Escravidão a cores: aproximação, reconhecimento e acolhimento da humanidade dos sujeitos negros na obra de Marina Amaral

Palavras-chave: Fotografia, Apropriação, Negritude, Escravidão, Antirracismo

Resumo

Este artigo toma para análise o trabalho In Color: Slavery in Brazil, 1869, da colorista Marina Amaral para observar de que maneira o gesto de apropriação da artista ressignifica os arquivos da escravidão brasileira, mais precisamente os tipos fotográficos feitos por Alberto Henschel. Parte-se do entendimento de que as imagens de Henschel (e de outros fotógrafos da época que apontavam suas câmeras para mulheres e homens negros) são assinaladas por uma lógica tipificadora que perpassa não apenas sua produção, mas seu consumo, no passado e no presente. Nessa acepção, os novos sentidos que são alcançados com o projeto da artista só podem emergir da ruptura com esse estatuto. Para isso, Amaral recorre à colorização e à montagem das fotografias de maneira que convida o espectador a enxergá-las de outro modo, distanciado daquele que é o cerne da representação das pessoas negras escravizadas: a ideia de Outro, peculiar, diferente e estranho. O que a colorista propõe, em direção contrária, é fazê-las aparecer nas fotos a partir de sua natureza humana. Trata-se, defende-se aqui, de uma ação de caráter estético amplo, de teor político – essencialmente antirracista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Lima Santos, Universidade Federal de Ouro Preto

Professora do curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto. Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia.

Sarah Gonçalves Ferreira, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto. Graduada em Jornalismo pela mesma universidade.

Referências

AMARAL, Marina. In color: slavery in Brazil, 1869. Marina Amaral’s website, 23 set. 2019. Disponível em: https://marinamaral.com/in-color-slavery-in-brazil-1869. Acesso em: 2 mar. 2020.

AZOULAY, Ariella. Desaprendendo momentos decisivos. Zum, n. 17, p: 117-137, 2019.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRIZUELA, Natália. Fotografia e império: paisagens para um Brasil moderno. São Paulo: Companhia das Letras/Instituto Moreira Sales, 2012.

CARDIM, Mônica. Identidade branca e diferença negra: Alberto Henschel e a representação do negro no Brasil do século XIX. Tese (Programa de Pós-Graduação em Estética e História da Arte). São Paulos: USP, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/93/93131/tde-01072014-123956/pt-br.php. Acesso em: 19 mar. 2020.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019 .

hooks, bell. Yearning: race, gender and cultural politics. Boston: South End Press, 1990.

KILOMBA, Grada. Memórias de plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

KOSSOY, Boris. Dicionário historiográfico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.

KOUTSOUKOS, Sandra Sofia. No estúdio do fotógrafo: representação e auto-representação de negros livres, forros e escravos no Brasil da segunda metade do século XIX. Tese (Programa de Pós-Graduação em Multimeios). Campinas: Unicamp, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/285033. Acesso em: 19 mar. 2020.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: um processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PULS, Mauricio. Cor ou preto e branco? Razões de uma escolha. Zum, 11 mar, Online, 2016. Disponível em: https://revistazum.com.br/radar/cor-ou-pb. Acesso em: 23 mar. 2020.

RANCIÈRE, Jacques. Política da arte. Urdimento, v. 1, n. 15, p: 45-59, 2010. Disponível em http://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/issue/view/348. Acesso em: 26 mar. 2020.

SANTOS, Ana Carolina Lima; TEIXEIRA, Rafael Tassi. Do passado ao presente, do preto e branco à cor: restituições da memória de Auschwitz. E-Compós, v. 23, p. 1-25, 2020. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1925. Acesso em: 26 mar. 2020.

Publicado
2020-08-30
Como Citar
SANTOS, A. C. L.; GONÇALVES FERREIRA, S. Escravidão a cores: aproximação, reconhecimento e acolhimento da humanidade dos sujeitos negros na obra de Marina Amaral. Lumina, v. 14, n. 2, p. 55-73, 30 ago. 2020.
Seção
Dossiê: Apropriação, Inapropriação, Desapropriação