A vida cotidiana em Paterson e as categorias fenomenológicas do pensamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.21539

Palavras-chave:

Comunicação, Análise fílmica, Vida cotidiana, Fenomenologia, Senso comum.

Resumo

O artigo volta-se à análise do longa-metragem Paterson (2016), do diretor norte-americano Jim Jarmusch, obra que apresenta como principal referência os eventos que sucedem a vida cotidiana. A trama do romance acontece em um cenário urbano, sob o protagonismo de um tranquilo motorista de ônibus que descreve os acontecimentos do seu dia a dia em abstrações poéticas. O trabalho propõe-se a uma reflexão sobre os impactos que provém da organização da vida cotidiana ordenada pelo tempo da produção linear. A vida cotidiana pode ser compreendida a partir de um cenário progressivo de fenômenos mediados por acontecimentos ordinários e regulares (instância temporal), que respaldam — e encontram respaldo — no senso comum como forma de conhecimento (instância da produção de significados). A partir de análise de sequências do filme, o artigo indica uma reflexão sobre a constituição da vida cotidiana em interface com as categorias do pensamento fenomenológico oriundas da filosofia peirceana. Compreende-se, em sintonia com Cañizal (2001), que as formas de expressão poética mobilizadas pelo longa-metragem endereçam a uma ruptura do conhecimento padronizado, sublinhando a poiésis como categoria metafísica que expande os aspectos de representação da realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Paulo da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). 

Victor Hugo Sanches Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Referências

CAÑIZAL, Eduardo Peñuela. Poética da Imagem. Novos Olhares, v.8, n.8, p. 29-34, 2001. Disponível em:< https://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/download/51359/55426/63922>. Acesso em: 1 abr. 2021.

UNITED STATES CENSUS BUREAU. Censo Paterson 2000. Disponível em: <https://www.census.gov/main/www/cen2000.html> Acesso em: 03. Jul. 2018.

DARGIS, Manohla. Review: In Jim Jarmusch’s ‘Paterson,’ a meditative flow of words into poetry. The New York Times, Nova York, 27. dez. 2016. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2016/12/27/movies/paterson-review.html>. Acesso em: 03. Jul. 2018.

HELLER, Agnes. O Cotidiano e a História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

IBRI, Ivo Assad. Kósmos Noetós: A arquitetura metafísica de Charles S. Peirce. São Paulo: Paulus, 2015.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

PATERSON. Direção: Jim Jarmusch. [S. l.]: Eurovideo, 2016. (112 min), son., color.

PEIRCE, Charles S. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Vols. 1-6, Hartshorne and Weiss (eds.); vols. 7-8, Burks. (ed.) Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1931-58. [Referida como CP]

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOUZA MARTINS, José de. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

Downloads

Publicado

2021-05-05

Como Citar

DA SILVA, M. P.; SANCHES PEREIRA, V. H. A vida cotidiana em Paterson e as categorias fenomenológicas do pensamento. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 47–62, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.21539. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21539. Acesso em: 24 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos