Reunião conceitual no filme A separação: Desafios e astúcias das dialéticas da tragédia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.34453

Palavras-chave:

Asghar Farhadi, cinema iraniano, tragédia, Hegel, dialética

Resumo

Partindo da filosofia de G. W. F. Hegel, nomeadamente de sua ideia sobre a modernidade enquanto tempo de separações, bem como de seus escritos acerca da arte e da tragédia — sobretudo no que concerne à figura de Antígona —, este artigo investiga as operações cinematográficas empreendidas pelo diretor persa Asghar Farhadi no filme A separação (2011), vencedor do Oscar e de três prêmios no Festival de Berlim. Entende-se, para tanto, a obra não em continuidade com um cinema metarrealista e autorreflexivo característico do Irã nos anos 1990, mas antes em ruptura, como um retorno contemporâneo ao trágico. Esse regresso, em vez de simplesmente obedecer aos esquemas narrativos herdados da Grécia, insere-se no terreno de uma arte construída por distâncias e intervalos inaugurados por enquadramento e montagem. Nessa lógica, para além de seu referente imediato, um conflito judicial entre marido e esposa, a “separação” do título se universaliza, dizendo também respeito a processos entre indivíduo e Estado, vida e morte, diferenças de gênero e de classe ou, em última instância, à dialética fundadora do audiovisual, entre o audível e o visível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Chataignier, PUC-Rio

Professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da PUC-Rio, doutor em filosofia e pesquisador associado ao departamento de filosofia da Universidade Paris 8.

Luiz Baez, PUC-Rio

Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio

Referências

BADIOU, A. Cinema. Malden: Polity, 2013.

BADIOU, A. Pequeno manual de inestética. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

BERNARDET, J.-C. Caminhos de Kiarostami. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

DANTO, A. O descredenciamento filosófico da arte. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

DE BOER, K. On Hegel. Londres: Macmillan, 2010.

ERFANI, F. Iranian Cinema and Philosophy. New York: Palgrave, 2012.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HEGEL, G. W. F. Cursos de Estética I. São Paulo: EDUSP, 2015.

HEGEL, G. W. F. Cursos de Estética IV. São Paulo: EDUSP, 2004.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. Petrópolis: Vozes, 1992.

HEGEL, G. W. F. Lectures on the History of Philosophy. Londres: Routledge & Kegan Paul Ltd, 2016.v. 2

HEGEL, G. W. F. Phénoménologie de l’esprit I. Paris: Aubier, 1975.

HEGEL, G. W. F. Phénoménologie de l’esprit II. Paris: Aubier, 1983.

HEGEL, G. W. F. Princípios da Filosofia do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HYPPOLITE, J. Génesis y estrutura de la Fenomenologia del Espíritu de Hegel. Barcelona: Península, 1974.

LACOSTE, J. A filosofia da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

MARX, K. O Capital: Livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.

NAFICY, H. A Social History of Iranian Cinema: The Globalizing Era, 1984–2010. Durham: Duke University Press Books, 2012.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

RANCIÈRE, J. As distâncias do cinema. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RANCIÈRE, J. A fábula cinematográfica. Campinas: Papirus Editora, 2013.

A SEPARAÇÃO. Direção: Asghar Farhadi. Irã: Imovision, 2011. 1 DVD (123 min), son, color.

SZONDI, P. Ensaio sobre o trágico. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

VERNANT, J.-P.; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

CHATAIGNIER, G.; BAEZ, L. Reunião conceitual no filme A separação: Desafios e astúcias das dialéticas da tragédia. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 22–36, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.34453. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34453. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História, Memória, Comunicação – entre crises e críticas