Os circuitos da midiatização da saúde: sentidos emergentes sobre Síndrome de Turner

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2024.v18.40093

Palavras-chave:

Midiatização, Produção de sentido, Síndrome de Turner, Comunicação e Saúde, Circuitos

Resumo

Na ambiência da midiatização, as informações sobre saúde não estão restritas aos meios de comunicação tradicionais ou aos médicos. Há uma maior preocupação dos indivíduos em produzir e disseminar saberes sobre doenças que muitas vezes passam despercebidas pelos profissionais da área da saúde, ou seja, os pacientes ganham mais autonomia. Por meio de referenciais teóricos sobre midiatização e plataformas digitais, e através de posts e comentários da página do Facebook da organização TSGA, o artigo visa responder ao questionamento: de que forma pacientes com Síndrome de Turner (ST) e seus familiares produzem sentidos nos posts da página do Facebook da TSGA? Identificamos que as estratégias comunicacionais da organização não atingem seus objetivos sozinhas. É por meio da circulação exacerbada executada pelos seguidores que a TSGA se torna uma ONG reconhecida e a síndrome ganha contornos reais. Assim, compreendemos que a midiatização da saúde vai além do contribuir com o compartilhamento e a disseminação de informações que antes estavam nas mãos dos médicos, ela é fundamental para uma inserção social dos pacientes, para a construção de uma rede de contato e para a tornar a ST algo real, que vai além do que é dito nos livros e pelos profissionais da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Falchi, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Mestra em Política Social e Direitos Humanos pela Universidade Católica de Pelotas.

Referências

ANORMALIDADE. In: Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, On-line. Ed. Melhoramentos. 2022. Disponível em: https://bit.ly/4aWD39e. Acesso em: 2 mar. 2022.

BRAGA. J. L. O que a comunicação transforma? In: BRAGA, J. L. et al. Dez perguntas para a produção de conhecimento em comunicação. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2013, p. 156-172.

BRAGA, J. L. Comunicação, disciplina indiciária. Matrizes, v. 1, n. 2, p. 73-88, 2008. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v1i2p73-88.

COMPASSIVO. In: Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. On-line. Ed. Melhoramentos. 2022. Disponível em: https://bit.ly/3JCnt6E. Acesso em: 2 mar. 2022.

COULDRY, N.; HEPP, A. A construção mediada da realidade. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2020.

ESPERTO. In: Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. On-line. Ed. Melhoramentos. 2022. Disponível em: https://bit.ly/4aU7sVB. Acesso em: 2 mar. 2022.

FERREIRA, J; LIMA, B. A extimidade em blogs: nova forma de Inteligibilidade, entre a participação e as regulações (ou, a ambiência emocional como saber transformador dos corpos em casos sobre o Câncer). In: FLICHY, P.; FERREIRA, J.; AMARAL, A. Redes digitais: um mundo para os amadores: Novas relações entre mediadores, mediações e midiatizações. Santa Maria: Facos-UFSM, 2016, p. 77-96.

GOMES, P. G. Midiatização: um conceito, múltiplas vozes. Revista Famecos, v. 23, n. 2, ID22253, 2016. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.2.22253.

KERCKHOVE, D. Connected intelligence for the civil society: the internet as a social limbic system. Spanda Journal, v. 2, p. 71-77, 2014. Disponível em: https://bit.ly/4bapgvo. Acesso em: 9 ago. 2020.

LARANJEIRA, C. et al. Síndrome de Turner. Acta Pediátrica Portuguesa, v. 41, n. 1, p. 38-43, 2010. Disponível em: https://cutt.ly/pmo8MRK. Acesso em: 21 out. 2020.

MAGNÍFICO. In: Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. On-line. Ed. Melhoramentos. 2022. Disponível em: https://bit.ly/49SBIih. Acesso em: 2 mar. 2022.

MILAGRE. In: Michaelis: Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. On-line. Ed. Melhoramentos. 2022. Disponível em: https://bit.ly/3UBiF7L. Acesso em: 2 mar. 2022.

NARRATIVES of health and identity: Danielle Spencer with Andrew Solomon. 1 vídeo (57 min 01s). Publicado pelo canal Columbia SPS. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-aGQjL24wKI. Acesso em: 01 ago. 2020.

NATIONAL ORGANIZATION FOR RARE DISEASES. Turner Syndrome, Dunbury [2019?]. Disponível em: https://rarediseases.org/rare-diseases/turner-syndrome/. Acesso em: 8 jun. 2021.

O QUE é a Síndrome de Turner? Por Juliana Gabriel. 1 video (12 min 55 s). Publicado pelo canal Endocrinologia para Todos. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=g1ZDgO7mhd8&t=50s. Acesso em: 4 jul. 2021.

RABINOW, P. Essays on the anthropology of reason. Princeton: Princeton University Press, 1996.

RODRIGUES, J. C. Saúde e doença por um prisma significacional. In: SACRAMENTO, I.; SANCHES, J. C. Dispositivos de subjetivação: saúde, cultura e mídia. Rio de Janeiro: Multifoco, 2019, p. 43-56.

ROSE, N. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

SOUZA, R. A percepção visual de fontes tipográficas em textos online, 2001. 153 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001. Disponível em: https://tede.ufsc.br/teses/PEPS2072-D.pdf. Acesso em: 13 dez. 2023.

TURNER SYNDROME SOCIETY OF THE UNITED STATES. About Turner Syndrome, Houston [2018?]. Disponível em: https://bit.ly/3Qi9bf1. Acesso em: 1 abr. 2021.

TURNER SYNDROME GLOBAL ALLIANCE. Página do Facebook. 2024. Disponível em: https://web.facebook.com/TSGAlliance/. Acesso em: 22 abr. 2024.

VERÓN, E. Fragmentos de um tecido. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2004.

WANDERLEY, C. et al. Desenvolvimento sexual e cognitivo das portadoras da síndrome de Turner. Ciências & Cognição, v. 2, p. 61-74, 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cc/v2/v2a07.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

ZHANG, Y.; DAN, H.; SANG, Y. Facebook as a Platform for Health Information and Communication: A Case Study of a Diabetes Group. Journal of Medical Systems, v. 37, n. 3, 2013. DOI: https://doi.org/10.1007/s10916-013-9942-7.

ZHAO, S. Internet and the lifeworld: updating Schutz’s theory of mutual knowledge. Information Technology & People, v. 20, n. 2, p. 140-160, 2007. DOI: https://doi.org/10.1108/09593840710758059.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

FALCHI, M. do C. Os circuitos da midiatização da saúde: sentidos emergentes sobre Síndrome de Turner . Lumina, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 24–41, 2024. DOI: 10.34019/1981-4070.2024.v18.40093. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/40093. Acesso em: 22 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos