.

FLANAGAN, Matthew. Towards an Aesthetic of Slow in Contemporary Cinema. 16:9, nov. 2008. Disponível em: http://www.16-9.dk/2008-11/side11_inenglish.html. Acesso em 10/12/2018.

GANSER, A.; PÜHRINGER, J.; RHEINDORF, M. Bakhtin's chronotope on the road: Space, time, and place in road movies since the 1970s. Linguistics and Literature Vol. 4, No 1, 2006, pp. 1 – 17.

GAUDREAULT, Andre. & JOST, François. A narrativa cinematográfica. Brasília: UnB, 2009.

GENETTE, Gerard. Figures III. Paris: Éditions du Seuil, 1972.

GENETTE, Gerard. O Discurso da Narrativa. 3 ed. Lisboa: Veiga, 1995.

GOMBRICH, Ernst Hans. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

HERMAN, David. Limits of Order: Toward a Theory of Polychronic Narration. Narrative 6, 72–95. 1998.

HOBSBAWM, Eric J. A era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. Rev. Tec. Maria Célia Paoli. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

HORTON, Andrew. The Films of Theo Angelopoulos: a Cinema of Contemplation. Princeton: Princeton University Press, 1997.

HORTON, Andrew. The Last Modernist: the Films of Theo Angelopoulos. Trowbridge: Flicks Books, 1997.

KOUTSOURAKIS, Angelo & STEVEN, Mark. The Cinema of Theo Angelopoulos. Edinburgo: Edinburgh University Press, 2015.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Trad. Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MUNSTERBERG, Hugo. A memória e a imaginação. In: XAVIER, Ismail (org). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1991.

ORICHIO, Luiz Zanin. O cinema humanista de Theo Angelopoulos. Disponível em https://cultura.estadao.com.br/blogs/luiz-zanin/o-cinema-humanista-de-theo-angelopoulos/. Acesso em 20/04/2019.

PIEPER, Frederico. Religião e Cinema. São Paulo: Fonte Editorial, 2015.

SCHRADER, Paul. Transcendental Style in Film: Ozu, Bresson, Dreyer. Berkeley. University of California Press, 1972.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. São Paulo: Papiros, 2003.

VANOYE, Francis; GOLLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a Análise Fílmica. Campinas: Papirus, 1994.




6. Filmografia

A Eternidade e um dia. Direção: Theo Angelopoulos. São Paulo: Versátil Home Vídeo, 1998. 132 min., VHS, som, cor, legendado. (Material digitalizado).
Publicado
2020-02-28
Como Citar
MENDES DE ARAÚJO COUTO, C. E. A religiosidade na obra de Theo Angelopoulos: aspectos da transcendência em A eternidade e um dia (1998). Sacrilegens , v. 16, n. 2, p. 85-101, 28 fev. 2020.