Resiliência e Capacidade de Suporte do Parque Estadual do Ibitipoca (MG)

Criação de uma nova Metodologia de Capacidade de Carga

  • Cézar Henrique Barra Rocha Universidade Federal de Juiz de Fora / Faculdade de Engenharia / Departamento de Transportes e Geotecnia / Núcleo de Análise Geo Ambiental https://orcid.org/0000-0003-1321-158X
  • Wesley Badoco do Vale
  • Luiz Fernando de Paula Castro
  • José Martins Paravidino
  • Ana Luíza Fortes da Silva
  • Tamires de Oliveira Prado
  • Fábio Jacob da Silveira
Palavras-chave: Monitoramento Ambiental. Áreas Protegidas. Manejo de Trilhas. Indicadores de Impacto. Ecoturismo

Resumo

A pressão sobre áreas naturais tem aumentado devido ao modelo artificial disponível nas grandes cidades adensadas com concreto e asfalto e desprovidas de áreas verdes. O parque mais visitado de Minas Gerais é o Parque Estadual do Ibitipoca (PEIb), local ímpar e frágil por suas formações em quartzito e que precisa ser monitorado quanto aos impactos das visitações. Apesar da resiliência ao longo dos anos, é necessário medir a sua capacidade de suporte. Este trabalho apresenta a metodologia criada pelo NAGEA a partir da incorporação de novos elementos à Metodologia de Cifuentes (1992) com intuito de conseguir uma melhor adaptação à realidade brasileira. O novo método traz consigo a criação do fator de correção raízes expostas; alteração no fator acessibilidade através da classificação de rampas médias de 10% para 12%; acréscimo da vegetação lateral no fator de correção brilho solar; a conversão de ocorrências pontuais em lineares; e o uso da distância inclinada ao invés da horizontal. Em abril de 2019 no PEIb, foram monitorados os três roteiros disponíveis à visitação: Janela do Céu, Pico do Pião e Águas. Com o uso de receptores GNSS, as trilhas foram mapeadas e ocorrências como alagamentos, desgaste superficial do solo, raízes expostas e trechos com cobertura vegetal. Os dados foram processados, traçando a planta e o perfil longitudinal de cada trilha, determinando as rampas. Com a aplicação da metodologia, foi obtido os seguintes resultados:  959 visitantes diários em todo PEIb, sendo 152 no Circuito das Águas, 457 no Circuito Janela do Céu e 360 no Circuito Pico do Pião. Contudo, as metodologias de capacidade de suporte não são um fim em si, sendo apenas balizadora para estratégias mais abrangentes e integradas com o planejamento e o monitoramento de indicadores de impactos nas áreas protegidas.

Referências

CIFUENTES, M. Determinación de Capacidad de Carga Turística em Áreas Protegidas. Centro Agronômico Tropical de Investigación y Ensenãnza - CATIE, Turrialba, Costa Rica, 1992.
EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Práticas de Conservação de Solo e Água. Circular Técnica, Campina Grande, PB. 2012. 24p
FONTOURA, L. M. & SIMIQUELI, R. F. Análise da capacidade de carga antrópica nas trilhas do Circuito das Águas do Parque Estadual do Ibitipoca, MG. Monografia (especialização). Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG. 2006. 80p.
PECCATIELLO, A. F. O. Análise Ambiental da capacidade de carga antrópica na trilha do Circuito do Pião - Parque Estadual do Ibitipoca, MG. Monografia (especialização). Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, MG. 2007.
ROCHA, C. H. B.; FONTOURA, L. M.; SIMIQUELI, R. F.; PECCATIELLO, A. F. O. Análise ambiental da capacidade de carga antrópica nas trilhas dos Circuitos das Águas e Pico do Pião - Parque Estadual do Ibitipoca, MG. II Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidades de Conservação e I Congresso Nacional de Ecoturismo (CONECOTUR). Itatiaia, RJ, 2007.
ROCHA, C. H. B.; HOLDERBAUM, L. S.; SILVA, T. M. Análise Ambiental da Capacidade de Carga Antrópica no Roteiro Travessia Petrópolis-Teresópolis no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, RJ. In: VIII Encontro de Pesquisadores do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Teresópolis, RJ, ICMBIO, 2010.
ROCHA, C.H.B.; GUILARDUCCI, B. C.; ALMEIDA, H. G.; COELHO, N. R.; CORTAT, L.F.; Análise da capacidade de carga em trilha do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (MG) através da consideração das raízes expostas. II Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas (II CNPMT) e I Colóquio Brasileiro da Red Latinoamericana de Senderismo. UERJ, PPGEO, GEA. LAGEPRO, RJ, 2013.
ROCHA, C.H.B; SILVA. A. L. F.; SILVEIRA, F. J.; VALE, W. B.; CASTRO, L. F. P.; MENDONÇA, P. G. Monitoramento dos impactos no Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Relatório 1. NAGEA. Juiz de Fora, MG, 2018, 42p.
ROCHA, C. H. B. ; VALE, W. B. ; CASTRO, L. F. P. ; SILVA, A. L. F. ; SILVEIRA, F. J. ; MENDONÇA, P. G. ; PRADO, T. O.; PARAVIDINO,J. M. Resiliência e capacidade de suporte do Parque Estadual do Ibitipoca (MG). XXV Semic UFJF, Juiz de Fora. 2019a.
ROCHA, C. H. B.; SILVA, A. L. F.; VALE, W. B.; CASTRO, L. F. P.; SILVEIRA, F. J.; PRADO, T. O.; PARAVIDINO, J. M.; MENDONÇA, P. G. Comparação entre metodologias de capacidade de suporte: aplicação na conservação das trilhas do Parque Estadual do Ibitipoca. V Simpósio Brasileiro de Biologia da Conservação, Barbacena, MG, 2019b.
ROCHA, C. H. B.; CASTRO, L. F. P; VALE, W. B. Em busca de uma metodologia de capacidade de suporte em trilhas: aplicação no Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Congresso Internacional de Engenharia Ambiental e 10ª Reunião de Estudos Ambientais, Porto Alegre, 2020, ISBN 978-8-56-030898-9, Anais no Prelo.
SILVA, A.L.F. Capacidade de Suporte do Circuito das Águas, Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Mestrado em Geografia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, 2020,183p.
VIANA, F. M. F. Indicadores biológicos, físicos e sociais de impacto ambiental: caracterização e aplicação para as trilhas do Parque Estadual de Ibitipoca. Mestrado em Ecologia, UFJF, Juiz de Fora, MG, 2010, 129p.
Publicado
2020-10-30
Como Citar
Barra Rocha, C. H., do Vale, W. B., Castro, L. F. de P., Paravidino, J. M., da Silva, A. L. F., Prado, T. de O., & da Silveira, F. J. (2020). Resiliência e Capacidade de Suporte do Parque Estadual do Ibitipoca (MG): Criação de uma nova Metodologia de Capacidade de Carga. Principia: Caminhos Da Iniciação Científica, 20, 12. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/principia/article/view/31005
Seção
Artigos originais - Engenharias e Ciência da Computação