Memória e imaginário da Covid-19 no Jornal Nacional: o hospital no cotidiano midiatizado

Autores

  • Denise Cristina Ayres Gomes Universidade Federal do Maranhão https://orcid.org/0000-0002-6303-5775
  • Renata Rezende Ribeiro Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.34587

Palavras-chave:

Memória, Imaginário, Cotidiano Midiatizado, Hospital, Pandemia

Resumo

O artigo pertence a uma pesquisa ampliada que investiga a representação da pandemia da Covid-19 no Brasil como fotografia de um país atravessado pelo imaginário da morte (incluindo sua banalização). A partir de fragmentos audiovisuais, por meio de reportagens do Jornal Nacional, nas edições do mês de janeiro de 2021, a proposta, neste texto, é refletir sobre o hospital como constructo simbólico, levando em conta a narrativa midiatizada do cotidiano brasileiro, que é sintoma (e se torna memória) de um país em crise. O objetivo é demonstrar como tais narrativas organizam e desorganizam estruturas de sentido, constituindo um imaginário coletivo (MAFFESOLI; SILVA) de uma época. Para fins heurísticos, a metodologia combina percurso bibliográfico, pesquisa exploratória e análise de conteúdo, levando em conta a base teórica de narrativa (segundo RICOEUR), considerando-a como mediação que desenvolve a materialidade do sentido da própria experiência. No corpus de 36 ocorrências, verificamos que as câmeras devassam o espaço hospitalar, evidenciando o que até então concernia à intimidade: os doentes e mortos são espiados de formas dramáticas e celebratórias. As narrativas midiáticas revelam o imaginário disruptivo que será, em parte, constituidor da memória da nação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Cristina Ayres Gomes, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Comunicação Social (PUCRS). Professora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Maranhão/campus Imperatriz.

Renata Rezende Ribeiro, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Comunicação (UFF). Professora e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano da Universidade Federal Fluminense. 

Referências

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. São Paulo: Unesp, 2014.

BAMBRA, Clare et al. The COVID-19 pandemic and health inequalities. J. Epidemiol. Community Health, v. 74, n. 11, p. 964–968, nov. 2020. DOI: 10.1136/jech-2020-214401.

BARBOSA, Marialva. Gripe espanhola: fluxos encadeados de memória e lapidação das lembranças. Reciis – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p.820-831, out./dez 2020. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i4.2105.

BARBOSA, Marialva . O dia em que o Brasil parou: a morte de Tancredo Neves como cerimônia midiática. Comunicação & Informação, Goiânia, v. 7, n. 1, p. 63-79, jan./jun. 2004. DOI: <https://doi.org/10.5216/c&i.v7i1.24283>.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova. Sob o nome de real: imaginário no jornalismo e no cotidiano. Porto Alegre: Armazém Digital, 2007.

BAUDRILLARD, Jean. Tela total: mito-ironias do virtual e da imagem. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

BERCITO, Diogo. Pandemia democratizou poder de matar, diz autor da teoria da 'necropolítica'. Folha de S. Paulo, São Paulo, 30 mar. 2020. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/pandemia-democratizou-poder-de-matar-diz-autor-da-teoria-da-necropolitica.shtml>. Acesso: 24 mai. 2021.

CASTORIADIS, Cornelius. Le monde morcelé: les carrefours du labyrinthe. Paris: Seuil, 2000. v. 3.

CAMUS, Albert. A Peste. Rio de Janeiro: Editora Record, 2017.

CENTRO DE PESQUISAS E ESTUDOS DE DIREITO SANITÁRIO (CEPEDISA); CONECTAS DIREITOS HUMANOS. Direitos na Pandemia – Mapeamento e Análise das Normas Jurídicas de Resposta à Covid-19 no Brasil. Cepedisa; Conectas Direitos Humanos, São Paulo, 21 jan. 2021. Disponível em: <https://www.conectas.org/wp-content/uploads/2021/03/Boletim_Direitos-na-Pandemia_ed_10.pdf>. Acesso: 25 mai. 2021.

COURTINE, Jean-Jacques. O chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDUSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999.

DEMENECH, Lauro Miranda et al. Desigualdade econômica e risco de infecção e morte por COVID-19 no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 23, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200095.

EMERIM, Cárlida, PEREIRA, Ariane, COUTINHO, Iluska (orgs.). A (re)invenção do telejornalismo em tempos de pandemia. Florianópolis, SC: Editora Insular, 2020.

FABIANI, Jean-Noël. A fabulosa história do hospital: da idade média aos dias de hoje. 4. ed. Porto Alegre: L&PM, 2020.

FIGUEIREDO, Alexandre Medeiros de et al. Social determinants of health and COVID-19 infection in Brazil: an analysis of the pandemic. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 73, supl. 2, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0673.

FOUCAULT, Michel. O nascimento do hospital. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 20. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

FOUCAULT, Michel. Direito de morte e poder sobre a vida. In: FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2011. p. 145-174.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. São Paulo: Vozes, 2021.

HARARI, Yuval Noah. Notas sobre a pandemia: e breves lições para o mundo pós-coronavírus. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

JN. Jornal Nacional. Rio de Janeiro: Rede Globo, 01 janeiro 2021. Programa de TV.

JN. Jornal Nacional. Rio de Janeiro: Rede Globo, 05 janeiro 2021. Programa de TV.

JN. Jornal Nacional. Rio de Janeiro: Rede Globo, 14 janeiro 2021. Programa de TV.

JN. Jornal Nacional. Rio de Janeiro: Rede Globo, 20 janeiro 2021. Programa de TV.

JN. Jornal Nacional. Rio de Janeiro: Rede Globo, 24 janeiro 2021. Programa de TV.

MAFFESOLI, Michel. É na galáxia do imaginário que desenvolvemos a convivência. (Prefácio). In: GUTFREIND, Cristiane Freitas; SILVA, Juremir Machado da; JORON, Philippe. (orgs.). Laço social e tecnologia em tempos extremos: imaginário, redes e pandemia. Porto Alegre: Sulina, 2020, p. 7-9.

MARX, Karl. O Dezoito Brumário de Louis Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2006.

MATHEUS, Leticia. Paul Ricoeur e a narrativa além do gênero discursivo. Galáxia, São Paulo, n. 46, 2021. DOI: <https://doi.org/10.1590/1982-2553202147550>

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). História e evolução dos hospitais. Rio de Janeiro: MS, 1965. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_08.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). Covid-19 no Brasil. Brasília: MS, 2021. Disponível em: <https://qsprod.saude.gov.br/extensions/covid-19_html/covid-19_html.html.>. Acesso em: 14 jun. 2021.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo: N-1 Edições, 2020.

MUSSE, Christina Ferraz; MUSSE, Mariana Ferraz. Telejornalismo e pandemia: as narrativas emergentes em tempos extremos. In: GUTFREIND, Cristiane Freitas; SILVA, Juremir Machado da; JORON, Philippe. (orgs.). Laço social e tecnologia em tempos extremos: imaginário, redes e pandemia. Porto Alegre: Sulina, 2020, p. 97-113.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Discurso de abertura do Diretor-Geral da OMS na 148ª sessão do Conselho Executivo. Genebra, 18 jan. 2021a. Disponível em: <https://www.who.int/director-general/speeches/detail/who-director-general-s-opening-remarks-at-148th-session-of-the-executive-board>. Acesso: 25 mai. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Global situation, Genebra, 2021b. Disponível em: <https://covid19.who.int/>. Acesso: 13 jul. 2021.

RIBEIRO, Renata Rezende. A morte midiatizada: como as redes sociais atualizam a experiência do fim da vida. Niterói, RJ: EDUFF, 2015.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa: a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2010.

SCHWARCZ, Lilia; STARLING, Heloisa. A bailarina da morte: a gripe espanhola no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

SILVA, Juremir Machado. Tecnologias do imaginário. 3 ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SILVA, Juremir Machado . Aura e imaginário: produção em revista. Porto Alegre: Sulina, 2021.

VACINA contra Covid-19: países ricos reservam doses e deixam países pobres sem, adverte aliança. BBC, [S.l.], 9 dez. 2020. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-55247361>. Acesso: 25 fev. 2021.

VIDAL, Bertrand. Repetição, alteridade radical e realidade desativada: a diplopia das imagens dos eventos-catástrofe. In: GUTFREIND, Cristiane Freitas; SILVA, Juremir Machado da; JORON, Philippe. (orgs.). Laço social e tecnologia em tempos extremos: imaginário, redes e pandemia. Porto Alegre: Sulina, 2020, p. 79-93.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

AYRES GOMES, D. C.; REZENDE RIBEIRO, R. Memória e imaginário da Covid-19 no Jornal Nacional: o hospital no cotidiano midiatizado . Lumina, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 103–119, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.34587. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34587. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História, Memória, Comunicação – entre crises e críticas