Reflexões sobre a importância do pânico sexual para a ascensão do bolsonarismo ao poder

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2022.v16.39039

Palavras-chave:

Bolsonarismo, Pânico Sexual, Monstros Morais Contemporâneos, Heteronormatividade, Midiatização

Resumo

Com a finalidade de problematizar narrativas acríticas que creditam a ascensão do bolsonarismo ao poder como um efeito de discursos espontâneos e estrategicamente desarticulados, refletimos sobre a importância da mobilização afetiva pela manutenção das hierarquias de gênero e sexualidade para o fortalecimento desse movimento político. Nesse contexto, o trabalho examina alguns dos processos comunicacionais por meio dos quais políticas sexuais endossadas pelos governos petistas (2003-2016) foram estigmatizadas como ameaças ideológicas orquestradas por anormalidades perversas e degeneradas. O objetivo é investigar a publicação, feita por Jair Bolsonaro, de conteúdos digitais que normatizam a heterossexualidade como uma dimensão natural e constitutiva da existência humana para a midiatização do pânico sexual na cultura brasileira contemporânea. Por meio da análise histórico-processual de 12 postagens compartilhadas na página do então deputado federal no Facebook, foi observado que as formas de subjetivação que alimentam o fenômeno aqui investigado são estabelecidas por meio de três eixos discursivos: 1) os interesses perversos petistas na desconstrução da heteronormatividade; 2) os perigos da inclusão da ideologia de gênero nas escolas públicas do ensino básico; 3) a iminente ameaça pedófila encarnada pelo monstro moral contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allan Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ), com estágio doutoral na Université Paris 8 (LEGS - Laboratoire d’Études de Genre et de Sexualité). Pesquisador integrante do Núcleo de Estudos e Comunicação, História e Saúde (NECHS - Fiocruz/UFRJ).

Referências

ALMEIDA, R. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos Estudos (Cebrap), v. 38, n. 1, p. 185-213, 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/nec/a/rTCrZ3gHfM5FjHmzd48MLYN/?lang=pt>. Acesso em: 23 set. 2022.

ALVES, M. Desarranjo da visibilidade, desordem informacional e polarização no Brasil entre 2013 e 2018. 2019. 399f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019. Disponível em: <https://app.uff.br/riuff/handle/1/15381>. Acesso em: 23 set. 2022.

BECKER, H. Outsiders: studies in the sociology of deviance. Nova York: Free Press, 1963.

BOLSONARO, J. Grande vitória da família na comissão especial que discute o Plano Nacional de Educação. Brasil, 22 abr. 2014. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3XG26Hh>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. Vereadores e pais/mães não deixem o PT estimular a pedofilia nas escolas. Brasil, 8 jun. 2015a. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3F6W1wn>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. Porta aberta para a pedofilia. Brasil, 23 jun. 2015b. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3XCO49j>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. Malafaia / Bolsonaro: alguns deputados do PT / PSOL querem castrar seu filho de 12 anos. Brasil, 27 jun. 2015c. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3ALvq5q>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. Absurdo: PT sinaliza legalizar pedofilia. Brasil, 14 jul. 2015d. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3Vy4nm0>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. A família no pensamento marxista. Brasil, 9 set. 2015e. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3OIu7Kh>. Acesso em: 23 set. 2022.

BOLSONARO, J. Direitos “superiores” da criança / lobby da pedofilia. Brasil, 9 dez. 2015f. Facebook: jairmessias.bolsonaro. Disponível em: <http://bit.ly/3Uen25n>. Acesso em: 23 set. 2022.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Discursos e Notas Taquigráficas Câmara dos Deputados. Brasília, On-line, 30 nov. 2010a. Disponível em: http://bit.ly/3U5yVuo>. Acesso em: 23 set. 2022. [Discurso do deputado Jair Bolsonaro].

BRASIL. Câmara dos Deputados. Discursos e Notas Taquigráficas Câmara dos Deputados. Brasília, On-line, 8 dez. 2010b. Disponível em: <http://bit.ly/3iciVJL>. Acesso em: 23 set. 2022. [Discurso do deputado Jair Bolsonaro].

BRASIL. Câmara dos Deputados. Discursos e Notas Taquigráficas Câmara dos Deputados. Brasília, On-line, 14 dez. 2010c. Disponível em: <http://bit.ly/3u9AxIM>. Acesso em: 23 set. 2022. [Discurso do deputado Jair Bolsonaro].

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, [1990] 2003.

CARRARA, S. Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. Bagoas – Estudos Gays: Gênero e Sexualidades, v. 4, n. 5, p. 131-149, 2010. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2316>. Acesso em: 23 set. 2022.

CARRARA, S. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil contemporâneo. Mana, v. 21, n. 2, p. 323-345, 2015. DOI: <https://doi.org/10.1590/0104-93132015v21n2p323>.

COHEN, S. Folk devils and moral panics: the creation of mods and rockers. Londres: MacGibbon and Kee, [1972] 2002.

FOUCAULT, M. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, [1974-1975] 2018.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, [1976] 2014.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, [1978-1979] 2008.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, [1963] 1981.

GOLDSTEIN, A. O sucesso das “guerras culturais” na campanha de 2018: Bolsonaro no Facebook e Instagram. Inter-legere, v. 2, n. 26, [s.p], 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/20148>. Acesso em: 23 set. 2022.

IRVINE, J. Transient feelings: sex panics and the politics of emotions. In: HERDT, G. (ed.). Moral panics, sex panics: fear and the fight over sexual rights. Nova York: NY University Press, 2009, p. 234-276.

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LOWENKRON, L. O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. 2012. 382 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://objdig.ufrj.br/72/teses/778656.pdf>. Acesso em: 23 set. 2022.

MAITINO, M. “Direita, sem vergonha”: conformações no campo da direita no Brasil a partir do discurso de Jair Bolsonaro. Plural, v. 25, n. 1, p. 111-134, 2018. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.149018>.

MARACCI. J. G. Reflexões sobre verdade e política: mapeando controvérsias do kit gay. 2018. 170 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e Institucional) - Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/handle/10183/201276>. Acesso em: 23 set. 2022.

MARTINO, L. Rumo a uma teoria da midiatização: exercício conceitual e metodológico de sistematização. Intexto, n. 45, p. 16-34, 2019. DOI: <https://doi.org/10.19132/1807-858320190.16-34>.

MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. Ideologia de Gênero: notas para a genealogia de um pânico sexual contemporâneo. Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, p. 725-747, 2017. DOI: <https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3203008>.

NASCIMENTO, L. et al. “Não falo o que o povo quer, sou o que o povo quer”: 30 anos (1987-2017) de pautas políticas de Jair Bolsonaro nos jornais brasileiros. Plural, v. 25, n. 1, p. 135-171, 2018. DOI:<https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.149019>.

PIAIA, V.; NUNES, R. Política, entretenimento e polêmica. Bolsonaro nos programas de auditório. IESP nas eleições, 8 ago. 2018. Disponível em: <http://18.218.105.245/politica-entretenimento-e-polemica-bolsonaro-nos-programas-de-auditorio/>. Acesso em: 23 set. 2022.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROCHA, J. C. Guerra cultural e retórica do ódio: crônicas de um Brasil pós-político. Goiânia: Editora e Livraria Caminhos, 2021.

RUBIN, G. Pensando o sexo. In: RUBIN, G. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu Editora, [1984] 2017, p. 63-128.

SACRAMENTO, I; SANTOS, A. A revisão da noção de pânico moral nos Estudos Culturais: hegemonia, cultura midiática e representação. Parágrafo, v. 7, n. 1, p. 31-47, 2020. Disponível em: <https://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/910/0>. Acesso em: 23 set. 2022.

SANTOS, A; SACRAMENTO, I; SANCHES, J. C. Boy Erased: pânico sexual, intolerância e vigilância no Brasil contemporâneo. In: HELLER, B.; CAL, D.; ROSA, A. P (org.). Midiatização (in)tolerância e reconhecimento. Salvador: EDUFBA, 2020, p. 287-309.

SCHWARCZ, L. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SODRÉ, M. Antropológica do Espelho: Uma teoria linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

SODRÉ, M. A Ciência do Comum: Notas para o Método Comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

VANCE, C. Pleasure and danger: exploring female sexuality. Boston: Routledge and Kegan Paul, 1984.

WATNEY, S. Policing desire: pornography, Aids and the media. Mineápolis: University of Minnesota Press, [1987] 1996.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

SANTOS, A. Reflexões sobre a importância do pânico sexual para a ascensão do bolsonarismo ao poder. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 92–111, 2022. DOI: 10.34019/1981-4070.2022.v16.39039. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/39039. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos