25 de janeiro, 12h28: a memória da tragédia da Vale em Brumadinho, ao vivo no MG1

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2022.v16.38466

Palavras-chave:

Brumadinho, Mineradora Vale, Telejornalismo local, Acontecimento público

Resumo

Às 12 horas, 28 minutos e 25 segundos do dia 25 de janeiro de 2019, a Barragem 1, localizada na mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), se rompeu. A tragédia ocorreu no horário em que é apresentado o telejornal MG1, da Globo Minas. Por meio da Análise da Materialidade Audiovisual (COUTINHO, 2016; 2020), verificamos como o MG1 cobriu os três primeiros aniversários do rompimento da barragem, no que diz respeito à memória, às fontes consultadas, ao discurso de emoção e se houve a discussão de problemas públicos relacionados ao acontecimento. Os resultados indicam que as entradas ao vivo mencionaram homenagens às vítimas, como a chamada dos ausentes, o toque do silêncio e o lançamento de balões; familiares de vítima desaparecida e de vítima localizada e um bombeiro foram entrevistados; e os discursos transmitiram sentimentos de horror, pesar, compaixão, raiva e agradecimento. Além disso, o único momento em que os vídeos registraram aspectos relacionados a problemas públicos foi em 2022, quando uma repórter citou ações preventivas da Vale em outras de suas barragens. Pesquisas futuras podem investigar como o jornalismo tem tratado os problemas públicos relacionados a barragens, a emoção de jornalistas e o discurso de renovação da Vale no processo de reparação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Rodrigo Arratia Concha, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Integrante do grupo de pesquisa Transverso; bolsista CAPES DS.

Referências

AMARAL, M. F.; MOTTA, J. O papel das vítimas nas narrativas jornalísticas sobre o desastre em Mariana. Lumina, v. 12, n. 2, p. 40-58, 2018. DOI: <https://doi.org/10.34019/1981-4070.2018.v12.21516>.

BABO, I. O acontecimento e os seus públicos. Comunicação & Sociedade, v. 23, p. 218-235, 2013. DOI: <https://doi.org/10.17231/comsoc.23(2013).1623>.

BABO-LANÇA, I. Acontecimento e memória. In: FRANÇA, V. R. V.; OLIVEIRA, L. (orgs.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, 2012, p. 55-65.

BATISTA, L. C.; MUSSE, C. F. Vozes de Brumadinho: o lugar do depoimento na narrativa audiovisual da grande reportagem multimídia do Estado de Minas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 42., 2019, Belém. Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2019, p. 1-15. Disponível em: <https://portalintercom.org.br/anais/nacional2019/resumos/R14-0925-1.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2022.

BRYMAN, A. Social research methods. 4. ed. Oxford: Oxford University Press, 2012.

CARNIELLI, F. Z. Comunicação pública e comunicação cínica na trama acontecimental das tragédias de Mariana e Brumadinho. 2021. 313 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/handle/10183/231841>. Acesso em: 18 jul. 2022.

CARVALHO, G. Vídeo mostra o momento exato em que a barragem da Vale se rompe em Brumadinho. G1 Minas, Belo Horizonte, 1 fev. 2019. Disponível em: <https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/02/01/video-mostra-o-momento-exato-em-que-barragem-da-vale-rompe-em-brumadinho.ghtml>. Acesso em: 18 jul. 2022.

CEFAÏ, D. Públicos, problemas públicos, arenas públicas…: o que nos ensina o pragmatismo (parte 1). Novos Estudos - CEBRAP, v. 36, n. 1, p. 187-213, 2017. DOI: <https://doi.org/10.25091/s0101-3300201700010009>.

COUTINHO, I. O telejornalismo narrado nas pesquisas e a busca por cientificidade: a análise da materialidade audiovisual como método possível. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2016, p. 1-15. Disponível em: <https://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-3118-1.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2022.

COUTINHO, I. Um método em fluxo: análise da materialidade audiovisual como percurso possível. In: EMERIM, C. (org.). Metodologias de pesquisa em telejornalismo: o jornalismo para telas. Florianópolis: Insular, 2020, p. 171-181.

COUTINHO, I.; MATA, J. A atuação do repórter na cobertura televisiva de tragédias: o olhar do jornalista como testemunha do fato que enuncia. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 10, n. 2, p. 379-398, 2013. DOI: <https://doi.org/10.5007/1984-6924.2013v10n2p379>.

CRUZ, I. T. S. Mar de lama, ondas de boatos: especulação e estereotipia na cadeia rumorosa pós-rompimento de barragem em Brumadinho, MG. In: CONGRESSO BRASILEIRO CIENTÍFICO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E DE RELAÇÕES PÚBLICAS, 14., 2020, On-line. Anais [...]. São Paulo: Abrapcorp, 2020, p. 1-15. Disponível em: <https://abrapcorp2.org.br/site/manager/arq/oIgefYBLvP_Abrapcorp_GT4_2020_MardeLama,OndasdeBoatos_ASSINADO.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2022.

CUNHA, R. C.; BRANDÃO, M. D. De problemas sociais a problemas públicos: o caso dos atingidos pela barragem Figueiredo em Potiretama/CE. Estudos de Sociologia, v. 1, n. 25, p. 75-110, 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/243755>. Acesso em: 18 jul. 2022.

FERREIRA, P. Brumadinho tem Dia das Mães de dor e tristeza para famílias. O Tempo, Contagem, 12 mai. 2019. Disponível em: <https://www.otempo.com.br/cidades/brumadinho-tem-dia-das-maes-de-dor-e-tristeza-para-familias-1.2180249>. Acesso em: 19 jul. 2022.

GERK, C.; BARBOSA, M. Jornalismo, memória e testemunho: uma análise do tempo presente. Contracampo, v. 37, n. 1, p. 150-167, 2018. DOI: <https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.1076>.

HOLLADAY, S. J. Crisis communication strategies in the media coverage of chemical accidents. Journal of Public Relations Research, v. 21, n. 2, p. 208-217, 2009. DOI: <https://doi.org/10.1080/10627260802557548>.

MAIA, M. R. O uso crítico da memória nas narrativas jornalísticas sobre o rompimento da barragem da Vale. Famecos, v. 27, e34278, p. 1-13, 2020. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.34278.

MAIA, R. C. M. Visibilidade midiática e deliberação pública. In: GOMES, W.; MAIA, R. C. M. (orgs.). Comunicação e democracia: problemas & perspectivas. São Paulo: Paulus, 2008, p. 165-194.

MARTINO, L. M. S.; RAVELLI, F. A comunicação de valores éticos na interação entre público e organizações: um estudo das postagens da Vale sobre o caso de Brumadinho. Vozes e Diálogo, v. 18, n. 2, p. 130-144, 2019. Disponível em: <https://periodicos.univali.br/index.php/vd/article/view/15411>. Acesso em: 18 jul. 2022.

MENIN, R. T. Definições para “tragédia” com base nos usos midiáticos do termo e com as contribuições da história. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 17., 2019, Goiânia. Anais [...]. Brasília: SBPJor, 2019, p. 1-16. Disponível em: <http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2019/paper/viewFile/1945/1114>. Acesso em: 18 jul. 2022.

MG1. Brumadinho vive dia de luto e homenagens um ano após rompimento de barragem da Vale (MG TV 1ª edição). Globoplay, [s.l.], On-line, 25 jan. 2020. Disponível em: <https://globoplay.globo.com/v/8265757/>. Acesso em: 18 jul. 2022.

MG1. Horário da tragédia em Brumadinho é lembrado por amigos e parentes (MG TV 1ª edição). Globoplay, [s.l.], On-line, 25 jan. 2021. Disponível em: <https://globoplay.globo.com/v/9207820/>. Acesso em: 18 jul. 2022.

MG1. Homenagens lembram os 3 anos da tragédia da Vale em Brumadinho que matou 270 pessoas (MG TV 1ª edição). Globoplay, [s.l.], On-line, 25 jan. 2022. Disponível em: <https://globoplay.globo.com/v/10239156/>. Acesso em: 18 jul. 2022.

MIRANDA, P. A. S.; PINNA, A. F. Um desastre midiatizado: uma análise televisual da cobertura do "MG1" sobre o rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 43., 2020, On-line. Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2020, p. 1-13. Disponível em: <https://portalintercom.org.br/anais/nacional2020/resumos/R15-2840-1.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2022.

NEGRINI, M.; REDÜ, N. S. O relato testemunhal na cobertura do Jornal Hoje à tragédia de Brumadinho: reflexões a partir dos modos de endereçamento. Paradoxos, v. 6, n. 1, p. 143-159, 2021. DOI: <https://doi.org/10.14393/par-v6n1-2021-55873>.

NOVAK, J. M.; VIDOLOFF, K. G. New frames on crisis: citizen journalism changing the dynamics of crisis communication. International Journal of Mass Emergencies and Disasters, v. 29, n. 3, p. 181-202, 2011. Disponível em: <http://www.ijmed.org/articles/583/>. Acesso em: 18 jul. 2022.

OLIVEIRA, I. L.; MOREIRA, J. Storytelling no ciberjornalismo: possibilidades e complexidades do jornalismo feito na web. Esferas, n. 17, p. 77-86, 2020. DOI: <https://doi.org/10.31501/esf.v0i17.11299>.

OLIVEIRA, V. V.; MENDES, C. M. Entre o inteligível e o sofrimento: análise da comunicação oficial da Samarco e da Vale imediatamente após o rompimento das barragens em Mariana (2015) e Brumadinho (2019). In: CONGRESSO BRASILEIRO CIENTÍFICO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E DE RELAÇÕES PÚBLICAS, 13., 2019, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Abrapcorp, 2019, p. 1–15. Disponível em: <http://abrapcorp2.org.br/site/manager/arq/(cod2_22798)VanessaVeigaOliveira_GT1_Abrapcorp2019.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2022.

PANTTI, M. Crisis and disaster coverage. In: VOS, T. P.; HANUSCH, F.; DIMITRAKOPOULOU, D.; GEERTSEMA-SLIGH, M.; SEHL, A. (orgs.). The international encyclopedia of journalism studies. Hoboken: Wiley Blackwell, 2019, p. 1-8.

QUÉRÉ, L. Entre facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos, n. 6, p. 59-75, 2005.

RODRIGUES, L. Ministro Fachin devolve ação penal de Brumadinho para Justiça mineira. Agência Brasil, Rio de Janeiro, 6 jun. 2022. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2022-06/ministro-fachin-devolve-acao-penal-de-brumadinho-para-justica-mineira>. Acesso em: 19 jul. 2022.

SEEGER, M. W.; SELLNOW, T. L. Narratives of crisis: telling stories of ruin and renewal. Stanford: Stanford University Press, 2016.

SILVA, T. Acontecimento e problemas públicos: elementos para uma crítica da cobertura jornalística. Rumores, v. 12, n. 23, p. 83-105, 2018. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2018.144927>.

TENENBOIM-WEINBLATT, K. Bridging collective memories and public agendas: toward a theory of mediated prospective memory. Communication Theory, v. 23, n. 2, p. 91-111, 2013. DOI: <https://doi.org/10.1111/comt.12006>.

TENENBOIM-WEINBLATT, K.; NEIGER, M. Journalism and memory. In: WAHL-JORGENSEN, K.; HANITZSCH, T. (orgs.). The handbook of journalism studies. 2. ed. Nova York: Routledge, 2020, p. 420-434.

TRÜMPER, S.; NEVERLA, I. Sustainable memory: how journalism keeps the attention for past disasters alive. Studies in Communication | Media, v. 2, n. 1, p. 1-37, 2013. DOI: <https://doi.org/10.5771/2192-4007-2013-1-1>.

ULMER, R. R.; SELLNOW, T. L. Discourse of renewal: understanding the theory’s implications for the field of crisis communication. In: FRANDSEN, F.; JOHANSEN, W. (orgs.). Crisis communication. Berlim: De Gruyter, 2020, p. 165-175.

VALE. Quem somos. Vale, [s.l.], On-line. Disponível em: <http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/Paginas/default.aspx>. Acesso em: 18 jul. 2022.

WAHL-JORGENSEN, K. An emotional turn in journalism studies? Digital Journalism, v. 8, n. 2, p. 175-194, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1080/21670811.2019.1697626>.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

CONCHA, W. R. A. . 25 de janeiro, 12h28: a memória da tragédia da Vale em Brumadinho, ao vivo no MG1. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 53–70, 2022. DOI: 10.34019/1981-4070.2022.v16.38466. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/38466. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos