Religião, educação e futuro: práticas escolares desafiadas pelo pluralismo, laicidade e intolerância

  • Marselha Evangelista de Souza
  • Geovane Lopes de Oliveira
  • Jorge William Falcão Junior
  • Robson César Durão
  • Laíne Tavares Miranda
  • Clera de Faria Barbosa Cunha
  • Claudia de Faria Barbosa
  • Marcos Porto Freitas da Rocha
  • José Geraldo da Rocha
  • Antônio José de Figueiredo Pinto
  • Túlio Fernandes Brum de Toledo
Palavras-chave: Religião, Educação, Desafio

Resumo

Este grupo de trabalho pretende debater os pontos de interface entre religião e educação tendo como background, o futuro. Pensamos no futuro não somente pela necessidade de estar em consonância com a temática deste evento, mas, sobretudo para assinalar a identidade que o Ensino Religioso (ER) vem assumindo nos últimos anos, fruto de discussões em grupos de trabalho e produções científicas que vem se dedicando incessantemente ao debate de questões como o lugar do Ensino Religioso na educação básica, a sua  justificativa e relevância enquanto componente curricular e, por fim, a sua formulação curricular na BNCC. Por esses motivos, o momento atual faz-se oportuno para pensar nos rumos do ER tendo em vista os desafios de uma sociedade plural, laica e muitas vezes intolerante. Esses são pontos de interface importantes na medida em que apontam para o futuro, mas que ao mesmo tempo impõem no presente desafios aos profissionais da educação que necessitam, por sua vez, de instrumentalização qualificada para o trabalho com este componente pedagógico. Neste sentido, este grupo de trabalho pretende abarcar comunicações que problematizem tanto os aspectos de ordem epistemológica quanto aqueles de ordem metodológica relacionados à abordagem da religião no espaço escolar da educação básica enquanto mais uma faceta do conhecimento que ajuda a explicar a realidade.

Referências

AZEVEDO, André Gomma de (Org.). Manual de Mediação Judicial. Conselho nacional de
justiça.6ª Edição. Brasília, DF:CNJ, 2016.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em:
01/11/2018.
BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da
Educação Nacional.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm.
Acesso em: 01/11/2018.
BRASIL. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil.Disponívelem:
. Acesso em:
01/11/2018.
BRASIL. Lei nº 13.140, de 26 de jumho de 2015. Dispõe sobre a mediação entre particulares
como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da
administração pública.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-
2018/2015/Lei/L13140.htm. Acesso em: 01/11/2018.
BURITY, Joanildo. Cultura e identidade no campo religioso. Estudos Sociedade e
Agricultura, n. 9, outubro de 1997. p. 137-177. Disponível em:
http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/nove/burity9.htm. Acesso
em: 18/11/2018.
BUSH, Robert A. Baruch; FOLGER, Joseph P. La Promesa de La Mediacion: como afrontar
elconflicto mediante la revalorizacions e o reconocimento, Trad. Aníbal Leal. Espanã:
EdicionesGranica S.A.,1996.
CANEZIN, Thays Cristina Carvalho; CANEZIN, Claudete Carvalho; CACHAPUZ, Rozane
da Rosa. Mediação nos Casos de Violência contra a Mulher. Revista do Direito Público,
Londrina, v.12, n.1, p.287-310, mai.2017.
CAVALCANTI M.T., Juliana B. Pelo ensino das religiosidades. Reflexões sobre o ensino
religioso e sobre o silêncio dos historiadores e cientistas sociais. In: SANTOS,
BabalawôIvanir dos et al. (orgs.). Intolerância religiosa no Brasil: relatório e balanço =
Religiousintolerance in Brazil: reportaccount. CEAP - Centro de Articulação de Populações
Marginalizadas. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Klíne: CEAP, 2016. p. 69-81. Disponível
em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2018/08/relatorio-final-port-2.pdf.
Acesso em: 19/11/2018.
CNE. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2/2017. Institui e
orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada
obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação
Básica. Diário Oficial da União, 22 de dezembro de 2017, Seção 1, pp. 41 a 44. Brasília, DF,
2017. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79631-
rcp002-17-pdf&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 01/11/2018.
CUNHA, Luiz Antônio. A entronização do ensino religioso na base nacional curricular
comum. Educação & Sociedade [online], n. 37. Jan-Mar. 2016. Disponível em:
http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87346374015. Acesso em 19/11/2018.
CUNHA, Luiz Antônio. Hegemonia e confronto na produção da segunda LDB: o ensino
religioso nas escolas públicas.Pro-Posições, Campinas , v. 25, n. 1, p. 141-159, Apr. 2014
.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
73072014000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23/11/2018.
DEUTSCH, Morton. A resolução do conflito. Trad. OLIVEIRA, Arthur Coimbra de.In:
AZEVEDO, André Gomma de (org.). Estudos em Arbitragem, Mediação e Negociação Vol.
3. Brasília: Grupos de Pesquisa, 2004. Disponível em http://www.arcos.org.br/livros/estudosde-arbitragem-mediacao-e-negociacao-vol3/parte-ii-doutrina-parte-especial/a-resolucao-doconflito. Acesso em: 01/11/2018.
IBGE. Censo 2010: número de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem
religião, 2012. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticiascenso?id=3&idnoticia=2170&view=noticia. Acesso em: 01/11/2018.
JABLKOWSKI, Gabriela Irina; GONZÁLES, Guillermo Mario. Configurando escenas
colaborativas em La escuela: aportes y experiências de mediación y diálogos facilitados.
Buenos Aires: 12ntes, 2011.
MDH. Ministério dos Direitos Humanos. Combate à intolerância e ao racismo religioso são
pautas prioritárias do MDH, 2017. Disponível em:
http://www.mdh.gov.br/sdh/noticias/2017/outubro/combate-a-intolerancia-e-ao-racismoreligioso-sao-pautas-prioritarias-do-mdh. Acesso em 01/11/2018.
MIRANDA, Ana Paula Mendes de; CORRÊA, Roberta de Mello; ALMEIDA, Rosiane
Rodrigues de. Intolerância religiosa: a construção de um problema público. Intolerância
Religiosa 2(1), jul-dez de 2017. Disponível em:
https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/6095/1/ana-paula-miranda_roberta-corrc3aaa_rosiane-dealmeida_intolerc3a2ncia-religiosa_a-construc3a7c3a3o-de-um-problema-pc3bablico.pdf.
Acesso em: 18/11/2018.
MOLINA, Danilo. Intolerância Religiosa e consciência negra. Brasil 247, 20/11/2018.
Disponível em:
https://www.brasil247.com/pt/colunistas/danilomolina/375531/Intoler%C3%A2nciaReligiosa-e-consci%C3%AAncia-negra.htm. Acesso em: 20/11/2018.
MOORE, Christopher W. O processo de mediação: estratégias práticas para a resolução de
conflitos. Trad. Magda França Lopes. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.
MOUFFE, Chantal. Democracy, powerandthe “Political”. In: BENHABIB, Seyla (ed.).
Democracyanddifference: Contestingtheboundariesofthepolitical.Princenton (UK): Princeton
University Press, 2016. p. 245-256.
OLIVEIRA, LuthyanaDemarchi de; SPENGLER, Fabiana Marion. O Fórum Múltiplas
Portas como política pública de acesso à justiça e à pacificação social. [Recurso digital].
Curitiba:Multideia, 2013.
POSSATO, Beatris Cristina; RODRIGUEZ-HIDALGO, Antonio; ORTEGA-RUIZ, Rosario;
ZAN, Dirce Djanira Pacheco e. O mediador de conflitos escolares: experiências na América
Latina. Psicologia Escolar e Educacional. Psicol. Esc. Educ., Maringá , v. 20, n. 2, p. 357-366, Aug. 2016. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
85572016000200357&lng=en&nrm=iso. Acessado em: 24/11/2018.
PROJETO ESCOLA DE MEDIADORES. Cartilha de mediadores: como montar esse projeto
na minha escola. Disponível em: http://www.cnmp.mp.br/conteate10/pdfs/tema4_cartilhamediadores.pdf. Acesso em: 01/11/2018.
RESENDE, Flávia Vieira de; RAMOS JÚNIOR, Ronan. A Mediação Pode Ser Uma Resposta
aos Conflitos nas Escolas. In: DUARTE, Fernanda; IORIO FILHO, Rafael Mario; FELIPE,
Ana Paula Faria; MEIRELLES, Delton. (coordenadores).Mediações: práticas, discursos e
reflexões. [Recurso digital]. Niterói: PPGSD — Programa de Pós-graduação em Sociologia e
Direito, 2017.
RESK, Felipe; TOMAZELA, José Maria; COTRIM, Jonathas. Brasil registra uma denúncia
de intolerância religiosa a cada 15 horas. O Estado de São Paulo, São Paulo, 12/11/2017.
Disponível em: https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-registra-uma-denuncia-deintolerancia-religiosa-a-cada-15-horas,70002081286. Acesso em: 01/11/2018.
RODRIGUES, Elisa. Questões Epistemológicas do Ensino Religioso: uma proposta a partir
da Ciência da Religião. Interações – Cultura e Comunidade, Belo Horizonte, Brasil, V.8
N.14, P.230-241, JUL./DEZ.2013.
SANCHIS, Pierre. Religião, cultura e identidade: matrizes e matizes. [Recurso
digital].Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.
SANTOS, BabalawôIvanir dos; NASCIMENTO, Maria das Graças O.; CAVALCANTI M.
T., Juliana B.; GINO, Mariana (organizadores). Intolerância religiosa no Brasil: relatório e
balanço = Religiousintolerance in Brazil: reportaccount. CEAP - Centro de Articulação de
Populações Marginalizadas. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Klíne: CEAP, 2016. Disponível
em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2018/08/relatorio-final-port-2.pdf.
Acesso em: 19/11/2018.
SANTOS, Luzinete Rodrigues dos; FARIA, Michelle Lopes; OLIVEIRA,Nilmair Machado de;
DADA, Pollyana Patrícia; FERREIRA, Sheilla Letícia de Castro; CARVALHO, Vanessa Pereira
de; RIBEIRO, Vívian Souza; SANT’ANNA, Vera Lúcia Lins (orientadora). A Educação
Religiosa no ensino fundamental: desafios e perspectivas à prática docente. Pedagogia em Ação,
v. 1, n. 1, p. 1—141,jan./jun. 2009 — Semestral 99.
SOARES, Afonso Maria Ligorio. A contribuição da Ciência da Religião para a formação de
docentes ao Ensino Religioso. Revista de Estudos da Religião (REVER), Vol. 15, Nº. 2, 2015.
p. 45-54. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5294038.pdf. Acesso em:
18/11/2018.
SOUSA, Francisca Roseane Franco Ribeiro de. Ensino Religioso Na Educação Escolar:
Intolerância Contra Religiões Afro-Brasileiras. Cadernos Imbondeiro. João Pessoa, v.1, n.1,
2010.
SOUZA, Bárbara FachinelliNishi de. O uso da mediação nos delitos sexuais: o resgate da
dignidade da vítima. Revista Brasileira de Ciências Criminais, Vol. 125, novembro 2016.
ABUD, K.M. O livro didático e a popularização do saber histórico. Em SILVA, M. A.
(org), Repensando História. Rio de Janeiro: Ed. Marco Zero, 1984.
ALMEIDA, LudimillaSavry dos Santos. Saberes em movimento: futuros professores de
História e seus sentidos de Antiguidade. Tese de Doutorado – UFJF, 2015.
ALVES, Ronaldo Cardoso. Aprender história com sentido para a vida: consciência
histórica em estudantes brasileiros e portugueses. Tese de Doutorado USP.
ALVES, R. O que é Religião? 6ª ed. São Paulo: Ed. Loyola, 2005.
ALVES-MAZZOTTI, A; GEWANDSZNAJDER, F. O Método nas ciências naturais e
sociais: pesquisas quantitativas e qualitativas. São Paulo: Pioneira, 2004.
ARTER, Robert / KERMODE, Frank. Guia Literário da Bíblia. São Paulo: UNESP, 1997.
BETTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: Fundamentos e métodos.2a
ed. São Paulo: Cortez, 2008.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e
quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais /
Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1998. P. 65 - 68.
DA SILVA, A. A História de Israel na Pesquisa Atual, In: FARIA, J. F. (org.) História de
Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos V.1&V.2. 2. ed. Tradução de C.
Molz e H. Trein. São Leopoldo: Sinodal, 1997.
FEINBERG, John S. Continuidade e descontinuidade: perspectivas sobre o
relacionamento entre o antigo e o novo testamento: Ensaios em homenagem ao S. Lins e
Johnson Jr. São Paulo: Hagnos, 2013.
GARELLI, P. & NIKIPROWETZKY, V. O Oriente Próximo Asiático: impérios
Mesopotâmicos – Israel. São Paulo: Pioneira, Edusp. 1982.
JÚNIOR, Alfredo Boulos. História, Sociedade e Cidadania. São Paulo: FTD, 2016.
KING, Noel, Hermeneutics, reception aesthetics , and film interpretation, In HILL, John.
; Gibson, Pamela Church., eds. The Oxford guide to film studies, Oxford, Oxford University
Press, 1998.
LEE, P.(2001): “Progressão da compreensão dos alunos em história”, Jornadas
Internacionais de Educação Histórica, Centro de Estudos em Educação e Psicologia: Braga,
p.13-17
LESSARD-HÉBERT, M; GOYETTE, G. e BOUTIN, G. Investigação Qualitativa:
fundamentos e práticas. Tradução de: REIS, M, J. 2ª ed. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.
LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História Antiga de Israel. São Paulo: Editora
Paulos, 2008.
MARIANO, Ricardo. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal.
ESTUDOS AVANÇADOS 18 (52). São Paulo: USP, 2004.
NECHI, Lucas Pydd. Educação histórica e religião: aproximações a partir de um estudo
da consciência histórica de jovens alunos. Dissertação (Mestrado em Educação) - Setor de
Educação, Universidade Federal do Paraná – Curitiba, 2011.
MIRANDA, S. R..Sob o signo da Memória: cultura escolar, saberes docentes, História
ensinada. 1. ed. São Paulo: UNESP, 2008. .
MIRANDA, S. R.; DE ALMEIRA, Fabiana Rodrigues. Memória e História em livros
didáticos de História: o PNLD em perspectiva. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 46,
p. 259-283, out./dez. 2012. Editora UFPR. Disponível em: <
http://www.scielo.br/pdf/er/n46/n46a18.pdf >.
NAPOLITANO, Marcos. Como usar a televisão em sala de aula. São Paulo: Contexto,
2008.
PEREIRA, J. S. ; MIRANDA, S. R. . Laicização e Intolerância Religiosa: desafios para a
História ensinada. Educação e Realidade, v. 42, p. 1-22, 2017.
RICOEUR, Paul. Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Edições Loyola, 2006. 17
RÜSEN, J. El desarrollo de La competência narrativa em el aprendizaje histórico. Una
hipótesis ontogenética relativa a consciência moral. Trad. Silvia Finocchio. Propuesta
Educativa, Argentina, n.7, out. 1992.
RÜSEN, J. História Viva – Teoria da História III: formas e funções do conhecimento
histórico. Brasília: Ed. UNB, 2007.
WELLHAUSEN, Julios. ProlegonemaZurGeschichteIsraels. Universidade de Troronto. <
https://archive.org/details/prolegomenazurge00well >.
BARBOSA, Rui. Obras Completas de Rui Barbosa. V. 4, t. 1, 1877a.
BARBOSA, Rui. “Prefácio” a O Papa e o Concílio. 3ª ed.). Rio de Janeiro: Elos, 1877b.
BARBOSA, Ruy. Obras Seletas, Vol. 7. Rio de Janeiro: Imprensa, 1898.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) n.
4439/Distrito Federal (DF).Relator: Roberto Barroso. Voto – Ministro Celso de Mello. Diário
Oficial da União. Brasília: DF, 2017a.p. 1-43. Disponível em:
. Acesso em:
5maio. 2018.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) n.
4439/Distrito Federal (DF).Relator: Roberto Barroso. Voto – Ministro Edson Fachin. Diário
Oficial da União. Brasília: DF, 2017b. Disponível em:

. Acesso em: 4maio 2018.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) n.
4439/Distrito Federal (DF).Relator: Roberto Barroso. Voto – Ministra Carmém Lúcia. Diário
Oficial da União. Brasília: DF, 2017c. Disponível em:
N>. Acesso em: 4 maio 2018.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) n.
4439/Distrito Federal (DF).Relator: Roberto Barroso. Voto – Ministro Alexandre de Moraes.
Diário Oficial da União. Brasília: DF, 2017d. Disponível em:
. Acesso em: 4
maio 2018.
GARGARELLA, Roberto. As teorias da justiça depois de Rawls. Um breve manual de
filosofia política. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2008.
GUALDA, Diego de Lima. Individualismo Holista: uma articulação crítica do pensamento
político de Charles Taylor. Dissertação (Mestrado em Ciências Políticas) – Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009, p. 259-
260. Disponível em: 095325/pt-br.php>. Acesso em 03 maio 2018
LAFER, Celso. A reconstrução dos Direitos Humanos: um diálogo com o pensamento de
Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
MATTOS, Patrícia. A sociologia política do reconhecimento: as contribuições de Charles
Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser. São Paulo: Annablume, 2006.
SARMENTO, Daniel. O crucifixo nos Tribunais e a laicidade do Estado. Revista Eletrônica
PRPE, v. 5, p. 1-17, 2007.
SILVEIRA, Carlos Frederico; ROCHA, Felippe Augusto da Cruz; CARDOSO, Rafael
Esteves. A ética da autenticidade na concepção multiculturalista de Charles Taylor. Lex
Humana, Petrópolis, v. 4, n. 2, 2012. p. 26. Disponível em:
5D=275&path%5B%5D=187>. Acesso em: 8 maio. 2018.
TAYLOR, Charles. A ética da autenticidade. São Paulo: É Realizações, 2011.
TAYLOR, Charles. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Lisboa:
Instituto Piaget, 1994.
TAYLOR, Charles. Multiculturalismo y la política delreconocimiento: ensaio de Charles
Taylor. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.
TAYLOR, Charles. Propósitos entrelaçados: o debate liberal-comunitário. In: TAYLOR,
Charles. Argumentos Filosóficos. São Paulo: Loyola, 2000a.
TAYLOR, Charles. A política do reconhecimento. In: TAYLOR, Charles. Argumentos
filosóficos. São Paulo: Loyola, 2000b.
Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com
deficiência. Disponível em:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf.
Novo Mapa das Religiões, elaborado pelo Centro de Políticas Sociais da FGV em 2011, com
base em dados do IBGE de 2009.
BADINTER, Elisabeth. Um é o outro; relações entre homens e mulheres. 2 ed. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 1986.
BOFF, Leonardo. Tempo de Transcendência: O Ser Humano como Projeto Infinito.
Sextante, 2000. p. 8. Publicações Eletrônicas. Lumensana. Disponível em:
. Acesso em 5
outubro 2018.
BOLEN, Jean Shinoda. As deusas e a mulher. Nova psicologia das mulheres. São Paulo:
Paulus, 1990.
BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de janeiro: Bertrand Brasil.1999.
BOSI, Eclésia. Memória e sociedade. Lembranças de velhos. 12ed. São Paulo: Companhia
das letras, 1994.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.
_______. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n. 9394. Estabelece as
diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, 1996. Disponível em: <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm > Acesso em 2 de outubro 2018.
_______, (1997). Lei n. 9.475. Dá nova redação ao art. 33 da Lei n. 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em:
< http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/l9475_97.htm > Acesso em: 14 out. 2018.
_______. (2010). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica,
2010. Parecer do Conselho Nacional de Educação. Disponível em:
para-a-educacaobasica&catid=323:orgaos-vinculados > Acesso em 14 outubro 2018.
CHAKUR, Cilene Ribeiro de Sá Leite. Fundamentos da prática docente: por uma pedagogia
ativa. Paidéia, Ribeirão Preto, n. 8-9,p. 37-52,Agosto 1995. Disponível em: 863X1995000100004&lng=en&nrm=iso >. Acesso em 6 novembro 2018.
CURY, Carlos Roberto Jamil. Ensino religioso na escola pública: o retorno de uma polêmica
recorrente. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 27, dez. 2004 . Disponível
em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
24782004000300013&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em 10 outubro 2018.
DOTIER, Jean-Francois. Dicionário de Ciências Humanas. Revisão e coordenação da
tradução Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
MIRELLA, Faur. O Anuário da Grande Mãe: guia prático de rituais para celebrar a
Deusa. 2ed. São Paulo: Gaia, 2001.
MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2002.
ROSADO-NUNES, Maria José. Gênero e Religião. Estudos Feministas. Florianópolis,
13(2): 363 - 365, maio - agosto/2005. Disponível em:
. Acesso em 5 outubro 2018.
PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. (PCN) Ensino Religioso. Fórum
Nacional Permanente do Ensino Religioso. São Paulo: Mundo Mirim, 2009.
PRIETO, Claudiney. Todas as Deusas do mundo. Rituais Wiccanianos para celebrar a
Deusa em suas diferentes fazes. São Paulo: Ardane, 2015.
VALLE, Llian do. A escola imaginária. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.
VIESSER, Lizete Carmem. Um paradigma para o ensino religioso. Petrópolis, RJ: Vozes,
1994.
MACHADO, Ana Maria. Menina bonita do laço de fita. São Paulo: Ática, 1988.
MARTINS, Adilson. Lendas de Exu. Rio de Janeiro: Pallas, 2005.
MIRANDA, Ana Paula Mendes de. Entre o privado e o público: considerações sobre a
(in)criminação da intolerância religiosa no Rio de Janeiro. Anuário Antropológico, Vol. 35, n.
2, p. 125-152, dez. 2010. UNB – Departamento de Antropologia, Brasília, 2010.
QUINTANA, Eduardo. Intolerância Religiosa na Escola: O que professoras filhas de santo
têm a dizer sobre esta forma de violência. In: Revista Fórum Identidades ITABAIANA:
GEPIADDE, ano 07, vol. 14, p. 127-140, jul./dez. 2013.
______. No terreiro também se educa: relação candomblé-escola na perspectiva de
candomblecistas. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense,
Niterói, 2012.
ROCHA, José Geraldo da; ALBUQUERQUE, Gabriela Girão de. Cultura afro-brasileira na
escola e a intolerância religiosa. In: MONTEIRO, Rosana Batista (Org.). Práticas
pedagógicas para o ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena no
ensino médio. Seropédica: Evangraf, 2013, p. 113-131.
ROCHA. Marcos Porto Freitas da. Discriminação e intolerância religiosa: desafios ao ensino
religioso. Dissertação (Mestrado em Humanidades Culturas e Artes) – UNIGRANRIO,
Duque de Caxias, 2016.
ROCHA, M. P. F. da.; ROCHA, J. G. Análise da experiência de docentes de religiões afrobrasileiras. Anais do XXI Congresso Nacional de Linguística e Filologia: Textos Completo,
TOMO I, p. 333 – 345, Rio de Janeiro, 2017.
SIMMEL, Georg. Questões fundamentais de sociologia. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2006.
VOGEL, Arno; MELLO, Marco Antonio da Silva; BARROS, José F. P. Galinha d'Angola:
Iniciação e Identidade na Cultura Afro-Brasileira. 3a ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2007.
ANDRADE, Clodomir. A Não Dualidade do Um (brahmãdvaita) e a Não Dualidade do
Zero (sunyatãdvaya)na ìndia Antiga. Tese (Doutorado em Ciência da Religião) –
Faculdade de Ciências da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora,
2013.
BHAKTIVEDANTA, A.C. Swami. Além do nascimento e da morte. 8º ed. São Paulo:
Fundação Bhaktivedanta, 1997.
CÂMARA, Hélder. Mil razões para viver. Civilização Brasileira, 1985. CHENG,
Anne. História do Pensamento Chinês. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. CHUNG,
Tsai C. Zen em quadrinhos. 3 ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.
CULLER, Jonathan. Sobre a Desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Trad.
Patrícia Burrowes. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997.
DERRIDA. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1971.
. A farmácia de Platão. Trad. Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras. 2005.
. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.
. O animal que logo sou. São Paulo: Unesp, 2002.
ELIADE, Mircea e Ioan P. Couliano. Dicionário das religiões. Tradução de Ivone Castilho
Benedetti. 2º Ed; São Paulo: Martins Fontes, 1999.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 1972.
. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins, 1966.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2017.
LAO TSE. Tao te ching: o livro do caminho e da virtude. Rio de Janeiro: Mauad,
1998.
PASSOS, João Décio. Ensino religioso, construção de uma proposta. São Paulo: Paulinas.
(Coleção Temas do Ensino Religioso – Pressupostos), 2007.
PESSOA, Fernando. Poesia de Alberto Caeiro. Assírio & Alvim, 2009. SHANKARA.
A Jóia Suprema do Discernimento. Editora: Pensamento, 1997. YOSHINORI,
Takeushi. A Espiritualidade Budista. São Paulo: Perspectiva, 2006.
ZIMMER, Heinrich R. Filosofias da Índia. Compilado por Joseph Campbell; tradução
Nilton Almeida Silva, Cláudia Giovani Bozza e participação de Adriana Facchini de
Césare; versão final Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 1986.
Como Citar
EVANGELISTA DE SOUZA, M.; LOPES DE OLIVEIRA, G.; FALCÃO JUNIOR, J. W.; DURÃO, R. C.; TAVARES MIRANDA, L.; DE FARIA BARBOSA CUNHA, C.; DE FARIA BARBOSA, C.; PORTO FREITAS DA ROCHA, M.; DA ROCHA, J. G.; DE FIGUEIREDO PINTO, A. J.; FERNANDES BRUM DE TOLEDO, T. Religião, educação e futuro: práticas escolares desafiadas pelo pluralismo, laicidade e intolerância. Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.