Jornal Nacional e as estratégias enunciativas da transmissão televisiva pelo Globoplay

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2022.v16.38855

Palavras-chave:

Telejornalismo, Televisualidade, Semiótica, Jornal Nacional, Globoplay

Resumo

O presente trabalho tem como objeto de investigação as estratégias enunciativas utilizadas na exibição do Jornal Nacional por meio da plataforma de streaming e vídeos Globoplay. Com o desenvolvimento e a popularização da internet, o telejornalismo passou a poder ser visto de diversas formas, dentre elas, via plataformas de streaming, que são acessadas por outros dispositivos, além do meio televisivo, tais como os desktops. Partindo-se do princípio que o telejornalismo é resultante da lógica da programação televisiva e da articulação de dispositivos expressivos próprios desse meio, busca-se compreender como esse gênero tem se adaptado nesse ecossistema midiático. O Jornal Nacional no Globoplay foi tomado como objeto de investigação, tendo em vista seus históricos índices de audiência e prestígio na grade televisiva aberta nacional. O propósito é analisar de que modo as estratégias discursivas garantem efeitos de sentido de atualidade, de simultaneidade, de imediatismo, de verdade e de objetividade próprias do discurso telejornalístico também fora do meio televisivo. A partir dos referenciais teórico e metodológico da semiótica discursiva de linha francesa a análise concentrou-se nas estratégias enunciativas das projeções temporais instauradas na interface “Agora na TV” acessada via desktop durante a exibição do Jornal Nacional, tendo em vista que, pela necessidade de atualidade noticiosa, esse gênero está estreitamente atrelado à questão do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Silvia Lopes Davi Médola, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Livre-docente em Comunicação Televisual, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp).

Monielly Barbosa do Carmo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp).

Referências

BARROS, D. P. Teoria Semiótica do Texto. 4. ed. São Paulo: Ática, 2005.

BECKER, B. Televisão e telejornalismo: transições. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

BOLTER, J. D.; GRUSIN, R. Remediation: understanding New Media. Cambridge: MIT Press, 2000.

FECHINE, Y. Televisão e presença: uma abordagem semiótica da transmissão direta. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 2005.

GREIMAS, A. J.; COURTÈS, J. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.

GREIMAS, A. J. A enunciação (uma postura epistemológica). Arquivo em formato digital (pdf), 2016 [1974]. Disponível em: <https://semiotica.fflch.usp.br/sites/semiotica.fflch.usp.br/files/u45/enunciacao-Greimas.pdf>. Acesso em: 20 set. 2021.

GUTMANN, J. F. Formas do Telejornal: linguagem televisiva, jornalismo e mediações culturais. Salvador: Edufba, 2014.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969.

KILPP, S. Mundos televisivos e sentidos identitários na TV. Cadernos IHU Idéias, n. 7, p. 1-22, 2003. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/images/stories/cadernos/ideias/007cadernosihuideias.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2022.

KILPP, S. Televisualidades em interfaces contemporâneas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba. Anais [...]. São Paulo: Intercom 2017, p. 1-15 Disponível em: <http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-1170-1.pdf>. Acesso em: 17 out. 2020.

KILPP, S. Imagem-duração e teleaudiovisualidades na internet. Curitiba: Appris, 2018a.

KILPP, S. Sentidos identitários paradoxais de TV na internet. Significação, v. 45, n. 50, p. 278-296, 2018b. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.140894>.

KILPP, S. Tele-visões em interfaces contemporâneas. Revista Famecos, v. 25, n. 3, p. 1-15, 2018c. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.3.28757>.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. 2. ed. São Paulo: Editora Senac, 2001.

MANOVICH, L. Banco de Dados. Revista ECO-Pós, v. 18, n. 1, p. 7-26, 2015. Disponível em: <https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/2366>. Acesso em: 9 ago. 2021.

TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005a.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo. A tribo jornalística - uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005b.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

MÉDOLA, A. S. L. D. .; CARMO, M. B. do. Jornal Nacional e as estratégias enunciativas da transmissão televisiva pelo Globoplay. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 37–52, 2022. DOI: 10.34019/1981-4070.2022.v16.38855. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/38855. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos