Sobre a comunicologia de Vilém Flusser: uma visada epistemológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2020.v14.27321

Palavras-chave:

Código, Comunicologia, Epistemologia, Flusser, Midiatização

Resumo

Partindo do importante pressuposto que caracteriza a tradição epistemológica francesa, de que as redes conceituais desempenham papel central na constituição das áreas de conhecimento, o artigo propõe a teoria da comunicação do filósofo tcheco-brasileiro Vilém Flusser como contribuição decisiva às especificidades do campo comunicacional. Com base na midiatização como atual forma histórica da comunicação, problematiza-se a contraposição de informação e sentido como estrutura ambígua do objeto comunicacional, em que o pensamento flusseriano pode ser visto como caminho comum aos dois polos de entendimento. Em termos metodológicos, são realizados inicialmente apontamentos acerca do percurso filosófico de Flusser, que vai da linguagem à comunicação. Em seguida, explora-se a ressignificação que o autor faz da informação, inserindo-a num enquadramento epistemológico propriamente comunicacional. Posteriormente, apresenta-se a escalada da abstração como perspectiva fenomenológica da história da cultura, revelando o código simbólico como mediação fundamental entre a informação e o sentido. Por fim, procura-se lançar um olhar epistemológico sobre a midiatização, em que ela conforma o código zero dimensional, reacendendo o debate ontológico acerca do comunicacional na presente área de estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Quiroga, Universidade de Brasília

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, pós-doutorado em Antropologia pela Freie Universität (FUB), Berlim, Alemanha. Docente da Faculdade de Comunicação (FAC), Universidade de Brasília (UnB)

Guilherme Policena , Universidade de Brasília

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Comunicação (FAC) da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência. Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2004b.

FERRARA, L. A comunicação que não vemos. São Paulo: Editora Paulus, 2018.

FLUSSER, V. Bodenlos: uma autobiografia filosófica. São Paulo: Annablume, 2007a.

FLUSSER, V. Comunicologia: reflexões sobre o futuro: as conferências de Bochum. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007b.

FLUSSER, V. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.

HANKE, M. A comunicologia segundo Vilém Flusser. Galáxia. São Paulo, n. 7, p.59–72, abr. 2004.

MARCONDES FILHO, C. Propostas e insuficiências de Vilém Flusser. Revista Em questão, Porto Alegre, vol.12, n.2, p.423-456, julho/dezembro 2006.

QUIROGA, T. Pensando a episteme comunicacional. Campina Grande: Eduepb, 2013.

SHANNON, C; WEAVER, W. A teoria matemática da comunicação. São Paulo: Difel, 1975.

WIENER, N. Cibernética e sociedade. São Paulo: Cultrix. 1968.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

QUIROGA, T.; POLICENA , G. . . Sobre a comunicologia de Vilém Flusser: uma visada epistemológica. Lumina, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 22–36, 2020. DOI: 10.34019/1981-4070.2020.v14.27321. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/27321. Acesso em: 22 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos