Net-ativismo e plataformas digitais em contexto pandêmico no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Net-ativismo, Plataformização, Covid-19, Plataformas digitais, Ação comunitária

Resumo

O presente artigo pretende realizar uma análise inicial do papel desempenhado pelas plataformas digitais no enfrentamento à Covid-19 em comunidades periféricas do Brasil em um contexto de disputas de narrativas e ausências de ações e diretrizes governamentais coordenadas. A partir da discussão sobre “net-ativismo” e plataformização, buscou-se compreender como as plataformas, junto às infraestruturas existentes pré-pandemia, auxiliaram nas mobilizações coletivas e auto-organizadas contra o novo coronavírus, possibilitando a constituição de formas de participação e de ativismo com a colaboração entre entidades humanas e não-humanas de maneira alternativa às ações estatais. Para isso, a pesquisa centrou-se no estudo de caso de dois ecossistemas formados pela sociedade civil nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro (primeiras cidades no país a registrarem casos da infecção do vírus): a campanha “Maré diz NÃO ao Coronavírus”, iniciativa da Redes da Maré, no Rio de Janeiro, e as articulações das comunidades paulistas de Paraisópolis e Heliópolis. A análise ocorreu nos meses de abril e junho de 2020, por meio do acesso às plataformas públicas de cada experiência e o cruzamento de dados secundários, como materiais de comunicação e divulgação, as redes sociais dos projetos e matérias jornalísticas sobre as iniciativas. Com isso, identificamos que essas experiências, com o auxílio das tecnologias e plataformas digitais, foram capazes de desenvolver trabalhos em frentes como monitoramento do índice de contágio e isolamento da população, criação de redes de arrecadação e distribuição de alimentos, disseminação de informações sobre a Covid-19, entre outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Madureira Ferreira, Pesquisador do Centro Internacional de Pesquisa Atopos/USP.

Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP. Pesquisador do Centro Internacional de Pesquisa Atopos/USP.

Rita Nardy, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Ciências da Comunicação pela ECA/USP. Pesquisadora do Centro Internacional de Pesquisa Atopos/USP. 

Matheus Soares Cruz, Universidade de São Paulo

Mestre em Ciências da Comunicação pela pela ECA/USP. Pesquisador integrante do Centro Internacional de Pesquisa Atopos/USP.

Massimo Di Felice, Universidade de São Paulo

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP. Professor livre-docente da ECA/USP. Coordenador do Centro Internacional de Pesquisa Atopos/USP. 

Referências

ACCOTO, C. In data time and tide: a surprising philosophical guide to our programmable future. Milão: Bocconi University Press, 2018.

DI FELICE, M. Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume, 2009.

DI FELICE, M. Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. São Paulo: Paulus Editora, 2017.

FOX, N. Money, markets and trade caused coronavirus pandemic. Sociology lens, [S.l], On-line, 2020. Disponível em: <https://www.sociologylens.net/topics/political-economic-sociology/money-markets-trade-caused-coronavirus-pandemic/29787>. Acesso em: 5 mai. 2020.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Krenak, A. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KUMMITHA, R. K. R. Smart technologies for fighting pandemics: The techno-and human-driven approaches in controlling the virus transmission. Government Information Quarterly, v. 37, n.3, p. 1-11, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1016/j.giq.2020.101481>.

LATOUR, B.; SZTUTMAN, R.; POUGY, H.; PINHEIRO, J.; MARRAS, S. Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. Revista de Antropologia, v. 57, n. 1, p. 11-31, 2014. DOI: <https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87702>.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 2013.

MACEDO, Y.; ORNELLAS, J.; BONFIM, H. Covid-19 no Brasil: o que se espera para população subalternizada? Revista Encantar, v. 2, p. 1-10, 2020. DOI: <http://dx.doi.org/10.5935/encantar.v2.0001>.

MOTTA, L; FELTRAN, G. Fazer morrer e deixar morrer: efeitos do Covid-19 nas periferias urbanas. Contemporânea, v. 10, n. 1, p. 427-433, 2020. Disponível em: <https://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/937>. Acesso em: 28 jun. 2020.

OLIVEIRA, G.; SCAZUFCA, P.; MARGULIES, B. N. Ranking do saneamento 2020. São Paulo: Instituto Trata Brasil, 2020. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/images/estudos/itb/ranking_2020/Relatorio__Ranking_2020_18.pdf>. Acesso em: 28 jun. 2020.

PARKER, G.; VAN ALSTYNE, M.; CHOUDARY, S. Platform revolution. Nova York: W. W. Norton & Company, 2016.

SERRES, M. O contrato natural. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

TIC DOMICÍLIOS. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2020.

TIWANA, A. Platform ecosystem: aligning architecture, governance, and strategy. Waltham: Morgan Kaufman, 2014.

ZAROCOSTAS, J. How to fight an infodemic. The Lancet, v. 395, n. 10225, p. 676, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30461-X>.

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

FERREIRA, B. M.; NARDY, R.; CRUZ, M. S.; DI FELICE, M. . Net-ativismo e plataformas digitais em contexto pandêmico no Brasil. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 61–76, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/33529. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos