Mediação segundo Peirce e Latour

Palavras-chave: Mediação, Peirce, Latour, Comunicação, Epistemologia

Resumo

O presente artigo pretende explorar o conceito de “mediação” na obra de dois autores: Charles S. Peirce e Bruno Latour. Sem a intenção de confrontar ambas as teorias, o artigo dedica-se a uma tarefa prévia que é aquela de explicitar a natureza desse conceito na obra de cada um desses pensadores. Em Peirce, o conceito de mediação é lógico e radicalmente abstrato. Este artigo busca trilhar o caminho realizado por Peirce para alcançar o nível de abstração a que chegou, examinando as consequências des. A seguir é apresentada a proposta antropológicasociológica latouriana, destacando sua crítica aos dualismos próprios da modernidade, sua proposta para a ação dos híbridos, e a articulação de tal proposta com as noções latourianas de intermediário, mediador e actante. Tanto em Peirce como em Latour, nota-se a existência de uma dimensão não dual, que rompe, em certo sentido, com o dualismo sujeito/objeto ao instaurar o “império do meio”. Fica assim evidenciada a proeminência da mediação como ação do meio. Com isso, o presente texto pretende servir de base para pesquisas sobre mediação, dada a relevância desse conceito em um mundo mergulhado em antagonismos nos quais se encontra em falta o império do meio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Santaella, PUC/SP

Professora titular da PUC-SP, autora de 51 livros e organizadora de 24, além de centenas de artigos publicados no Brasil e no exterior. Pesquisadora 1A do CNPq.

Tarcisio Cardoso, Universidade Federal da Bahia Faculdade de Comunicação

Professor Adjunto da Faculdade de Comunicação da UFBA. Membro do grupo de pesquisa TransObjeto e do GPESC.

Referências

BERGMAN, Mats. Fields of signification. Explorations in Charles S. Peirce’s theory of signs. Philosophical Studies from the University of Helsinki 6, 2004.

FREIRE, Letícia de Luna. A ciência em ação de Bruno Latour. Cadernos IHU ideias, [s. l.], v. 1, n. 192, 2013.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba, 2012.

LATOUR, Bruno. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. Petrópolis: Vozes, 2019.

PEIRCE, Charles S. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Vols. 1-6, Hartshorne and Weiss (eds.); vols. 7-8, Burks.(ed.) Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1931-58. [Referida como CP]

PEIRCE, Charles S. Manuscripts. Institute for Studies in Pragmaticism. Lubbock: Texas, s/d. [Referida como MS]

PEIRCE, Charles S. The new elements of mathematics. EISELE, Carolyn (ed.). Berlim: Mouton de Gruyter, 1976. [Referida como NEM]

RANSDELL, Joseph. Some leading ideas of Peirce´s semiotic. In: Semiotica, 19-3/4, p. 157-178, 1977.

SANTAELLA, Lucia. Signo é mediação. In: PEREZ, Clotilde; Trindade, Eneus (orgs.). Mediações. São Paulo: Estação das Letras e Cores Ed. No prelo.

SANTAELLA, Lucia. Charles Sanders Peirce. São Paulo: Paulus, 2020.

Publicado
2020-12-23
Como Citar
SANTAELLA, L.; CARDOSO, T. Mediação segundo Peirce e Latour. Lumina, v. 14, n. 3, p. 5-21, 23 dez. 2020.
Seção
Artigos