O Efeito Arquivo: Imagens de Arquivo como uma Experiência de Recepção

Palavras-chave: Apropriação, Documentário, Imagem Descoberta, Percepção, Espectador

Resumo

Nos últimos anos, o “arquivo”, tanto como conceito quanto como objeto, vem passando por uma transformação. A crescente disponibilidade de câmeras fotográficas e de vídeo, analógicas e digitais, levou a uma proliferação de documentos indexados fora dos arquivos oficiais e suscitou questões sobre o que constitui um “arquivo” e, consequentemente, sobre o que constituem “documentos de arquivo”. Ao mesmo tempo, cineastas estão se apropriando de imagens e sons de várias fontes, quebrando assim a distinção entre esses documentos e os “arquivísticos”. Isso exige uma reformulação da própria noção de documento de arquivo. Este artigo reformula a noção de documento de arquivo não como um objeto, mas enquanto uma experiência do espectador ou como uma relação entre o espectador e o texto. Defendo que certos documentos audiovisuais, ao serem apropriados por cineastas, produzem no espectador o que eu chamo de “efeito arquivo”, e essa experiência atribui aos documentos um tipo particular de autoridade “comprobatória”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaimie Baron , Universidade de Alberta, Canadá

Professora Associada do Departamento de Estudos Cinematográficos da Universidade de Alberta, Canadá

Referências

49 UP. Direção: Michael Apted. [S. l.]: ITV Granada, 2005.

ALIVE DAY MEMORIES: HOME FROM IRAQ. Direção: Jon Alpert e Ellen Goosenberg Kent. Nova York: HBO, 2007.

A TRIP DOWN MARKET STREET: 1905/2005. Direção: Melinda Stone. [S. l.]: Microcinema, 2005.

BARTHES, Roland. The Death of the Author. In: The Rustle of Language. Berkeley: University of California Press, [1968] 1989, p. 49–55.

BRUZZI, Stella. New Documentary: A Critical Introduction. London: Routledge, 2000.

HEWITT, Kim. Rize. Dir. David LaChapelle. Lionsgate films. Journal of Popular Music Studies, v. 17, n. 3, 2005, p. 345–352.

HUTCHEON, Linda. A Theory of Parody: The Teachings of Twentieth-Century Art Forms. Urbana and Chicago: University of Illinois Press, [1985] 2000.

KELLNER, Douglas; STREIBLE, Dan. “Introduction: Emile de Antonio: Documenting the Life of a Radical Filmmaker.” In: KELLNER, Douglas; STREIBLE, Dan (eds.). Emile de Antonio: A Reader. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2000, p. 1–84.

KNUTE ROCKNE ALL AMERICAN. Direção: Lloyd Bacon. USA, 1940.

LAWDER, Standish. 1992. Comments on Collage Film. In: HAUSHEER, Cecilia; SETTELE, Christoph (eds.) Found Footage Film. Luzern: VIPER, 1992, p. 112-115.

MORRIS, Errol. The Case of the Inappropriate Alarm Clock (Part 4). New York Times, 22 October, 2009.

MILLHOUSE: A WHITE COMEDY. Direção: Emile de Antonio. USA, 1971.

NANOOK, O ESQUIMÓ. Direção: Robert Flaherty. EUA e França, 1922.

NA SOMBRA DA LUA. Direção: David Sington. Reino Unido e EUA, 2007.

NOITE E NEBLINA. Direção: Alain Resnais. Paris: Argos Films, 1955. Edição em DVD, lançada pela The Criterion Collection, em 23 jun. 2003.

O SOL É PARA TODOS. Direção: Robert Mulligan. Los Angeles: Estúdios Universal, 1962.

PASSAGE À L’ACTE. Direção: Martin Arnold. Austria: Synchro Film, 1992.

POINT OF ORDER! Direção: Emile de Antonio. USA, 1964.

RIZE. Direção: David LaChapelle, EUA, 2005.

RUSSELL, Catherine. Experimental Ethnography: The Work of Film in the Age of Video. Durham: Duke University Press, 1999.

SANS SOLEIL. Direção: Chris Marker. França, 1983.

SEVEN UP! Direção: Michael Apted. [S. l.]: ITV Granada, 1964.

SOBCHACK, Vivian. Toward a Phenomenology of Nonfiction Film Experience. In: RENOY, Michael; GAINES, Jane (eds.). Collecting Visible Evidence. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999, p. 241–254.

SOBCHACK, Vivian. The Charge of the Real: Embodied Knowledge and Cinematic Consciousness. In: Carnal Thoughts: Embodiment and Moving Image Culture. Berkeley: University of California Press, 2004, p. 258–285.

STEEDMAN, Carolyn. Dust: The Archive and Cultural History. New Brunswick: Rutgers University Press, 2002.

THE CIVIL WAR. Direção: Ken Burns. USA, 1990.

ZIMMERMAN, Patricia R. 2008. The Home Movie Movement: Excavations, Artifacts, Minings. In: ISHIZUKA, Karen L.; ZIMMERMAN, Patricia R. (eds.). Mining the Home Movie: Excavations in Histories and Memories. Berkeley: University of California Press, 2008, p. 1-28.

ZRYD, Michael. Found Footage as Discursive Metahistory: Craig Baldwin’s Tribulation 99. In: The Moving Image 3, v. 2, 2003, p. 41–61.
Publicado
2020-08-30
Como Citar
BARON , J. O Efeito Arquivo: Imagens de Arquivo como uma Experiência de Recepção. Lumina, v. 14, n. 2, p. 134-157, 30 ago. 2020.