“Konbanwa, Terrace House Wa”: a moral contemporânea e a busca por autenticidade num reality show japonês

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2020.v14.28888

Palavras-chave:

Cultura Midiática, Televisão Japonesa, Autenticidade, Reality Shows, Terrace House

Resumo

O artigo busca refletir sobre a importância do conceito de autenticidade na construção da experiência contemporânea dos reality shows produzidos no Japão, em particular, na franquia Terrace House (TV Fuji, 2012 - Presente). Utilizando uma metodologia baseada em uma observação sistemática dos episódios da segunda temporada de Terrace House: Boys & Girls in the city (2015 - 2016) disponível no catálogo da Netflix Brasil, argumentamos que as condições de convivência criadas pela produção do programa, que manifesta-se de maneira mais contundente na suposta ausência de um “roteiro” a ser seguido, seriam as ideais para a revelação da autenticidade dos participantes desse reality show, numa perspectiva moral e filosófica não-ocidental. Nossa hipótese central é que a ausência estratégica de regras de convivência previamente estabelecidas pela produção do programa para os participantes de Terrace House: Boys & Girls in the city interagirem entre si, seriam capazes de reforçar ainda mais a noção de “bem comum”, bastante valorizada na sociedade japonesa, além de favorecer a adoção de “máscaras sociais” condizentes às expectativas morais e sociais nos modos de agir dessa mesma sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Krystal Urbano, PPGCOM/UFF

Doutora e Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (PPGCOM | UFF)

Mayara Araujo, PPGCOM/UFF

Doutoranda do programa de pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (PPGCOM-UFF).

Referências

BARBOSA, M. História cultural da imprensa. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARTHES, R. Rhétorique de l’image. Communications, 4, Recherches sémiologiques, p.40-51, 1964.

BORTONI-RICARDO, S. M. et al. Raízes sociolinguísticas do analfabetismo no Brasil. Acoalfa: Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa, São Paulo, ano 2, n. 4, 2008.

BLACK, L. As mulheres e a guerra. In: ROBERTS, J. M. (Org.). A história do século XX. – 1914-1919. São Paulo: Abril, 1974. p. 673-675.

BRINKMANN, S.; JACOBSEN, M.;KRISTIANSEN, S. Historical overview of qualitative research in the social sciences. In: LEAVY, P. (ed.). The Oxford handbook of qualitative research. Oxford, UK: Oxford University Press, 2014. p.17-42.

COSTA, C. A imagem da mulher: um estudo de arte brasileira. Rio de Janeiro: Editora Senac Rio, 2002.

DURKHEIM, É. Representações individuais e representações coletivas. In: Sociologia e Filososfia. Rio de Janeiro: Forense, 1970 [1898].

FEIJÃO, R. Moda e modernidade na belle époque carioca. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011.

FRANÇA, V. R. V. Representações, mediações e práticas comunicativas. In: PEREIRA, M.; GOMES, R.C.; FIGUEIREDO, V. L. F. de.; Comunicação, representação e práticas sociais. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Aparecida: Ideias & Letras, 2004.

GORBERG, M. Parc Royal: um magazine na modernidade carioca. Dissertação de mestrado. 148 f. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais. FGV. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: file:///C:/Users/owner/Downloads/Parc%20Royal%20um%20magazine%20na%20modernidade%20carioca_Marissa%20Gorberg%20FGV%20pos%20defesa.pdf. Acesso em: 16 jun. 2017.

ISMÉRIO, C. Construções e representações do universo feminino (1920-1945). Historiæ. Rio Grande, v.3, n.2, p.164-184, 2012. Disponível em: https://periodicos.furg.br/hist/article/view/2987. Acesso em: 10 abr. 2017.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 2003.

KNAUS, P. et al. Revistas ilustradas: modos de ler e ver no Segundo Reinado. Rio de Janeiro: MAUAD X: FAPERJ, 2011.

MALUF, M.; MOTT, M. L. Recônditos do mundo feminino. In: SEVCENKO, N. (Org.). História da vida privada no Brasil. Vol 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 367-421.

McKEE, A. Textual analysis: a beginner’s guide. London, England: SAGE, 2003.

MOSCOVICI, S. Representações sociais. Investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

NOGUEIRA, C. A. Revista Careta (1908-1922): símbolo da modernização da imprensa no século XX. Miscelânia, Assis (SP), v. 8, p. 1-21, 2010. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/648/613. Acesso em: 17 abr. 2017.

PAZ, A. O modernismo e a moda feminina nos anos 1920. Iara – Revista de Moda, Cultura e Arte. São Paulo, v. 4, n. 2, p.5-19, 2011. Disponível em: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistaiara/wp-content/uploads/2015/01/02_IARA_vol4_n2_Dossie.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

PÉNINOU, G. O sim, o nome e o caráter. In: STEIFF, J. M. et al. Os mitos da publicidade. Petrópolis: Vozes, 1974.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PRIORE, M. del. História das mulheres no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1997.

RAINHO, M. do C. A cidade e a moda. Brasília: UNB, 2002.

ROCHA, E. The woman in pieces: advertising and the construction of feminine identity. SAGE Open, v. 3, n. 4, s/p., out., 2013. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2158244013506717. Acesso em: 20 abr. 2017.

ROCHA, E. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2010.

ROCHA, E.; PEREIRA, C.; AUCAR, B. Os anúncios nas revistas ilustradas: imaginário e valores brasileiros no início do século XX. In: ROCHA, Everardo; PEREIRA, Cláudia (orgs.). Cultura e imaginação publicitária. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Ri0: Mauad, 2013. p. 41-67.

ROCHA, E.; FRID, M.; CORBO, W. O paraíso do consumo: Émile Zola, a magia e os grandes magazines. Rio de Janeiro: Mauad/PUC-Rio, 2016.

RODRIGUES, M. O Brasil na década de 20. São Paulo: Coleções Memórias, 2010.

SOARES, A. C. E. C.; BARROS, N. C. F. As propagandas da Revista Feminina (1914-1936): a invenção do mito da beleza. Oficina do Historiador, Porto Alegre, EDIPUCRS, v. 7, n.1, p. 106-120, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/owner/Downloads/14655-71064-1-PB.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.

SOIHET, R. História das mulheres e história de gênero. Um depoimento. Periódicos Unicamp. Cadernos Pagu. São Paulo, 1998.

TITSCHER, S. et al. Methods of text and discourse analysis: in search of meaning. Londres, Inglaterra: SAGE, 2000.

VELLOSO, Mônica Pimenta. Fon-Fon! em Paris: passaporte para o mundo. In: Fon-Fon! Buzinando a modernidade. Rio de Janeiro: Cadernos de Comunicação – Prefeitura do Rio de Janeiro, out. 2008.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

WISER, William. Os anos loucos: Paris na década de 20. Rio de Janeiro: José Olympio, 1995.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

URBANO, K.; ARAUJO, M. “Konbanwa, Terrace House Wa”: a moral contemporânea e a busca por autenticidade num reality show japonês. Lumina, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 112–129, 2020. DOI: 10.34019/1981-4070.2020.v14.28888. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/28888. Acesso em: 11 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos