“Gorda, sim! Maravilhosa, também!”: Corpo, desejo e autenticidade em testemunhos de vítimas de gordofobia no YouTube

  • Paulo Vaz Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Nicole Sanchotene Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Amanda Santos
Palavras-chave: autoestima, corpo, sofrimento, desejo, autenticidade

Resumo

Este trabalho propõe analisar quais as condições e implicações da consolidação da gordofobia como uma pauta social contemporânea. Como suporte empírico, foram escolhidos três canais no YouTube de mulheres que narram suas experiências como vítimas de gordofobia. A partir dos vídeos, o artigo propõe pensar o corpo gordo como uma forma de identidade num contexto social que reverencia tanto a magreza quanto a autenticidade. Será discutido como as noções de empoderamento e autoestima presentes nestes discursos reforçam aspectos da moralidade contemporânea. Ainda, refletir sobre como estes testemunhos no espaço público participam da produção da subjetividade da vítima de preconceito, constituindo-se a partir da experiência de ressentimento. Por fim, sugerir que estas narrativas autobiográficas, embora questionem os padrões estéticos que orientam o desejo ao corpo magro, funcionam como um meio de os indivíduos se constituírem enquanto desejáveis porque autênticos, adequando-se a outra regra moral vigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Vaz, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Adjunto da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1988), doutorado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e pós-doutorado pela University Of Illinois At Chicago (2004).

Nicole Sanchotene, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bolsista CAPES. Mestre em Comunicação e Cultura também pelo PPGCOM-UFRJ (2018). Bacharel em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2014).
Amanda Santos
Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui graduação em Comunicação Social, tendo atuado como bolsista de iniciação científica (CNPq) entre 2013 e 2015.

Referências

ANSART, P. História e memória dos ressentimentos. In: BRESCIANI, S.; NAXARA, M. (Orgs.). Memória e (res)sentimento – indagações sobre uma questão sensível. Campinas: UNICAMP, 2004.

BROWN, W. States of injury. Princeton: Princeton University Press, 1995.
DAVIS, J. Accounts of innocence: sexual abuse, trauma, and the self. Chicago: Chicago University Press, 2005.

FASSIN, D.; RECHTMAN, R. The empire of trauma. Princeton: Princeton University Press, 2009.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1 – A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FREIRE FILHO, J. O poder em si mesmo: jornalismo de autoajuda e a construção da autoestima. Revista Famecos, v. 18, n. 3, p. 117-745, 2011. Disponível em: < http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/10379>. Acesso em: 4 ago. 2018.

FUREDI, F. Therapy culture: cultivating vulnerability in an uncertain age. New York: Routledge, 2004.

GOLDENBERG, M. (Org.). O corpo como capital: gênero, sexualidade e moda na cultura brasileira. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

HACKING, I. Rewriting the soul: multiple personality and the sciences of memory. Princeton: Princeton University Press, 1995.

______. The social construction of what? Cambridge: Harvard University Press, 1999.

HEWITT, J. The myth of self-esteem: finding happiness and solving problems in America. New York: St Martin’s Press, 1998.

ILLOUZ, E. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SANCHOTENE, N. A verdade do corpo autêntico: da boa forma ao empoderamento em narrativas autobiográficas no YouTube. Dissertação (Mestrado) – PPGCOM, UFRJ, Rio de Janeiro, 2018.

SARTI, C. A vítima como figura contemporânea. Caderno CRH, v. 24, n. 61, p. 51-61, 2011. Disponível em: < https://bit.ly/2KrYQZa>. Acesso em: 4 ago. 2018.

SIBILIA, P. Em busca da felicidade lipoaspirada: agruras da imperfeição carnal sob a moral da boa forma. In: FREIRE FILHO, J. Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

SUE, D. et al. Racial microaggressions in everyday life: implications for clinical practice. American Psychological Association, v. 62, n. 4, 2007.
Disponível em: < https://bit.ly/2kaNmxx>. Acesso em: 4 ago. 2018.

TAYLOR, C. A ética da autenticidade. São Paulo: É Realizações, 2010.

______. A secular age. Cambridge: Harvard University Press, 2007.

VAZ, P. Na distância do preconceituoso: narrativas de bullying por celebridades e a subjetividade contemporânea. Galáxia, n. 28, p. 32-44, 2014. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/download/19044/15732>. Acesso em: 4 ago. 2018.

______. Vítima Virtual e Mídia. Vigilância, Segurança e Controle Social na América Latina, Curitiba, 2009.

VIGARELLO, G. As metamorfoses do gordo – história da obesidade no Ocidente. Da Idade Média ao século XX. Petrópolis: Vozes, 2012.
Publicado
2018-08-30
Como Citar
VAZ, P.; SANCHOTENE, N.; SANTOS, A. “Gorda, sim! Maravilhosa, também!”: Corpo, desejo e autenticidade em testemunhos de vítimas de gordofobia no YouTube. Lumina, v. 12, n. 2, p. 99-117, 30 ago. 2018.
Seção
Dossiê: Comunicação, Condição da Vítima e Políticas de Sofrimento