Narrativa e ética no cinema brasileiro do século XXI:A questão do ponto de vista

  • Vera Lúcia Follain de Figueiredo
  • Eduardo Miranda Silva
Palavras-chave: Narrativa, Cinema, Ponto De Vista, Ética

Resumo

No campo da literatura, a partir do final do século XIX, o ceticismo diante da possibilidade de uma representação objetiva, a ideia de que, antes de qualquer conteúdo ideológico, já seria ideológica a pretensão do narrador de representar a realidade, tem como resultado a perda de espaço da narrativa em terceira pessoa: esta cede lugar aos relatos em primeira pessoa, nos quais o narrador, frequentemente, se autoparodia, como se tivesse de se justificar, de pedir desculpas por ter ousado relatar algo, multiplicando-se os pontos de vista de modo a relativizar qualquer certeza. No âmbito deste artigo, busca-se pensar tal questionamento da objetividade narrativa no campo cinematográfico, considerando a crítica realizada, no Brasil, a partir dos anos 70, à “voz do saber” e ao uso da terceira pessoa, predominante no discurso do Cinema Novo. Parte-se da conjunção, no pós-golpe militar, entre a autocrítica dos cineastas intelectuais e o surgimento do cinema direto, com captação simultânea de imagem e som, para pensar a opção pelo ponto de vista – primeira ou terceira pessoa – no atual cinema de ficção brasileiro e sua relação com as demandas éticas e políticas que têm pontuado as duas primeiras décadas do século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Follain de Figueiredo
Doutora em Letras, PUC-Rio. E-mail: verafollain@gmail.com
Eduardo Miranda Silva
Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade e Pós-doutorando (PUC-Rio, CNPq). E-mail: edumirando@gmail.com

Referências

ADORNO. Theodor W. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.

AUGÉ, Marc. A guerra dos sonhos: exercícios de etnoficção. Campinas, SP: Papirus, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance.São Paulo: Hucitec; UNESP, 1988.

BAZIN, André. Qué es el cine?Madrid: Rialp, 2001.

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHARTIER, Roger. La historia o la lectura del tiempo. Barcelona: Gedisa, 2007.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e Poder. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

EDUARDO, Cléber. “Eu é um outro – Variações da narração em primeira pessoa”. In: CAETANO, Daniel (Org). Cinema Brasileiro: 1995 – 2005: ensaios sobre uma década. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005.

FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: PUC/7 letras, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. Lisboa: Veja, 1995.

GONÇALVES, Ana Maria. O que a polêmica sobre o filme “Vazante” nos ensina sobre fragilidade branca. The Intercept. Disponível em: <https://theintercept.com/2017/11/16/o-que-a-polemica-sobre-o-filme-vazante-nos-ensina-sobre-fragilidade-branca/>. Acesso em: 23 mar.2019.

KADARÉ, Ismail. Abril despedaçado. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1977.

MULVEY, Laura. “Prazer visual e cinema narrativo”. In: XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

NAGIB, Lúcia. A utopia no cinema brasileiro: matrizes, nostalgia, distopias. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

NICHOLS, Bill. A voz do documentário. In: RAMOS, Fernão Pessoa. Teoria Contemporânea do Cinema: documentário e narratividade ficcional. v.2. São Paulo: SENAC, 2005.

NOVAES, Adauto (Org). O Silêncio dos intelectuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SARTRE, Jean-Paul. Em defesa dos intelectuais. São Paulo: Ática, 1994.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?Belo Horizonte: UFMG, 2010.

WILLIAMS, Raymond. A política do Modernismo: contra os novos conformistas. São Paulo: UNESP, 2011.

WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: USP, 1992.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Follain de Figueiredo, V. L., & Miranda Silva, E. (2019). Narrativa e ética no cinema brasileiro do século XXI:A questão do ponto de vista. Lumina, 13(1), 47-61. https://doi.org/10.34019/1981-4070.2019.v13.26076
Seção
Dossiê: Narrativas midiáticas, dialogias, migrações e mutações