Tensionamentos discursivos da infertilidade masculina: bioprodutos, cuidados de si e engajamento moral na paternidade ativa desde a concepção

Autores

Palavras-chave:

Comunicação, Consumo, Fertilidade, Masculinidade, Tecnologias Reprodutivas

Resumo

A partir do pressuposto de que homens e mulheres são convocados para o consumo das tecnologias reprodutivas de formas diferenciais, o artigo tem como objetivo discutir como a infertilidade masculina é discursivamente construída pela imprensa e pelos materiais de divulgação das clínicas de fertilidade brasileiros, em uma busca realizada em seus respectivos sites em 2021. A partir dos pressupostos metodológicos da Análise do Discurso, é possível observar que o mercado das tecnologias reprodutivas para os homens é mediado por meio de três vertentes discursivas relacionadas: (1) aos elementos defeituosos do corpo como passíveis de uma intervenção médica socialmente legitimada, que traz subjacente uma responsabilização do indivíduo que deve buscar transformar o biológico em bioprodutos; (2) uma orientação para a vida saudável por intermédio de um discurso do cuidado de si vinculado ao engajamento moral do sujeito na paternidade; e (3) no discurso sobre o envolvimento em práticas vinculadas a um “reproempreendedorismo” de sucesso, que espelha o sonho de ter filhos a outros elementos de êxito na vida. Transversalizadas por discursos neoliberais, tais materializações comunicacionais encontram reverberações em demandas relacionadas a formas mais ativas de paternidade desde a concepção urdindo-as a imperativos da masculinidade hegemônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliza Bachega Casadei, Escola Superior de Propaganda e Marketing - São Paulo

Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (PPGCOM ESPM).

Referências

ARTFÉRTIL. Recife, 2021. Site da clínica de fertilidade ArtFértil. Disponível em: <https://artfertil.com.br/infertilidade-masculina>. Acesso em: 1 abr. 2021.

BAJEUX, C. Managing masculinities. Doctors, men, and men’s partners facing male infertility in France and French-speaking Switzerland (c. 1890-1970). International Journal for Masculinity Studies, v. 15, n. 3, p. 235-250, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1080/18902138.2020.1805887>.

BALDWIN, K. Conceptualizing women’s motivations for social egg freezing and experience of reproductive delay. Sociology of Health and Illness, v. 40, n. 5, p. 859-873, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1111/1467-9566.12728>.

BORLOT, A.; TRINDADE, Z. As tecnologias de reprodução assistida e as representações sociais de filho biológico. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, p. 63-70, 2004. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000100008>.

BUTE, J. et al. Politicizing personal choices? The storying of age-related infertility in public discourses. In: HAYDEN, S.; HALLSTEIN, L. (eds.). Contemplating maternity in an era of choice. Maryland: Lexington, 2010, p.49-69.

CEFERP. Ribeirão Preto, 2021. Site do Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto. Disponível em: <https://ceferp.com.br/relatos-de-casos/sou-um-papai-com-azoospermia-venci-a-falta-de-espermatozoides>. Acesso em: 1 abr. 2021.

CINCO mitos e verdades sobre a infertilidade. A Gazeta, Vitória, On-line, 18 fev. 2021. Disponível em: <https://www.agazeta.com.br/revista-ag/vida/cinco-mitos-e-verdades-sobre-a-infertilidade-0221>. Acesso em: 1 abr. 2021.

CONNELL, R. W. Masculinities. Berkley: University of California Press, 2005.

CONRADO ALVARENGA. São Paulo, 2021. Site da clínica de fertilidade Conrado Alvarenga. Disponível em: <https://www.conradoalvarenga.com.br>. Acesso em: 1 abr. 2021.

CULLEY, L.; HUDSON, N.; LOHAN, M. Where are all the men? The marginalization of men in social scientific research on infertility. Reproductive BioMedicine, v. 27, n. 3, p. 225-235, 2013. DOI: <https://doi.org/10.1016/j.rbmo.2013.06.009>.

DANIELS, C. R. Exposing men. Oxford: Oxford University Press, 2006.

DSZ. São Paulo, 2021. Site da clínica de fertilidade DSZ Infertilidade. Disponível em: <http://www.dszinfertilidademasculina.com.br>. Acesso em: 1 abr. 2021.

FERRAZ, A.; CORRÊA, M. Fertilidade masculina pode ser afetada por diversos fatores e exige hábitos saudáveis. Folha de Pernambuco, Recife, On-line, 1 mar. 2021. Disponível em: <https://www.folhape.com.br/noticias/fertilidade-masculina-pode-ser-afetada-por-diversos-fatores-e-exige/174307>. Acesso em: 1 abr. 2021.

FLETCHER, R. Reproductive consumption. Feminist Theory, v. 7, n. 1, p. 27-47, 2006. DOI: <https://doi.org/10.1177/1464700106061453>.

GOMES, M. As materialidades e seus discursos. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 16, n. 46, p. 271-290, 2019. DOI: <http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v16i46.1958>.

INFERTILIDADE: 40% dos diagnósticos são dos homens, segundo OMS. G1, [S.l], On-line, 9 mar. 2021. Disponível em: <https://g1.globo.com/ms/mato-grosso-do-sul/noticia/2021/03/09/um-outro-olhar-infertilidade-40percent-dos-diagnosticos-sao-dos-homens-segundo-oms.ghtml>. Acesso em: 1 abr. 2021.

KROLØKKE, C. Big sperm. The making of the (new) male repro-consumer. International Journal for Masculinity Studies, v. 15, n. 3, p.172-188, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1080/18902138.2020.1720335>.

KROLØKKE, C.; DICKINSON, E.; FOSS, K. The placenta economy. European Journal of Women’s Studies, v. 25, n. 2, p.138-153, 2016. DOI: <https://doi.org/10.1177/1350506816679004>.

KROLØKKE, C.; PANT, S. ‘I only need her uterus’: neo-liberal Discourses on Transnational Surrogacy. Nordic Journal of Feminist and Gender Research, v. 20, n. 4, p. 233-248, 2012. DOI: <https://doi.org/10.1080/08038740.2012.729535>.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos Discursos. Curitiba: Criar, 2005.

MAZZILLI, P. Vida esterilizada: reflexões biopolíticas sobre as estratégias de comercialização de sêmen no Banco California Cryobank. 2017. 240 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20736>. Acesso em: 19 abr. 2021.

MILLÉO, A. Alimentação influencia qualidade e mobilidade dos espermatozoides. Gazeta do Povo, Curitiba, On-line, 1 jun. 2020. Disponível em: <https://www.semprefamilia.com.br/saude/alimentacao-influencia-qualidade-e-mobilidade-dos-espermatozoides>. Acesso em: 1 abr. 2021.

MOHR, S.; ALMELING, R. Men, masculinities, and reproduction. International Journal for Masculinity Studies, v. 15, n. 3, p.163-171, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1080/18902138.2020.1831156>.

POLLO, L. Infertilidade masculina ainda é tabu e precisa ser investigada. Estadão, São Paulo, On-line, 12 ago. 2017. Disponível em: <https://emais.estadao.com.br/noticias/bem-estar,infertilidade-masculina-ainda-e-tabu-e-precisa-ser-investigada-afirma-especialista,70001933111>. Acesso em: 1 abr. 2021.

PRADO, J. A. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: EDUC, 2013.

RABINOW, P.; ROSE, N. O conceito de biopoder hoje. Política e Trabalho, v. 24, p. 27–57, 2006. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6600>. Acesso em: 1 abr. 2021.

RAMÍREZ-GÁLVEZ, M. Corpos fragmentados e domesticados na reprodução assistida. Cadernos Pagu, v. 1, n. 33, p. 83-115, 2009. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-83332009000200004>.

RIGGS, D.; DUE, C. A Critical Approach to Surrogacy. Londres: Taylor & Francis, 2019.

ROSE, N. A política da própria vida. São Paulo: Paulus, 2013.

RUDRAPPA, S. Conceiving Fatherhood: Gay Men and Indian Surrogate Mothers. In: INHORN, M.; CHAVKIN, W.; NAVARRO, J. A. (eds.). Globalized Fatherhood. Oxford: Berghahn, 2014, p. 291-311.

TANAKA, A. C. A.; ALVARENGA, A. T. Tecnologias e medicalização na concepção e anticoncepção. In: GALVÃO, L.; DÍAZ, J. (orgs.). Saúde sexual e reprodutiva no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1999.

VÁZQUEZ, G. Imperfeições no papel: a infertilidade nas páginas da Revista Pais & Filhos. Revista Estudos Feministas, v. 26, n. 1, p. 1-14, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/1806-9584.2018v26n144155>.

VIDA BEM VINDA. São Paulo, 2021. Site da clínica de fertilidade Vida Bem Vinda. Disponível em: <http://www.vidabemvinda.com.br/blog/infertilidade-masculina-quais-sao-os-tratamentos-disponiveis>. Acesso em: 1 abr. 2021.

XAVIER, E. É possível ter filhos após o tratamento de câncer de próstata? GQ, [S.l], On-line, 8 nov. 2020. Disponível em: <https://gq.globo.com/Corpo/Saude/noticia/2020/11/fertilidade-e-possivel-ter-filhos-apos-o-tratamento-de-cancer-de-prostata.html>. Acesso em: 1 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

CASADEI, E. B. Tensionamentos discursivos da infertilidade masculina: bioprodutos, cuidados de si e engajamento moral na paternidade ativa desde a concepção. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 42–60, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34047. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos